Trump de­mi­te as­ses­sor que de­fen­dia ação mi­li­tar con­tra Irã e Ve­ne­zu­e­la

Ci­tan­do di­ver­gên­ci­as, pre­si­den­te ame­ri­ca­no usa o Twitter pa­ra afas­tar John Bolton, con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, um dos prin­ci­pais li­nhas-du­ras do governo, que de­fen­dia uma política mais agres­si­va con­tra ad­ver­sá­ri­os dos EUA

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - WASHING­TON

O pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, de­mi­tiu on­tem John Bolton, seu ter­cei­ro con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal em dois anos e meio. Trump anun­ci­ou a saí­da pe­lo Twitter, ci­tan­do di­ver­gên­ci­as so­bre a política ame­ri­ca­na com re­la­ção a Irã, Ve­ne­zu­e­la, Co­reia do Nor­te, Afe­ga­nis­tão e Rús­sia. Ho­ras de­pois, Trump dis­se es­tar dis­pos­to a se reu­nir sem pre­con­di­ções com o pre­si­den­te do Irã, Has­san Roha­ni, so­bre o pro­gra­ma nu­cle­ar ira­ni­a­no.

Bolton, de 70 anos, foi o ide­a­li­za­dor da política de pres­são to­tal so­bre a Ve­ne­zu­e­la, pa­ra ten­tar der­ru­bar o re­gi­me do pre­si­den­te cha­vis­ta, Ni­co­lás Ma­du­ro, dan­do apoio ao lí­der opo­si­tor, Ju­an Gu­ai­dó, au­to­pro­cla­ma­do pre­si­den­te in­te­ri­no da Ve­ne­zu­e­la, no co­me­ço do ano. Trump dis­se que no­me­a­rá o subs­ti­tu­to na pró­xi­ma se­ma­na. A no­tí­cia, anun­ci­a­da após Trump can­ce­lar as ne­go­ci­a­ções se­cre­tas com o Ta­le­ban, que se­ri­am re­a­li­za­das nos EUA, pe­gou mui­tos ali­a­dos de sur­pre­sa.

Co­mo ve­te­ra­no da bu­ro­cra­cia ame­ri­ca­na, ele atu­ou em to­dos os go­ver­nos re­pu­bli­ca­nos des­de Ro­nald Re­a­gan. Nes­ta pas­sa­gem pe­la Ca­sa Bran­ca, Bolton aju­dou a co­lo­car a Amé­ri­ca La­ti­na co­mo um dos fo­cos da política ex­ter­na ame­ri­ca­na na se­gun­da me­ta­de do governo Trump.

En­quan­to es­te­ve no car­go, o ex-con­se­lhei­ro mui­tas ve­zes en­con­trou ma­nei­ras di­fe­ren­tes de man­dar re­ca­do aos ad­ver­sá­ri­os. Em janeiro, ele apa­re­ceu em uma entrevista co­le­ti­va ao la­do do se­cre­tá­rio do Te­sou­ro, Ste­ven Mnu­chin, se­gu­ran­do um ca­der­no com du­as ano­ta­ções: “Afe­ga­nis­tão, bem-vin­das as ne­go­ci­a­ções” e “5 mil tro­pas pa­ra a Colôm­bia” – di­ri­gi­das ao Ta­le­ban e a Ma­du­ro, res­pec­ti­va­men­te.

Às ve­zes, ele ia di­rei­to ao pon­to. Ao co­men­tar a no­va política dos EUA com re­la­ção a Cu­ba, em mar­ço, Bolton de­cla­rou que “a Dou­tri­na Mon­roe es­ta­va bem vi­va”.

“In­for­mei John Bolton on­tem à noi­te que seus ser­vi­ços não são mais ne­ces­sá­ri­os na Ca­sa Bran­ca. Dis­cor­dei for­te­men­te de mui­tas de su­as su­ges­tões, as­sim co­mo de ou­tros do governo e, por­tan­to, pe­di a John sua de­mis­são, que ele me en­tre­gou nes­ta ma­nhã”, es­cre­veu Trump no Twitter. Mas Bolton re­ba­teu a ver­são do pre­si­den­te e dis­se que foi ele quem pe­diu de­mis­são.

Se­ja co­mo for, sua saí­da ocor­re no mo­men­to em que Trump bus­ca uma aber­tu­ra di­plo­má­ti­ca com dois dos ini­mi­gos mais im­por­tan­tes dos EUA – Co­reia do Nor­te e Irã –, que os fal­cões de Washing­ton, co­mo Bolton, não con­si­de­ram con­fiá­veis.

On­tem, Trump con­ti­nu­ou a elo­gi­ar o lí­der nor­te-co­re­a­no, Kim Jong-un, ape­sar de ele ter se re­cu­sa­do a aban­do­nar seu pro­gra­ma nu­cle­ar e dos re­pe­ti­dos tes­tes de mís­seis de cur­to al­can­ce, que ame­a­çam os paí­ses vi­zi­nhos.

Nos úl­ti­mos di­as, Trump já vi­nha ma­ni­fes­tan­do von­ta­de de se reu­nir com o pre­si­den­te ira­ni­a­no e até de es­ten­der fi­nan­ci­a­men­to de cur­to pra­zo a Te­e­rã, em­bo­ra a ofer­ta te­nha si­do até ago­ra re­jei­ta­da.

Co­nhe­ci­do por seu bi­go­de bran­co, Bolton é uma fi­gu­ra con­tro­ver­ti­da e era con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais ar­ti­cu­la­do­res da du­ra abor­da­gem de Trump em política ex­ter­na.

Bolton foi tam­bém um dos pro­mo­to­res do fal­so ar­gu­men­to so­bre as ar­mas de des­trui­ção em mas­sa de Sad­dam Hus­sein, que le­vou à in­va­são do Ira­que em 2003. Em 2006, ele te­ve de dei­xar o car­go de em­bai­xa­dor ame­ri­ca­no na ONU de­pois de ape­nas 14 me­ses, em ra­zão da re­cu­sa do Se­na­do dos EUA em con­fir­má-lo pa­ra o pos­to.

O anún­cio de Trump no Twitter foi fei­to lo­go após a as­ses­so­ria de im­pren­sa da Ca­sa Bran­ca di­zer que Bolton da­ria uma entrevista co­le­ti­va so­bre ques­tões de ter­ro­ris­mo ao la­do do se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Mi­ke Pom­peo, e do se­cre­tá­rio do Te­sou­ro.

Pom­peo, que tra­vou du­ras dis­pu­tas com Bolton nos úl­ti­mos me­ses, não es­con­deu o alí­vio com a de­ci­são do pre­si­den­te. “Ele deve ter pes­so­as con­fiá­veis”, afir­mou. “Nós tí­nha­mos di­fe­ren­tes vi­sões so­bre co­mo de­ve­ría­mos pro­ce­der.” O en­vi­a­do dos EUA na Co­reia do Nor­te, Stephen Bi­e­gun, es­tá en­tre os no­mes mais co­ta­dos pa­ra subs­ti­tuir Bolton co­mo as­ses­sor de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal.

DOUG MILLS/THE NEW YORK TI­MES-20/8/2019

Na Ca­sa Bran­ca. Trump e Bolton: re­la­ção con­fli­tu­o­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.