Ath­le­ti­co-PR quer con­quis­tar o mun­do até 2024

Co­pa do Brasil. Clu­be pa­ra­na­en­se, que faz ho­je o pri­mei­ro jo­go da fi­nal com o In­ter, tem ad­mi­nis­tra­ção mo­der­na e pla­nos am­bi­ci­o­sos

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Ci­ro Cam­pos

Mui­to an­tes de ser cam­peão da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na, no ano pas­sa­do, e de vi­ver a ex­pec­ta­ti­va de es­tar na fi­nal da Co­pa do Brasil des­ta tem­po­ra­da, o Ath­le­ti­co-PR, que re­ce­be o In­ter­na­ci­o­nal às 21h30, no pri­mei­ro jo­go da de­ci­são, co­lo­cou no pa­pel uma sé­rie de me­tas pa­ra se trans­for­mar e ser com­pe­ti­ti­vo. Um ras­cu­nho tra­ça­do em 1995 en­tre seus di­ri­gen­tes ti­nha ob­je­ti­vos cla­ros, co­mo co­lo­car as con­tas em dia, ter um es­tá­dio mais mo­der­no e se tor­nar pro­ta­go­nis­ta no ce­ná­rio na­ci­o­nal. Com tu­do is­so cum­pri­do a di­re­to­ria, ago­ra, tem so­nhos mais al­tos, en­tre eles con­quis­tar o Mun­di­al da Fi­fa até 2024, ano do cen­te­ná­rio.

O pro­je­to po­de pa­re­cer ou­sa­do, mas com­bi­na com as as­pi­ra­ções do clu­be e com seu mo­men­to. O Ath­le­ti­co-PR não é de so­nhar pe­que­no. A vi­ra­da res­pon­sá­vel por fa­zer o ti­me vi­ver um pe­río­do tão po­si­ti­vo co­me­çou de­pois de uma das mai­o­res der­ro­tas da sua his­tó­ria. Em abril de 1995, a equi­pe foi go­le­a­da por 5 a 1 pe­lo Co­ri­ti­ba, no Cam­pe­o­na­to Pa­ra­na­en­se. Di­as de­pois, di­ri­gen­tes do clu­be se reu­ni­ram pa­ra dis­cu­tir uma re­for­mu­la­ção com­ple­ta no fu­te­bol.

Quem li­de­rou es­sa em­prei­ta­da foi Ma­rio Cel­so Pe­tra­glia, di­ri­gen­te his­tó­ri­co do clu­be des­de aque­la épo­ca – atu­al­men­te ele é pre­si­den­te do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo, com gran­des po­de­res. Veio de­le a ar­ti­cu­la­ção pa­ra na­que­le mes­mo ano, 1995, se tor­nar pre­si­den­te e apre­sen­tar o tal pla­no de me­tas. Pro­pos­tas co­mo con­tas em dia, ca­te­go­ri­as de ba­se or­ga­ni­za­das, es­tá­dio mo­der­no e ges­tão pro­fis­si­o­nal já es­ta­vam em pau­ta e fo­ram cum­pri­das à ris­ca des­de en­tão. O Ath­le­ti­co só fez cres­cer.

“Qu­e­re­mos con­ti­nu­ar cres­cen­do, ca­da vez mais for­tes, pa­ra che­gar na­qui­lo que al­me­ja­mos. Foi pro­mes­sa nos­sa, e te­nho cer­te­za de que va­mos cum­prir, que em dez anos, até o nos­so cen­te­ná­rio, bo­ta­re­mos no pei­to a es­tre­la de cam­peão do mun­do. Po­dem me co­brar”, dis­cur­sou Pe­tra­glia em 2015.

Ele as­su­miu a pre­si­dên­cia do clu­be em 1995, ano do pri­mei­ro tí­tu­lo na­ci­o­nal da equi­pe, o Bra­si­lei­ro da Sé­rie B. O Ath­le­ti­coPR que­ria mais. Nas tem­po­ra­das se­guin­tes, ar­ti­cu­lou dois im­por­tan­tes pro­je­tos. O pri­mei­ro foi a cons­tru­ção do mo­der­no CT do Ca­ju. O se­gun­do pas­so foi re­for­mar o an­ti­go es­tá­dio Jo­a­quim Amé­ri­co e trans­for­má­lo na pri­mei­ra are­na do Brasil.

Cal­dei­rão. Inau­gu­ra­da em 1999, a Are­na da Bai­xa­da se mos­trou fun­da­men­tal pa­ra a evo­lu­ção do clu­be. O es­tá­dio foi um gran­de ali­a­do na cam­pa­nha do tí­tu­lo bra­si­lei­ro de 2001, uma das mai­o­res con­quis­tas atle­ti­ca­nas, e em ou­tros mo­men­tos de des­ta­que. A equi­pe ru­bro-ne­gra ain­da se­ria vi­ce-cam­peã do Bra­si­lei­ro de 2004 e da Li­ber­ta­do­res do ano se­guin­te.

O Ath­le­ti­co tam­bém fez bo­as cam­pa­nhas nas tem­po­ra­das que se se­gui­ram, en­quan­to se or­ga­ni­za­va nos bas­ti­do­res pa­ra ob­ter ou­tras evo­lu­ções es­tru­tu­rais. O es­tá­dio pas­sou por re­for­ma pa­ra po­der re­ce­ber a Co­pa de 2014 e o de­par­ta­men­to de fu­te­bol se re­es­tru­tu­rou. O Ath­le­ti­co in­ves­tiu na cri­a­ção de um de­par­ta­men­to de es­ta­tís­ti­cas, apos­tou em téc­ni­cos es­tran­gei­ros e re­sol­veu pou­par o ti­me prin­ci­pal no Es­ta­du­al. Quem jo­ga é a equi­pe sub-23. Com is­so, a ba­se fi­cou mais for­te.

Tam­bém pas­sou a va­lo­ri­zar idei­as pró­pri­as, in­de­pen­den­te­men­te de ir con­tra a opinião dos de­mais clubes. En­ca­rou bri­gas gran­des por di­rei­tos de te­le­vi­são e trans­mis­são de jo­gos pe­la in­ter­net, além de cons­truir um te­to re­trá­til e co­lo­car gra­ma sin­té­ti­ca na are­na. De­sen­vol­veu tam­bém o pro­je­to de ca­das­tro bi­o­mé­tri­co de tor­ce­do­res.

O ti­me cres­ceu no ce­ná­rio na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal e se acos­tu­mou com de­ci­sões. Se o pla­no de 1995 se tor­nou re­a­li­da­de, ago­ra o clu­be já po­de ter me­tas bem mais al­tas e am­bi­ci­o­sas.

Ma­rio Cel­so Pe­tra­glia

PRE­SI­DEN­TE DO CD DO ATH­LE­TI­CO

‘Te­nho cer­te­za de que até bo­ta­re­mos no pei­to a es­tre­la de cam­peão do mun­do até nos­so cen­te­ná­rio’

ATH­LE­TI­CO PA­RA­NA­EN­SE

Al­to ní­vel. Are­na da Bai­xa­da é um dos sím­bo­los mais evi­den­tes da es­tru­tu­ra do Ath­le­ti­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.