Ur­ba­ni­za­ção – o desafio de Sí­si­fo

O Estado de S. Paulo - - Economia - JO­SEF BARAT

Atra­di­ção bra­si­lei­ra, her­da­da dos por­tu­gue­ses, é pa­tri­mo­ni­a­lis­ta em sua es­sên­cia, por não fa­zer dis­tin­ções cla­ras en­tre os in­te­res­ses pú­bli­co e pri­va­do. A so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra tem o Es­ta­do co­mo pro­te­tor do pa­tri­mo­ni­a­lis­mo e pre­ser­va­dor da de­si­gual­da­de. Ou se­ja, o for­ta­le­ci­men­to do Es­ta­do por cin­co sé­cu­los sig­ni­fi­cou criar uma cul­tu­ra de opres­são, uma usi­na de ge­ra­ção de pri­vi­lé­gi­os e, por fim e não me­nos im­por­tan­te, a res­tri­ção das ini­ci­a­ti­vas in­di­vi­du­ais. En­fim, uma so­ci­e­da­de de­pen­den­te ao ex­tre­mo do po­der es­ta­tal e re­pre­sa­da por le­gis­la­ções in­ten­ci­o­nal­men­te de­ta­lhis­tas e pro­li­xas, pa­ra não fun­ci­o­na­rem e abri­rem bre­chas pa­ra a cor­rup­ção. Na ver­da­de, o ob­je­ti­vo foi sem­pre o de “mu­dar, pa­ra que tu­do per­ma­ne­ces­se o mes­mo” – ex­pres­são má­xi­ma da pre­ser­va­ção da or­dem es­ta­be­le­ci­da, tão bem lem­bra­da por Lam­pe­du­sa em O Le­o­par­do.

As cidades bra­si­lei­ras e o pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção não po­de­ri­am dei­xar de re­fle­tir es­sa cul­tu­ra. Com frequên­cia, cri­am-se le­gis­la­ções e pla­nos com­ple­xos e so­fis­ti­ca­dos pa­ra re­pre­sar o prag­ma­tis­mo, a ini­ci­a­ti­va e a fun­ci­o­na­li­da­de de so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas com­ple­xos e di­ver­sos. Mas, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, o re­pre­sa­men­to é sem­pre pro­po­si­tal­men­te cheio de trin­cas pa­ra fa­ci­li­tar a cor­rup­ção que se abri­ga nas asas do po­der do Es­ta­do. E é ob­vio: as trin­cas tam­bém não con­têm os va­za­men­tos. O po­vo pre­ci­sa mo­rar, sen­tir-se se­gu­ro, lo­co­mo­ver­se e tra­ba­lhar on­de há tra­ba­lho. Mas, co­mo tu­do é fei­to pa­ra mas­ca­rar as ile­ga­li­da­des com uma ves­te so­fis­ti­ca­da de pla­ne­ja­men­to, os va­za­men­tos vêm de rol­dão: ocu­pa­ções ile­gais, fa­ve­li­za­ção, es­pe­cu­la­ção em áre­as mais “no­bres”, des­trui­ção do meio am­bi­en­te e, por fim, a pre­ser­va­ção da seg­men­ta­ção so­ci­al no meio ur­ba­no. A di­co­to­mia ca­sa gran­de e sen­za­la ad­qui­re es­ca­las ur­ba­nas e me­tro­po­li­ta­nas.

E as­sim tu­do fi­ca co­mo dan­tes nes­te mag­ní­fi­co quar­tel de Abran­tes que é o Brasil. Os pla­ne­ja­do­res fin­gin­do pla­ne­jar, os es­pe­cu­la­do­res fin­gin­do ser ben­fei­to­res da ci­da­de e os políticos e “mo­vi­men­tos so­ci­ais” acha­can­do os opri­mi­dos pa­ra fa­la­rem em seu no­me. O pro­ble­ma é que a ques­tão urbana no Brasil é sé­ria e com­ple­xa de­mais pa­ra ser tra­ta­da des­sa for­ma. É um imen­so cal­do de cul­tu­ra pa­ra a

bai­xa pro­du­ti­vi­da­de do tra­ba­lho, a re­du­ção da mo­bi­li­da­de, a gi­gan­tes­ca ca­rên­cia de ser­vi­ços pú­bli­cos bá­si­cos e a cres­cen­te vi­o­lên­cia urbana. Ou se­ja, o am­bi­en­te ur­ba­no aca­ba por fun­ci­o­nar co­mo im­pe­di­dor e na con­tra­mão do que é a sua ver­da­dei­ra fun­ção no mun­do mo­der­no: aglo­me­ra­ções que po­ten­ci­a­li­zam o bem-es­tar, a pro­du­ti­vi­da­de, a cri­a­ti­vi­da­de, a cul­tu­ra e a mo­der­na economia ter­ciá­ria.

É im­por­tan­te, por­tan­to, nos pre­o­cu­par­mos em ver as aglo­me­ra­ções ur­ba­nas com prag­ma­tis­mo e ob­je­ti­vi­da­de. O Brasil de ho­je é um país al­ta­men­te ur­ba­ni­za­do, mas com seu po­ten­ci­al tra­va­do por uma vi­são política e ins­ti­tu­ci­o­nal di­ta­da por ve­lhas oli­gar­qui­as ru­rais ou, qu­an­do ur­ba­nas, as­so­ci­a­das à mar­gi­na­li­da­de, ter­mo aqui usa­do tan­to no seu sen­ti­do so­ci­o­ló­gi­co, dos des­pos­suí­dos e à mar­gem da economia for­mal, co­mo no sen­ti­do de am­plas or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas. O po­pu­lis­mo ur­ba­no é o re­fle­xo des­sa as­so­ci­a­ção. Co­mo trans­cen­der es­se des­ti­no é o gran­de desafio pa­ra aque­les que têm res­pon­sa­bi­li­da­de na con­du­ção

Pla­nos di­re­to­res e seus des­do­bra­men­tos de­ve­ri­am in­cor­po­rar uma pers­pec­ti­va econô­mi­ca prag­má­ti­ca

das es­tra­té­gi­as, pla­nos, po­lí­ti­cas e ações re­la­ci­o­na­das às cidades e re­giões me­tro­po­li­ta­nas, nos três ní­veis de governo – desafio que pa­re­ce tão im­pos­sí­vel quan­to o de Sí­si­fo em­pur­ran­do pe­dras mon­ta­nha aci­ma.

Os pla­nos di­re­to­res – e seus des­do­bra­men­tos de­sar­ti­cu­la­dos em re­la­ção aos usos e ocu­pa­ções do so­lo, mo­bi­li­da­de, ha­bi­ta­ção, ser­vi­ços pú­bli­cos e sa­ne­a­men­to – de­ve­ri­am in­cor­po­rar uma pers­pec­ti­va econô­mi­ca prag­má­ti­ca. Ou se­ja, trans­cen­der tan­to a vi­são tra­di­ci­o­nal fí­si­co-ter­ri­to­ri­al quan­to o ema­ra­nha­do de res­tri­ções fei­tas pa­ra não se­rem res­pei­ta­das. De­ve­ri­am, por­tan­to, con­tem­plar di­re­tri­zes e ações em ter­mos de ati­vi­da­des que cri­em em­pre­gos, po­los de ge­ra­ção de co­nhe­ci­men­to, ino­va­ção e tec­no­lo­gia, as­sim co­mo pro­gra­mas de am­pla qua­li­fi­ca­ção de re­cur­sos hu­ma­nos. Se­ria um pas­so im­por­tan­te pa­ra que ha­ja es­pe­ran­ças de me­lho­ria. ECO­NO­MIS­TA, CON­SUL­TOR DE EN­TI­DA­DES PÚ­BLI­CAS E PRI­VA­DAS, É CO­OR­DE­NA­DOR DO NÚ­CLEO DE ES­TU­DOS UR­BA­NOS DA AS­SO­CI­A­ÇÃO CO­MER­CI­AL DE SÃO PAU­LO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.