Ofer­ta do Ban­ri­sul vol­ta a cau­sar ruí­do no mer­ca­do

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Ao­fer­ta sub­se­quen­te (fol­low on) do Ban­ri­sul pa­ra a ven­da de uma fa­tia ex­ce­den­te do con­tro­le do governo do Rio Gran­de do Sul vol­tou a cau­sar po­lê­mi­ca en­tre in­ves­ti­do­res. Os crí­ti­cos afir­mam que a ope­ra­ção se­ria mais van­ta­jo­sa se o ban­co gaú­cho fos­se pri­va­ti­za­do. O mo­de­lo anun­ci­a­do, ao con­trá­rio, deve ge­rar di­nhei­ro so­men­te pa­ra co­brir des­pe­sas cor­ren­tes. A ope­ra­ção é es­ti­ma­da em mais de R$ 2 bi­lhões. A ofer­ta dos pa­péis só po­de ocor­rer se o va­lor de mer­ca­do do ban­co es­ti­ver aci­ma do pa­tri­mo­ni­al. Pa­ra is­so, a ação pre­fe­ren­ci­al clas­se B do Ban­ri­sul pre­ci­sa fi­car aci­ma de R$ 19,32. O pa­pel fe­chou co­ta­do a R$ 23 on­tem, após cair 3% com o anún­cio. Is­so sig­ni­fi­ca que o espaço pa­ra ofe­re­cer um des­con­to ao in­ves­ti­dor e atraí-lo pa­ra a ofer­ta po­de fi­car aper­ta­da.

» Saia-jus­ta. O des­con­to que os ban­cos po­de­rão ofe­re­cer não po­de ser, con­si­de­ran­do o fe­cha­men­to da ação on­tem, su­pe­ri­or a 16%, já que is­so le­va­ria o va­lor de mer­ca­do abai­xo do pa­tri­mo­ni­al, in­vi­a­bi­li­zan­do a ope­ra­ção. Pe­sa con­tra os cál­cu­los do des­con­to ain­da o fa­to de que o fol­low on en­vol­ve ape­nas ações or­di­ná­ri­as, que são de me­nor li­qui­dez, au­men­tan­do a pres­são do in­ves­ti­dor. Além dis­so, exis­te a per­cep­ção de que o ban­co, ope­ra­ci­o­nal­men­te, não es­tá re­don­do. Por exem­plo, a ofer­ta es­tá sen­do le­va­da sem que o Ban­ri­sul te­nha di­vul­ga­do me­tas de cres­ci­men­to.

» Po­pu­lar e po­lí­ti­co. A li­mi­nar que en­vol­veu o ban­co gaú­cho te­ve ori­gem em uma ação po­pu­lar mo­vi­da pe­lo ex-pre­si­den­te do ban­co e que con­cor­reu ao governo do Rio Gran­de do Sul nas úl­ti­mas elei­ções, Ma­teus Ban­dei­ra, en­fa­ti­zan­do a des­trui­ção de va­lor da ins­ti­tui­ção pre­fe­ri­da dos gaú­chos nes­se mo­de­lo em que o Es­ta­do se­gue con­tro­la­dor. Pro­cu­ra­do, o Ban­ri­sul não co­men­tou.

» Ain­da não. O Ban­co Vo­to­ran­tim, con­tro­la­do pe­lo Ban­co do Brasil e pe­la fa­mí­lia Er­mí­rio de Mo­ra­es, de­sis­tiu de lis­tar su­as ações nes­te ano e pre­ten­de co­lo­car os pés na Bol­sa so­men­te em 2020. Ape­sar da re­vi­ra­vol­ta po­si­ti­va em ter­mos de re­sul­ta­do, a ins­ti­tui­ção es­tá lon­ge de es­tar pron­ta pa­ra to­car uma ofer­ta pú­bli­ca ini­ci­al de ações (IPO, na si­gla em in­glês) nes­te exer­cí­cio. No pri­mei­ro se­mes­tre, seu lu­cro lí­qui­do foi a R$ 688 mi­lhões, qua­se 35% a mais que o vis­to em idên­ti­co pe­río­do de 2018. » Pa­ra­do. Des­de que o JP Mor­gan con­cluiu o tra­ba­lho pré-IPO pa­ra o Vo­to­ran­tim, ne­nhum pas­so a mais te­ria si­do da­do. A ideia dos só­ci­os, ao me­nos até aqui, é lis­tar as ações do Vo­to­ran­tim na Bol­sa co­mo pas­sa­por­te pa­ra o BB se des­fa­zer de sua fa­tia no ban­co. Nes­se ce­ná­rio, a fa­mí­lia Er­mí­rio de Mo­ra­es per­ma­ne­ce­ria no ne­gó­cio com um novo só­cio ou não. Co­mo o gru­po Vo­to­ran­tim não tem DNA pa­ra ban­quei­ro, sai­ria em ou­tra opor­tu­ni­da­de. Pro­cu­ra­do, o ban­co não co­men­tou.

» Ba­ta­lha naval. O re­cuo do Vo­to­ran­tim de lis­tar su­as ações nes­te ano ocor­re em meio à ofen­si­va dos ban­cos de in­ves­ti­men­to pa­ra atrair emis­so­res de di­ver­sos se­to­res pa­ra a bol­sa, den­tre eles, o fi­nan­cei­ro. Um dos no­mes que con­se­gui­ram con­ven­cer foi o mi­nei­ro BMG que vai fa­zer uma se­gun­da ten­ta­ti­va de em­pla­car seu IPO de R$ 1,5 bi­lhão em ou­tu­bro pró­xi­mo ou, no mais tar­dar, em no­vem­bro.

» Vi­sí­vel. En­vol­vi­da nos mai­o­res ca­sos de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, a Al­va­rez & Mar­sal cri­ou uma pla­ta­for­ma pa­ra cre­do­res te­rem aces­so di­gi­tal­men­te a in­for­ma­ções de pro­ces­sos de em­pre­sas nes­sa si­tu­a­ção. São dis­po­ni­bi­li­za­das, por exem­plo, edi­tais de lis­tas de cre­do­res, da­tas de as­sem­blei­as, co­mu­ni­ca­dos so­bre lei­lões e de­ci­sões do juiz. Al­guns dos ca­sos de pro­ces­sos de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al já lis­ta­dos são os da Ode­bre­cht, Avi­an­ca, At­vos, JJ Mar­tins, Li­vra­ria Cul­tu­ra e Ban­co Mo­ra­da. Nes­ses e em ou­tros ca­sos, a A&M tem atu­a­do co­mo ad­mi­nis­tra­dor ju­di­ci­al, que tra­ba­lha pa­ra a Justiça na or­ga­ni­za­ção da lis­ta de cre­do­res, do­cu­men­ta­ções e as­sem­blei­as de cre­do­res. » For­mi­ga. En­quan­to o Brasil en­fren­ta uma cri­se am­bi­en­tal que re­du­ziu a cin­zas mi­lha­res de hec­ta­res na Amazô­nia, re­cur­sos eu­ro­peus che­gam pa­ra apoiar pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas bra­si­lei­ras em se­to­res que con­tri­bu­em pa­ra uma economia de bai­xa emis­são de car­bo­no. O pro­gra­ma Low Car­bon Bu­si­ness Ac­ti­on in Bra­zil, fi­nan­ci­a­do pe­la União Eu­ro­peia, fa­rá uma no­va ro­da­da de in­ves­ti­men­to, en­tre os di­as 17 e 18 de se­tem­bro, com po­ten­ci­al de ar­re­ca­dar 300 mi­lhões de eu­ros.

» Pon­te. Ba­ti­za­do de Bu­si­ness To Fi­nan­ce, o en­con­tro pa­ra os in­ves­ti­men­tos vin­dos da Eu­ro­pa ser­ve de pon­te pa­ra fi­nan­ci­a­do­res e em­pre­sas bra­si­lei­ras e eu­ro­pei­as in­te­res­sa­das em co­lo­car em prá­ti­ca mais de 65 pro­je­tos sus­ten­tá­veis em di­ver­sos se­to­res do mer­ca­do bra­si­lei­ro. A reu­nião acon­te­ce na ca­pi­tal pau­lis­ta.

ALEX SIL­VA/ES­TA­DÃO-14/1/2019

GABRIELA BILO/ES­TA­DÃO-26/8/2019

AMAN­DA PEROBELLI/REUTERS-25/7/2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.