Far­má­ci­as têm pa­pel fun­da­men­tal na me­di­ci­na ba­se­a­da em pre­ven­ção

Even­to dis­cu­tiu ten­dên­ci­as do se­tor. Tec­no­lo­gia es­tá trans­for­man­do es­ses es­ta­be­le­ci­men­tos em um elo ca­da vez mais im­por­tan­te do sis­te­ma de saú­de

O Estado de S. Paulo - - Economia -

400 mil pes­so­as mor­rem por ano de AVC e do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, agra­vos da hi­per­ten­são e do di­a­be­tes 2.900 far­má­ci­as de to­do o País afi­li­a­das à Abra­far­ma já ins­ta­la­ram sa­las de atendiment­o.

Ae­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca re­pre­sen­ta um gran­de desafio às far­má­ci­as, mas traz tam­bém um mun­do de opor­tu­ni­da­des. Es­ta é a sín­te­se dos dois di­as de in­ten­sa pro­gra­ma­ção do sex­to Abra­far­ma Fu­tu­re Trends, o mai­or even­to da ca­deia far­ma­cêu­ti­ca do País, or­ga­ni­za­do pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­des de Far­má­ci­as e Dro­ga­ri­as (Abra­far­ma) nos di­as 3 e 4 de se­tem­bro, no Tran­sa­mé­ri­ca Ex­po Cen­ter, em São Pau­lo. “A pro­pos­ta cen­tral é aju­dar nos­sos as­so­ci­a­dos a en­ten­der pa­ra on­de o mun­do es­tá ca­mi­nhan­do e dar a eles fer­ra­men­tas pa­ra que de­sen­vol­vam su­as es­tra­té­gi­as”, diz o pre­si­den­te do Con­se­lho Di­re­ti­vo da Abra­far­ma, Eu­ge­nio De Za­got­tis.

Fo­ram mais de 4 mil par­ti­ci­pan­tes em ca­da um dos di­as, en­tre re­pre­sen­tan­tes das afi­li­a­das e de for­ne­ce­do­res das re­des. “Qu­an­do mos­tra­mos as ten­dên­ci­as a es­se pú­bli­co am­plo e qua­li­fi­ca­do, é co­mo jo­gar uma pe­dra no meio de uma la­goa. As on­das vão re­ver­be­ran­do, e to­do o pla­ne­ja­men­to das em­pre­sas é in­flu­en­ci­a­do”, des­cre­ve o CEO da Abra­far­ma, Ser­gio Me­na Bar­re­to. Um dos con­sen­sos re­sul­tan­tes das dis­cus­sões é que, pa­ra so­bre­vi­ver no novo ce­ná­rio, as far­má­ci­as não po­de­rão con­ti­nu­ar sen­do ape­nas en­tre­ga­do­ras de me­di­ca­men­tos. “É pre­ci­so se co­nec­tar pro­fun­da­men­te a ca­da cli­en­te pa­ra co­nhe­cer su­as ne­ces­si­da­des”, afir­mou um dos pa­les­tran­tes, Clau­dio Lot­ten­berg, pre­si­den­te do Uni­tedHe­alth Group Brasil e do Con­se­lho do Hos­pi­tal Al­bert Eins­tein.

Re­la­ção de con­fi­an­ça com os pa­ci­en­tes

Uma das opor­tu­ni­da­des nes­se sen­ti­do es­tá na in­ter­fa­ce com os pa­ci­en­tes crô­ni­cos – 90 mi­lhões de bra­si­lei­ros que, além de me­di­ca­men­tos, pre­ci­sam fa­zer re­gu­lar­men­te exa­mes de con­tro­le. Boa par­te das 400 mil mor­tes pro­vo­ca­das anu­al­men­te no País por AVC e do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, agra­vos da hi­per­ten­são e do di­a­be­tes, po­de­ri­am ser evi­ta­das com um acom­pa­nha­men­to re­gu­lar, que mui­tas ve­zes dei­xa de ser fei­to por di­fi­cul­da­des de aces­so dos pa­ci­en­tes ao sis­te­ma de saú­de. As far­má­ci­as se tor­na­ram ap­tas a pro­pi­ci­ar es­se ti­po de atendiment­o a par­tir da apro­va­ção da Lei Fe­de­ral 13.021, em 2014. Des­de en­tão, 2.900 far­má­ci­as de to­do o País afi­li­a­das à Abra­far­ma já ins­ta­la­ram sa­las de atendiment­o em que são ofe­re­ci­dos di­ver­sos ser­vi­ços, a exem­plo de exa­mes em pa­ci­en­tes crô­ni­cos (hi­per­ten­são, di­a­be­tes, co­les­te­rol), con­tro­le de pe­so e com­ba­te ao ta­ba­gis­mo. Is­so con­tri­bui pa­ra de­sa­fo­gar hos­pi­tais, pos­tos de saú­de, clí­ni­cas e con­sul­tó­ri­os sem subs­ti­tuir o tra­ba­lho mé­di­co: se um exa­me de­tec­ta va­lo­res al­te­ra­dos, o pa­ci­en­te é en­ca­mi­nha­do ao es­pe­ci­a­lis­ta.

Os re­pre­sen­tan­tes do governo no even­to de­mons­tra­ram ali­nha­men­to com es­sa vi­são. “As far­má­ci­as têm im­por­tân­cia fun­da­men­tal pa­ra a política de saú­de que pro­je­ta­mos pa­ra o País nos pró­xi­mos anos”, en­fa­ti­zou o se­cre­tá­rio de Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e In­su­mos Es­tra­té­gi­cos do Mi­nis­té­rio da Saú­de, De­ni­zar Vi­an­na Araú­jo. Ele des­ta­cou a gran­de ca­pi­la­ri­da­de das far­má­ci­as e a re­la­ção de con­fi­an­ça já cons­truí­da com a po­pu­la­ção co­mo trun­fos pa­ra que o atendiment­o pri­má­rio de saú­de pos­sa efe­ti­va­men­te che­gar a to­das as par­tes do País. “Há 30 mi­lhões de bra­si­lei­ros que não apa­re­cem no sis­te­ma de saú­de e pre­ci­sam ser in­cluí­dos. As far­má­ci­as po­dem ser es­sa por­ta de en­tra­da”, res­sal­tou Araú­jo.

O pre­si­den­te em exer­cí­cio da Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa), Re­na­to Por­to, lem­brou as pro­je­ções de au­men­to dos cus­tos da saú­de no Brasil. “De acor­do com um es­tu­do da McKin­sey, sal­ta­rá em 20 anos de 9% pa­ra 25% do PIB, se as me­di­das ne­ces­sá­ri­as não fo­rem to­ma­das”, dis­se. Um pas­so es­sen­ci­al, con­si­de­ra Por­to, é usar a tec­no­lo­gia a fa­vor da re­du­ção dos cus­tos. “Se, por um la­do, os avan­ços tec­no­ló­gi­cos pro­vo­cam au­men­tos de cus­tos na al­ta com­ple­xi­da­de, per­mi­tem tam­bém ações pre­ven­ti­vas mais efi­ca­zes e uma mai­or pre­ci­são dos cui­da­dos com a saú­de”, diz. Es­ti­ma-se que um ter­ço dos gas­tos com saú­de no País po­de­ri­am ser cor­ta­dos, sem per­das de qua­li­da­de no atendiment­o, com con­tro­les que evi­tas­sem re­dun­dân­ci­as e des­per­dí­ci­os.

Abra­far­ma Fu­tu­re Trends: even­to te­ve mais de 4 mil par­ti­ci­pan­tes em ca­da um dos dois di­as

Eu­ge­nio De Za­got­tis, da Abra­far­ma, du­ran­te aber­tu­ra de um dos pai­néis de dis­cus­são no even­to

Ser­gio Me­na Bar­re­to, CEO da Abra­far­ma

Os dois di­as de even­to so­ma­ram mais de 50 ho­ras de pro­gra­ma­ção, en­tre de­ba­tes e pa­les­tras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.