En­ga­tan­do o ci­clo

O Estado de S. Paulo - - Economia - FÁ­BIO AL­VES E-MAIL: FABIO.AL­[email protected] TWITTER: @COLUNAFABI­OALVE FÁ­BIO AL­VES ESCREVE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS É CO­LU­NIS­TA DO BRO­AD­CAST

Em meio ao cres­cen­te te­mor de uma re­ces­são glo­bal, após in­di­ca­do­res mos­tran­do uma de­sa­ce­le­ra­ção mais for­te do que o es­pe­ra­do na zo­na do eu­ro, na Chi­na e nos EUA, o Brasil en­con­tra-se nu­ma po­si­ção fa­vo­rá­vel em re­la­ção a ou­tros paí­ses emer­gen­tes pa­ra atrair in­ves­ti­do­res: es­tá no iní­cio de um ci­clo econô­mi­co de ex­pan­são.

Es­se é o ar­gu­men­to de mui­tos in­ves­ti­do­res pa­ra an­te­ci­par uma ten­dên­cia de al­ta dos ati­vos bra­si­lei­ros, es­pe­ci­al­men­te da Bol­sa. Mas, co­mo a re­cu­pe­ra­ção da economia tem fi­ca­do mui­to aquém do que se pro­je­ta­va nes­te ano, quais obs­tá­cu­los po­dem fa­zer com que es­se novo ci­clo le­ve mais tem­po pa­ra en­ga­tar, frus­tran­do os in­ves­ti­do­res?

Na mais re­cen­te pes­qui­sa Fo­cus, do Ban­co Cen­tral, o con­sen­so dos ana­lis­tas es­ti­ma um cres­ci­men­to do PIB de 0,87% nes­te ano e de 2,07% em 2020, rit­mo con­si­de­ra­do ain­da mui­to len­to pa­ra ali­vi­ar os mais de 12,5 mi­lhões de bra­si­lei­ros que es­ta­vam em bus­ca de tra­ba­lho no tri­mes­tre en­cer­ra­do em ju­lho, qu­an­do a ta­xa de de­sem­pre­go fi­cou em 11,8%.

“Com­pa­ra­ti­va­men­te a ou­tros paí­ses do mun­do, o Brasil ho­je é o país que es­tá mais no co­me­ço do ci­clo de re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca”, diz o eco­no­mis­ta-che­fe da Tra­fal­gar In­ves­ti­men­tos, Gui­lher­me Lou­rei­ro. “A oci­o­si­da­de na economia es­tá ele­va­da e o mer­ca­do de tra­ba­lho tem bas­tan­te mão de obra pa­ra ser em­pre­ga­da.”

Qu­an­do se com­pa­ra com a mai­or po­tên­cia mun­di­al, os Es­ta­dos Uni­dos, fi­ca cla­ro o es­tá­gio atu­al no ci­clo econô­mi­co do Brasil. A ta­xa de de­sem­pre­go nos EUA, de 3,7% em agos­to, es­tá en­tre 0,5 e 1,0 pon­to por­cen­tu­al abai­xo do ní­vel con­si­de­ra­do neu­tro por mui­tos no mer­ca­do, is­to é, que não pres­si­o­na a in­fla­ção. Já no Brasil, es­sa ta­xa es­tá en­tre 2,0 e 3,0 pon­tos por­cen­tu­ais aci­ma do neu­tro.

O hi­a­to do pro­du­to, ou se­ja, a di­fe­ren­ça en­tre o PIB cor­ren­te e o con­si­de­ra­do co­mo o po­ten­ci­al, es­tá po­si­ti­vo en­tre 1,5 e 2,5 pon­tos por­cen­tu­ais nos Es­ta­dos Uni­dos, en­quan­to que no Brasil es­se hi­a­to es­tá ne­ga­ti­vo en­tre 2 e 3 pon­tos. Em ter­mos de in­fla­ção, o nú­cleo do ín­di­ce de pre­ços ao con­su­mi­dor ame­ri­ca­no su­biu a uma ta­xa anu­a­li­za­da de 2,2% em ju­lho, ou 0,20 pon­to aci­ma da me­ta per­se­gui­da pe­lo Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed). Já o IPCA de agos­to, que su­biu 3,43% em 12 me­ses, es­tá 0,82 pon­to abai­xo da me­ta fi­xa­da pe­lo BC nes­te ano.

Olhan­do pa­ra fren­te, por que o mer­ca­do an­te­ci­pa que a re­cu­pe­ra­ção pos­sa en­ga­tar da­qui a seis me­ses? Por­que as con­di­ções fi­nan­cei­ras me­lho­ra­ram sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no Brasil.

A in­cli­na­ção da cur­va ame­ri­ca­na, por exem­plo, mos­tra que os ju­ros de cur­to pra­zo (as ta­xas nos tí­tu­los pú­bli­cos de dois anos de ven­ci­men­to) es­tão no mes­mo ní­vel dos ju­ros de pra­zo mais lon­go (de dez anos), en­quan­to que, no Brasil, as ta­xas dos con­tra­tos fu­tu­ros de dois anos es­tão cer­ca de 2 pon­tos por­cen­tu­ais abai­xo das pra­ti­ca­das nos con­tra­tos de dez anos.

Ou se­ja, nos Es­ta­dos Uni­dos o mer­ca­do per­ce­be os ju­ros de cur­to pra­zo já pró­xi­mos do que se con­si­de­ra co­mo neu­tro. No Brasil, a ta­xa de cur­to pra­zo es­tá em ní­vel per­ce­bi­do co­mo bas­tan­te es­ti­mu­la­ti­vo pa­ra a ati­vi­da­de econô­mi­ca. Em ter­mos de pre­ços de ati­vos, o Ibo­ves­pa fe­chou agos­to de 2018 a 76.677,53 pon­tos. Em agos­to pas­sa­do, o ín­di­ce en­cer­rou a 101.134,61 pon­tos.

Sem fa­lar que o mer­ca­do apos­ta que o Co­pom se­gui­rá cor­tan­do os ju­ros bá­si­cos, che­gan­do a até 5,0% no fim des­te ano, o que es­ti­mu­la o mer­ca­do de cré­di­to. Não à toa, o sal­do de cré­di­to to­tal re­al (des­con­ta­da a in­fla­ção) cres­ceu 1,8% em ju­lho des­te ano em re­la­ção a igual mês de 2018. Em ju­lho do ano pas­sa­do, es­sa ta­xa so­bre o mes­mo mês de 2017 re­gis­tra­va que­da de 2,2%. As con­ces­sões de cré­di­to li­vre pa­ra pes­so­as fí­si­cas es­tão au­men­tan­do a um rit­mo for­te. Em ju­lho, aumentaram 13,4% em 12 me­ses.

A me­lho­ra dos in­ves­ti­men­tos é um dos ga­ti­lhos do cres­ci­men­to em eco­no­mi­as que se en­con­tram no iní­cio do ci­clo. Por en­quan­to, a re­a­ção dos in­ves­ti­men­tos ain­da é tí­mi­da.

É pre­ci­so um avan­ço mai­or na agen­da de re­for­mas pa­ra le­var os em­pre­sá­ri­os a ti­rar pro­je­tos da ga­ve­ta: con­cluir a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e apro­var mu­dan­ças no sis­te­ma tri­bu­tá­rio. Sem sa­ber que ti­po de im­pos­tos vão pa­gar, os em­pre­sá­ri­os pro­va­vel­men­te vão dei­xar os in­ves­ti­men­tos em ba­nho-ma­ria, pos­ter­gan­do a ve­lo­ci­da­de de um novo ci­clo econô­mi­co en­ga­tar.

É pre­ci­so avan­çar com as re­for­mas pa­ra os em­pre­sá­ri­os ti­ra­rem os pro­je­tos da ga­ve­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.