Tas­so ad­mi­te re­ver re­la­tó­rio pa­ra evi­tar atra­so na re­for­ma

Se­na­do dis­cu­te se pro­pos­tas de re­la­tor al­te­ram o tex­to apro­va­do na Câ­ma­ra, o que obri­ga­ria o re­tor­no da PEC pa­ra os de­pu­ta­dos

O Estado de S. Paulo - - Economia - Da­ni­el Weterman / BRA­SÍ­LIA

Pa­ra evi­tar atra­sos na tra­mi­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no Se­na­do, o re­la­tor, se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDBCE), ad­mi­te dei­xar pa­ra de­pois du­as mu­dan­ças que pre­ten­dia pro­por no tex­to. Em seu re­la­tó­rio, o se­na­dor ha­via pro­pos­to al­gu­mas mu­dan­ças que, nor­mal­men­te, não exi­gem o re­tor­no do tex­to pa­ra vo­ta­ção na Câ­ma­ra. Mas o en­ten­di­men­to de téc­ni­cos do Se­na­do é de que es­sas mu­dan­ças al­te­ram o mé­ri­to da re­for­ma e le­va­ri­am, ne­ces­sa­ri­a­men­te, a uma no­va vo­ta­ção do tex­to na Câ­ma­ra.

On­tem, os pre­si­den­tes da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), e do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), pre­ten­di­am con­ver­sar com o re­la­tor so­bre o te­ma. Uma das mu­dan­ças pro­pos­tas por Tas­so da­ria au­to­no­mia a Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pa­ra cri­a­rem alí­quo­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as na con­tri­bui­ção de ser­vi­do­res.

Es­sa co­bran­ça se tor­na­ria pos­sí­vel com a re­ti­ra­da da ex­pres­são “no âm­bi­to da União”, no tre­cho da re­for­ma que diz res­pei­to à co­bran­ça de con­tri­bui­ção ex­tra. Se­ria uma for­ma de rein­cluir os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, re­ti­ra­dos du­ran­te a tra­mi­ta­ção do tex­to na Câ­ma­ra.

Ou­tra al­te­ra­ção ques­ti­o­na­da por con­sul­to­res do Se­na­do foi aque­la que pre­vê a pos­si­bi­li­da­de de tra­ba­lha­do­res in­for­mais con­tri­buí­rem pa­ra a Pre­vi­dên­cia com alí­quo­tas fa­vo­re­ci­das. A emen­da foi su­ge­ri­da pe­lo se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDBAL). Ela al­te­ra o tre­cho “a lei po­de­rá” pa­ra “a lei ins­ti­tui­rá sis­te­ma es­pe­ci­al de in­clu­são pre­vi­den­ciá­ria” e adi­ci­o­na a ex­pres­são “aos que se en­con­tram em si­tu­a­ção de in­for­ma­li­da­de” – de for­ma a en­qua­drá-los co­mo tra­ba­lha­do­res de bai­xa ren­da.

Se Maia e Al­co­lum­bre con­cluí­rem que as mu­dan­ças pro­pos­tas por Tas­so al­te­ram o mé­ri­to da re­for­ma, elas po­de­rão ser in­cluí­das na PEC pa­ra­le­la, que diz res­pei­to aos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os – tu­do pa­ra não pre­ju­di­car a tra­mi­ta­ção da re­for­ma. “Exis­te es­sa dis­cus­são en­tre os téc­ni­cos, mas não vai ha­ver atra­so ne­nhum. Nós va­mos dis­cu­tir. Sen­do o ca­so eu jo­go pa­ra a (PEC) pa­ra­le­la,”, dis­se Tas­so.

Cro­no­gra­ma. No cro­no­gra­ma da Ca­sa, a re­for­ma se­ria apro­va­da em vo­ta­ção no plenário em pri­mei­ro tur­no no dia 24 de se­tem­bro. Já o se­gun­do tur­no fi­ca­ria pa­ra o dia 10 de ou­tu­bro. Pa­ra que a re­for­ma pos­sa ser pau­ta­da em plenário, é ne­ces­sá­rio cum­prir pra­zo re­gi­men­tal de cin­co ses­sões de­li­be­ra­ti­vas – que co­me­ça­ram a con­tar nes­ta ter­ça-fei­ra, 10.

O governo tem pres­si­o­na­do os se­na­do­res pa­ra an­te­ci­par a pri­mei­ra vo­ta­ção já pa­ra dia 18 de se­tem­bro, mas li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as con­si­de­ram es­sa hi­pó­te­se im­pro­vá­vel. Pa­ra is­so, se­ria pre­ci­so ob­ter quó­rum mí­ni­mo de 41 se­na­do­res na sex­ta-fei­ra e na se­gun­da-fei­ra. Nes­ses di­as da se­ma­na, no en­tan­to, a pre­sen­ça de se­na­do­res cos­tu­ma ser mui­to bai­xa.

Pa­ra en­trar em vi­gor, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pre­ci­sa pas­sar por es­sas du­as eta­pas de vo­ta­ção no Se­na­do sem que o con­teú­do já apro­va­do na Câ­ma­ra se­ja al­te­ra­do.

Economia re­du­zi­da. O se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, dis­se que o tex­to apro­va­do pe­lo Se­na­do na CCJ pre­vê uma economia de R$ 876,7 bi­lhões em dez anos – me­nos que os R$ 933,5 bi­lhões pre­vis­tos na pro­pos­ta que veio da Câ­ma­ra.

En­tre as mu­dan­ças fei­tas por Tas­so es­tão a ga­ran­tia de um sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra pen­sões por mor­te e a re­ti­ra­da do con­cei­to de mi­se­ra­bi­li­da­de pa­ra o pa­ga­men­to do Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC), am­pli­an­do o nú­me­ro de aten­di­dos. Ma­ri­nho de­fen­deu a re­to­ma­da do tex­to ori­gi­nal. “O que ele pu­der jo­gar pa­ra a PEC pa­ra­le­la, me­lhor. Se ele man­ti­ver o que veio da Câ­ma­ra, é o que nós qu­e­re­mos”, dis­se.

DIDA SAM­PAIO/ES­TA­DÃO-4/9/2019

Es­tra­té­gia. Tas­so po­de pas­sar mu­dan­ças pa­ra PEC pa­ra­le­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.