ANP faz lei­lão pa­ra pe­que­nas pe­tro­lei­ras

Em novo mo­de­lo, agên­cia ofe­re­ceu áre­as que fo­ram re­jei­ta­das por gran­des em­pre­sas

O Estado de S. Paulo - - Economia - Fer­nan­da Nu­nes / RIO / F.N.

O governo inau­gu­rou on­tem um novo mo­de­lo de ven­da de con­ces­sões de pe­tró­leo e gás na­tu­ral – a ofer­ta per­ma­nen­te de áre­as. A Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo, Gás Na­tu­ral e Bi­o­com­bus­tí­veis (ANP) re­a­li­zou o pri­mei­ro lei­lão do ti­po, no qu­al fo­ram ofe­re­ci­dos cam­pos de pe­que­no por­te, rejeitados pe­las gran­des em­pre­sas pe­tro­lei­ras no pas­sa­do. Em me­nos de três ho­ras de con­cor­rên­cia, em um ho­tel no cen­tro do Rio, o ór­gão re­gu­la­dor ar­re­ca­dou R$ 22,3 mi­lhões de 15 em­pre­sas e re­ce­beu a pro­mes­sa de in­ves­ti­men­to de, pe­lo me­nos, R$ 320 mi­lhões nos pró­xi­mos anos.

Na no­va mo­da­li­da­de, o ór­gão re­gu­la­dor põe à dis­po­si­ção do mer­ca­do, de for­ma con­tí­nua, um “car­dá­pio” de áre­as de ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo e gás que po­dem ser com­pra­das sob de­man­da. Es­sa con­cor­rên­cia é vol­ta­da exclusivam­ente a pe­tro­lei­ras in­de­pen­den­tes, o que in­clui es­tre­an­tes no se­tor de pe­tró­leo.

Pa­ra que o lei­lão acon­te­ces­se, a ANP pri­mei­ro reu­niu um gru­po de áre­as re­jei­ta­das nos lei­lões de gran­de por­te de anos an­te­ri­o­res. Es­sas áre­as es­tão em fa­se de ex­plo­ra­ção, ou se­ja, ain­da não há a cer­te­za da exis­tên­cia de pe­tró­leo e gás. Ain­da as­sim, a ANP con­se­guiu le­van­tar ágio mé­dio de 61,48% em com­pa­ra­ção com o pre­ço mí­ni­mo que es­ta­be­le­ceu pa­ra elas em edi­tal.

O lei­lão in­cluiu ain­da cam­pos que já es­ta­vam em pro­du­ção, mas fo­ram de­vol­vi­dos – se­ja por­que o ta­ma­nho dos re­ser­va­tó­ri­os não era com­pa­tí­vel com o per­fil das em­pre­sas que de­ti­nham a con­ces­são, se­ja por­que a pro­du­ção já es­tá em de­clí­nio e não ge­ra re­tor­no fi­nan­cei­ro sa­tis­fa­tó­rio pa­ra uma pe­tro­lei­ra de gran­de por­te. Es­se ti­po de área, cha­ma­da de acu­mu­la­ção mar­gi­nal, ge­rou ágio mé­dio de 2.221%.

“Pla­ne­ja­mos o lei­lão de for­ma des­pre­ten­si­o­sa. Um pro­ces­so que co­me­çou com uma ma­ni­fes­ta­ção de in­te­res­se de uma em­pre­sa pe­que­na em uma área com acu­mu­la­ção mar­gi­nal no Recôn­ca­vo (Bahia) e termina com 45 blo­cos e áre­as con­tra­ta­das”, res­sal­tou o di­re­tor-ge­ral da ANP, Dé­cio Ode­on.

Ele afir­mou ain­da que, com es­se lei­lão, cres­ceu em 11% o nú­me­ro de con­tra­tos de ex­plo­ra­ção fir­ma­dos en­tre em­pre­sas e União. “Não é pou­co pa­ra a nos­sa in­dús­tria, se con­si­de­rar­mos

que na 15.ª Ro­da­da não con­tra­ta­mos ne­nhu­ma área ter­res­tre. E ago­ra es­ta­mos ven­do em­pre­sas de pe­que­no e mé­dio por­tes en­tran­do nas ba­ci­as ter­res­tres tra­di­ci­o­nais”, dis­se.

Ex­xonMo­bil. A sur­pre­sa do lei­lão foi a par­ti­ci­pa­ção da ame­ri­ca­na Ex­xonMo­bil, que ar­re­ma­tou três blo­cos ex­plo­ra­tó­ri­os em águas ra­sas da Ba­cia de Ser­gi­peA­la­go­as, on­de já tem ou­tros ati­vos con­si­de­ra­dos de gran­de po­ten­ci­al pa­ra a pro­du­ção de gás na­tu­ral. Jun­to com a ame­ri­ca­na Murphy e com a bra­si­lei­ra Enau­ta,

pa­gou R$ 7,8 mi­lhões em bô­nus de as­si­na­tu­ra pe­las áre­as.

“É pos­sí­vel que a em­pre­sa te­nha in­for­ma­ções no­vas so­bre o po­ten­ci­al da re­gião. Exis­tem te­ses mui­to di­fe­ren­tes so­bre uma mes­ma área. No mí­ni­mo, a Ex­xon vai con­se­guir uma si­ner­gia de in­fra­es­tru­tu­ra com os pro­je­tos que es­tá mon­tan­do em Ser­gi­pe”, ava­li­ou Ed­mar Almeida, pro­fes­sor do Gru­po de Economia da Ener­gia (GEE) da UFRJ.

Já o só­cio da área de Óleo e Gás do es­cri­tó­rio Mat­tos Fi­lhos, Gi­o­va­ni Loss, ava­lia que, nes­se lei­lão, hou­ve in­te­res­se de em­pre­sas

em áre­as em terra que, em lei­lões an­te­ri­o­res, não exis­tiu. “Is­so re­for­ça o ape­ti­te ao mer­ca­do bra­si­lei­ro co­mo um to­do, in­clu­si­ve de mui­tas em­pre­sas es­tran­gei­ras”, ana­li­sa.

Con­cluí­da a con­cor­rên­cia, a se­cre­tá­ria in­te­ri­na de Pe­tró­leo e Gás, Re­na­ta Is­fer, res­sal­tou que o im­por­tan­te do lei­lão não foi a ar­re­ca­da­ção de bô­nus de as­si­na­tu­ra que vai pa­ra o Te­sou­ro, mas a pro­mes­sa de in­ves­ti­men­to e ge­ra­ção de em­pre­gos pe­las em­pre­sas ven­ce­do­ras. “Não é uma ques­tão de bô­nus, mas de de­sen­vol­vi­men­to do País”, des­ta­cou.

Gás. A aber­tu­ra do mer­ca­do de gás na­tu­ral é ou­tro fa­tor de es­tí­mu­lo a es­tre­an­tes, ava­lia o pro­fes­sor do Gru­po de Economia da Ener­gia (GEE) da UFRJ Ed­mar Almeida. “Exis­te uma vo­ca­ção na­tu­ral em terra e águas ra­sas pa­ra o gás”, afir­ma.

FABIO MOT­TA/ES­TA­DÃO–13/5/2013

Car­dá­pio. ANP in­cluiu áre­as re­jei­ta­das em fa­se de ex­plo­ra­ção e ou­tras já em pro­du­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.