Ri­val do Net­flix e ser­vi­ço de ga­mes cus­ta­rão R$ 10 por mês

Pla­ta­for­mas che­ga­rão ao Brasil até o fim do ano e são tá­ti­ca da Ap­ple pa­ra re­du­zir de­pen­dên­cia de re­cei­tas com iPho­ne

O Estado de S. Paulo - - Negócios - B.C., B.R. e G.W. /

Pa­ra re­du­zir sua de­pen­dên­cia do iPho­ne, a Ap­ple tem uma es­tra­té­gia mui­to bem de­se­nha­da: in­ves­tir na ofer­ta de ser­vi­ços a seus usuá­ri­os. On­tem, a em­pre­sa deu dois pas­sos im­por­tan­tes nes­sa tá­ti­ca ao di­vul­gar de­ta­lhes so­bre o Ap­ple Ar­ca­de – bi­bli­o­te­ca de jo­gos ex­clu­si­vos que po­de­rão ser jogados não só no iPho­ne, mas tam­bém no com­pu­ta­dor ou na TV – e o Ap­ple TV+, ser­vi­ço de stre­a­ming de ví­deo que pre­ten­de ri­va­li­zar com Net­flix, Dis­ney e Ama­zon.

As du­as pla­ta­for­mas es­ta­rão dis­po­ní­veis no Brasil em bre­ve, com as­si­na­tu­ras men­sais de R$ 9,90. O Ap­ple Ar­ca­de che­ga­rá em 19 de se­tem­bro, en­quan­to o Ap­ple TV+ se­rá lan­ça­do em 1.º de no­vem­bro. Os dois lan­ça­men­tos ocor­re­rão jun­to com as es­trei­as no res­to do mun­do – os pla­nos da Ap­ple são de le­var am­bos os ser­vi­ços a mais de cem paí­ses de uma ta­ca­da só. Pa­ra fa­zê-los des­lan­char, a Ap­ple es­tá in­ves­tin­do pe­sa­do: se­gun­do o jor­nal Fi­nan­ci­al Ti­mes, a em­pre­sa in­ves­ti­rá US$ 6 bi­lhões pa­ra pro­du­zir sé­ri­es e fil­mes pa­ra o ser­vi­ço.

En­tre elas, há pro­du­ções de pe­sos pe­sa­dos, in­cluin­do The Mor­ning Show, sé­rie de co­mé­dia que se­rá es­tre­la­da pe­lo trio Re­e­se Withers­po­on, Jen­ni­fer Anis­ton e Ste­ve Ca­rell e tem cus­to de pro­du­ção es­ti­ma­do em US$ 300 mi­lhões pa­ra sua pri­mei­ra tem­po­ra­da – os três ato­res ga­nha­rão US$ 1,25 mi­lhão a ca­da epi­só­dio da sé­rie, que te­rá dez ca­pí­tu­los.

Há ain­da pro­du­ções li­de­ra­das por Ste­ven Spi­el­berg e Oprah Win­frey. On­tem, Tim Co­ok re­ve­lou mais um pro­je­to: See, sé­rie que se pas­sa em um uni­ver­so pós-apo­ca­líp­ti­co e é es­tre­la­da pe­lo ator Ja­son Mo­moa (Aqua­man, Ga­me of Th­ro­nes).

Pa­ra as­sis­tir ao ser­vi­ço, se­rá pre­ci­so ter um dis­po­si­ti­vo da Ap­ple – co­mo iPho­ne, Mac, iPad ou Ap­ple TV. Quem com­prar um mo­de­lo novo de al­gum des­ses qua­tro apa­re­lhos da Ap­ple nos pró­xi­mos me­ses vai ga­nhar uma as­si­na­tu­ra gra­tui­ta do ser­vi­ço por um ano. Ha­ve­rá ain­da com­pa­ti­bi­li­da­de da pla­ta­for­ma de stre­a­ming com al­guns dis­po­si­ti­vos es­pe­cí­fi­cos, co­mo TVs da Sam­sung, mas não pa­ra smartpho­nes An­droid. “A Ap­ple pre­ten­de que a ba­se ins­ta­la­da de iPho­nes e ou­tros pro­du­tos im­pul­si­o­ne o con­su­mo des­se ser­vi­ço”, diz o pro­fes­sor da PUC-RS, Edu­ar­do Pel­lan­da.

O pre­ço é bas­tan­te com­pe­ti­ti­vo: aqui no Brasil, uma as­si­na­tu­ra da Net­flix sai en­tre R$ 21,90 e R$ 45,90, en­quan­to ser­vi­ços co­mo a HBO Go sa­em por R$ 34,90 ao mês.

O úni­co stre­a­ming mais ba­ra­to que o Ap­ple TV+ no País se­rá o Ama­zon Pri­me Vi­deo, que tam­bém cus­ta R$ 9,90, mas vem ain­da com um pa­co­te que in­clui be­ne­fí­ci­os co­mo fre­te grá­tis nas com­pras fei­tas com a va­re­jis­ta ame­ri­ca­na, bi­bli­o­te­ca de li­vros e ser­vi­ço de stre­a­ming de mú­si­ca.

Na vi­são de Pel­lan­da, o fa­to de a Ap­ple não pre­ci­sar de­ses­pe­ra­da­men­te mu­dar o fo­co de sua re­cei­ta, mas sim po­der fa­zer uma tran­si­ção cal­ma, aju­da a com­pa­nhia a ofe­re­cer pla­nos atra­en­tes pa­ra o con­su­mi­dor.

Ga­mes. Anun­ci­a­do em mar­ço, o Ap­ple Ar­ca­de se­rá uma es­pé­cie de “Net­flix dos ga­mes”. Te­rá uma bi­bli­o­te­ca de mais de cem jo­gos ex­clu­si­vos, com par­cei­ros que vão de gran­des es­tú­di­os, co­mo Cap­com e Ko­na­mi, a pro­du­to­ras in­de­pen­den­tes – ca­so da bra­si­lei­ra Aqui­ris, cu­jo lo­go­ti­po apa­re­ceu na apre­sen­ta­ção do ser­vi­ço, e da An­na­pur­na In­te­rac­ti­ve, res­pon­sá­vel pe­lo hit Flo­ren­ce.

Na vi­são de Re­na­to Fran­zin, pro­fes­sor da USP, pla­ta­for­mas co­mo es­sa po­dem aju­dar a re­vo­lu­ci­o­nar o mer­ca­do de ga­mes, que ain­da é bas­tan­te pul­ve­ri­za­do. “É um pre­ço con­vi­da­ti­vo, es­pe­ci­al­men­te pa­ra pes­so­as que não se sen­tem con­for­tá­veis em com­prar um jo­go de R$ 200 ou um con­so­le”, ex­pli­ca. “Vai re­du­zir bas­tan­te a bar­rei­ra de en­tra­da pa­ra o mer­ca­do dos jo­gos.”

STEPHEN LAM/REUTERS-25/3/2019

‘Mor­ning Show’. Sé­rie com Ca­rell, Re­e­se e Jen­ni­fer tem or­ça­men­to de US$ 300 mi­lhões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.