O pe­ri­go da ra­di­ca­li­za­ção

Ci­ne­ma. ‘Adeus à Noi­te’, que es­treia ama­nhã, traz Cathe­ri­ne De­neu­ve co­mo avó de ga­ro­to que abra­ça a cau­sa da Jihad na Fran­ça

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Car­los Mer­ten

Em sua oi­ta­va par­ce­ria com a es­tre­la Cathe­ri­ne De­neu­ve, An­dré Té­chi­né vol­ta-se pa­ra um te­ma vis­ce­ral – a ra­di­ca­li­za­ção política e re­li­gi­o­sa que es­tá no cen­tro dos tal­vez mai­o­res ca­ta­clis­mos atu­ais. Cathe­ri­ne in­ter­pre­ta uma avó e Mu­ri­el ain­da é uma bela mu­lher, co­mo a pró­pria atriz, de 75 anos. Pos­sui uma fa­zen­da de cri­a­ção de ca­va­los, uma es­co­la de equi­ta­ção. Tu­do nos con­for­mes, e aí che­ga o neto, que vem se des­pe­dir. Diz que es­tá in­do pa­ra o Ca­na­dá, mas Mu­ri­el o sur­pre­en­de fa­zen­do su­as ora­ções. Des­co­bre que ele se con­ver­teu ao is­la­mis­mo e, na ver­da­de, es­tá par­tin­do pa­ra a Sí­ria, pa­ra se in­te­grar à Jihad mu­çul­ma­na.

L’Adi­eu à la Nuit, Adeus à Noi­te, tí­tu­lo do fil­me, di­a­lo­ga mui­to bem com Meu Fi­lho Qu­e­ri­do, do tu­ni­si­a­no Moha­med Ben At­tia, um dos mais be­los fil­mes lan­ça­dos es­te ano no País. O de Ben At­tia era so­bre um pai de­ses­pe­ra­do que se­guia a tri­lha do fi­lho na Sí­ria, de­pois que o ga­ro­to par­tia, sem se­quer di­zer adeus. Se pu­des­se, ou se sou­bes­se dos pla­nos do jo­vem, ele mui­to pro­va­vel­men­te fa­ria o mes­mo que Mu­ri­el – te­ria, a qual­quer cus­to, ten­ta­do im­pe­di-lo de par­tir. Pa­ra com­pli­car, no de Té­chi­né, o neto se apro­pria de di­nhei­ro da avó pa­ra en­tre­gá-lo ao gru­po que fi­nan­cia os jiha­dis­tas e, com is­so, a nar­ra­ti­va ga­nha uma di­men­são de th­ril­ler.

De­neu­ve, na co­le­ti­va do fil­me, em fe­ve­rei­ro, em Ber­lim – Adeus à Noi­te con­cor­reu ao Ur­so de Ou­ro –, dis­se que não via na­da de­mais, em sua idade, em in­ter­pre­tar uma avó. Co­mo atriz, os anos de A Bela da Tar­de fi­ca­ram pa­ra trás. En­ca­rar o tem­po não é uma di­fi­cul­da­de – di­fí­cil é ex­pres­sar o sen­ti­men­to des­sa avó. “É um di­le­ma ham­le­ti­a­no que ela vi­ve. Ao im­pe­dir o neto de par­tir, ela po­de achar que es­tá agin­do cer­to, mas o es­tá im­pe­din­do de vi­ver a vi­da de­le, de ser ou não ser o que quer.” E Té­chi­né: “Es­se fil­me nas­ceu de um mal-es­tar pro­fun­do. Cres­ci meio iso­la­do, nu­ma pe­que­na ci­da­de do sul da Fran­ça, nu­ma fa­mí­lia de as­cen­dên­cia es­pa­nho­la. Era co­mo se a gen­te vi­ves­se num feu­do. Foi o ci­ne­ma que me fez des­co­brir o mun­do, e a cidadania, pri­mei­ro co­mo crí­ti­co, de­pois co­mo di­re­tor. Sem­pre gos­tei des­ses per­so­na­gens que não se in­te­gram e ca­re­cem de per­ten­ci­men­to, por­que eu pró­prio mui­tas ve­zes me sen­ti as­sim”.

In­te­lec­tu­al de for­ma­ção ca­tó­li­ca e mar­xis­ta, ele na­tu­ral­men­te se in­te­res­sou pe­las ques­tões dos re­fu­gi­a­dos e imi­gran­tes, dos po­vos do Ma­greb na Fran­ça. “Co­mo to­do mun­do da mi­nha ge­ra­ção, so­fri com to­dos es­ses ata­ques da Jihad, que co­lo­cam à pro­va no­ções de hu­ma­ni­da­de e to­le­rân­cia. Ten­ta­va me in­for­mar, man­ter atu­a­li­za­do. O fil­me nas­ceu da con­ver­gên­cia de vá­ri­os fa­to­res. Ha­via es­se de­se­jo de en­ten­di­men­to, mas creio que fun­da­men­tal foi o li­vro de Da­vid Thom­son, Les Fran­çais Jiha­dis­tes, fei­to de en­tre­vis­tas com jo­vens que ade­ri­ram à cau­sa is­lâ­mi­ca e à Jihad. São diá­lo­gos mui­to crus, mui­to di­re­tos, que fi­ca­ram co­mi­go. Co­me­cei a pen­sar se se­ria ca­paz de criar uma mi­se-en-scè­ne pa­ra eles, se se­ria pos­sí­vel trans­for­mar es­se ma­te­ri­al de re­por­ta­gem em fic­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca. E foi as­sim que o fil­me co­me­çou a nas­cer.”

O que re­al­men­te lhe in­te­res­sa­va era en­ten­der a psi­co­lo­gia des­ses jo­vens. “Nu­ma era de tan­to in­di­vi­du­a­lis­mo, eles ele­gem o sacrifício. Mor­rer por uma cau­sa – por quê?” Em­bo­ra a pa­la­vra dos jo­vens te­nha lhe for­ne­ci­do o im­pul­so ini­ci­al, Té­chi­né ex­pli­ca seu pon­to de vis­ta. “Sen­tia que só con­se­gui­ria ser ho­nes­to ado­tan­do o olhar de uma pes­soa da mi­nha ge­ra­ção, e foi as­sim que Mu­ri­el se foi de­li­ne­an­do. An­tes mes­mo de con­ta­tar De­neu­ve, sa­bia que te­ria de tê-la nes­se pro­je­to. Co­nhe­ço Cathe­ri­ne há mui­to tem­po e co­nhe­ço sua in­qui­e­ta­ção. Nis­so so­mos iguais – gos­ta­mos de arriscar, de nos re­no­var. É um te­ma pe­ri­go­so, e sa­bia que te­ria de con­tar com ela.” E Té­chi­né dis­se mais: “Foi, de nos­sa já lon­ga co­la­bo­ra­ção, o fil­me em que mais exi­gi de Cathe­ri­ne. Es­pe­ro que não te­nha so­fri­do mui­to (Ela re­tru­cou que não foi na­da que não pu­des­se aguen­tar). Mu­ri­el é mui­to for­te no seu la­do pro­fis­si­o­nal, mas é vul­ne­rá­vel no afe­ti­vo, em re­la­ção a es­se neto que des­co­nhe­ce. Era o que que­ria co­lo­car na te­la, e sem car­re­gar na boa cons­ci­ên­cia da nos­sa ge­ra­ção. Es­se fil­me não é pa­ra di­zer co­mo so­mos me­lho­res.”

“Creio que foi fun­da­men­tal o li­vro ‘Les Fran­çais Jiha­dis­tes’, de Da­vid Thom­son, fei­to de en­tre­vis­tas com jo­vens que ade­ri­ram à cau­sa is­lâ­mi­ca e à Jihad” An­dré Té­chi­né

FOTOS PAN­DO­RA FIL­MES

Mu­ri­el. La De­neu­ve, as­sim co­mo Té­chi­né, gos­ta de se arriscar

Avó e neto. De­neu­ve, co­mo Mu­ri­el, e Ka­cey Mot­tet Klein, que faz Alex

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.