Jo­vens em bus­ca de um pro­pó­si­to

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Cris­ti­a­no Di­as

Ore­cru­ta­men­to de eu­ro­peus é um fenô­me­no re­cen­te e não há uma úni­ca res­pos­ta pa­ra o que le­va um ado­les­cen­te a se ra­di­ca­li­zar. Pa­ra o sociólogo ira­ni­a­no Farhad Khos­rokha­var, mui­tas ve­zes a re­li­gião é ape­nas o ga­ti­lho. O jiha­dis­mo se­ria, se­gun­do ele, re­sul­ta­do da fal­ta de saí­da política em so­ci­e­da­des ca­da vez mais de­si­guais, o ca­na­li­za­dor de “in­jus­ti­ças so­ci­ais”, um pa­pel que an­tes ca­bia a gru­pos co­mo Bri­ga­das Ver­me­lhas e Ba­a­der-Mei­nhoff.

A an­tro­pó­lo­ga Dou­nia Bou­zar, que aju­da fa­mí­li­as com fi­lhos ra­di­ca­li­za­dos, tam­bém diz que a re­li­gião não é a cau­sa, “mas o meio usa­do pe­los re­cru­ta­do­res” – ela cal­cu­la que 40% das fa­mí­li­as en­vol­vi­das nem se­quer são mu­çul­ma­nas. Is­so por­que o re­cru­ta­men­to não é fei­to ape­nas nas mes­qui­tas, mas tam­bém on­li­ne. O al­vo são jo­vens su­bur­ba­nos em bus­ca de um pro­pó­si­to. Mui­tos não fa­lam ára­be nem co­nhe­cem o Al­co­rão. O bel­ga Sa­lah Ab­des­lam, res­pon­sá­vel pe­la lo­gís­ti­ca dos ata­ques de no­vem­bro de 2015, em Paris, fre­quen­ta­va ba­res gays, be­bia e usa­va dro­gas – o que é pros­cri­to pe­lo Is­lã.

Há ain­da ca­sos de jo­vens que bus­cam no re­cru­ta­men­to pro­mo­ção so­ci­al, um em­pre­go re­mu­ne­ra­do ou sim­ples­men­te en­con­trar me­ni­nas pa­ra su­pe­rar al­gum trau­ma afe­ti­vo. Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, os re­cru­ta­do­res sa­bem dis­so e usam mulheres pa­ra atrair o ban­do. A frus­tra­ção, po­rém, tam­bém po­de ter re­la­ção com um com­ple­xo de vi­ri­li­da­de, que fa­ci­li­ta o re­cru­ta­men­to. O sociólogo Raphaël Li­o­gi­er cos­tu­ma di­zer que as aca­de­mi­as de mus­cu­la­ção abri­gam mais jiha­dis­tas do que as mes­qui­tas. Nes­te ca­so, o EI es­ta­ria alis­tan­do cri­mi­no­sos pron­tos pa­ra ma­tar, in­de­pen­den­te­men­te da re­li­gião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.