Fil­me de Té­chi­né ten­ta en­ten­der a se­du­ção da vi­o­lên­cia

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Za­nin Oric­chio

De­pois de re­cen­tes atos de vi­o­lên­cia pra­ti­ca­dos em seu ter­ri­tó­rio – em es­pe­ci­al ao jor­nal Char­lie Heb­do e à bo­a­te Ba­ta­clan, am­bos em 2015 –, os fran­ce­ses co­me­ça­ram a se pre­o­cu­par com uma ques­tão in­di­ges­ta. O que le­va­ria jo­vens fran­ce­ses a fi­li­ar-se ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co e pra­ti­car aten­ta­dos em seu pró­prio país?

A sua ma­nei­ra um tan­to clás­si­ca, An­dré Té­chi­né bus­ca ex­pli­ca­ções atra­vés da fic­ção em Adeus à Noi­te. Mu­ri­el (Cathe­ri­ne De­neu­ve) mo­ra nu­ma fa­zen­da e fi­ca fe­liz ao re­ce­ber a vi­si­ta do neto, Alex (Ka­cey Mot­tet Klein). O que ela não sa­be, de iní­cio, é que se tra­ta de uma despedida. Ao la­do da na­mo­ra­da, Li­la (Ou­laya Amam­ra), Alex pre­ten­de ade­rir à Jihad.

Po­de-se di­zer que um dos mé­ri­tos de Té­chi­né é evi­tar res­pos­tas fá­ceis pa­ra uma ques­tão in­trin­ca­da. Mu­ri­el es­tra­nha qu­an­do o neto a in­for­ma de que se con­ver­teu ao Is­lã. Até aí na­da de mais. Ce­do ela des­co­bre que es­se novo ho­ri­zon­te re­li­gi­o­so es­con­dia ou­tro ti­po de in­ten­ção. Há al­go no com­por­ta­men­to de Alex que fun­ci­o­na co­mo al­ter­na­ti­va um tan­to alu­ci­na­da: o que é me­lhor? Uma vi­da de té­dio ou uma mor­te glo­ri­o­sa? Ele per­gun­ta à na­mo­ra­da o que ela iria sen­tir qu­an­do ele es­ti­ves­se mor­to. A res­pos­ta: “Or­gu­lho”.

Há ou­tras ques­tões en­vol­vi­das. Co­mo fi­ca o li­vre-ar­bí­trio qu­an­do uma pes­soa de­ci­de co­me­ter atos de vi­o­lên­cia e mor­rer em ação? Deve-se dei­xá-lo le­var es­se de­se­jo às úl­ti­mas con­sequên­ci­as ou im­pe­di-lo a qual­quer cus­to, vi­o­lan­do seu di­rei­to de es­co­lha?

Há uma pas­sa­gem in­te­res­san­te, qu­an­do Mu­ri­el pe­de aju­da a um “ar­re­pen­di­do”, pa­ra que ele fa­le com o neto e o con­ven­ça a desistir. Não im­por­ta aqui di­zer co­mo is­so termina. Ape­nas des­ta­car a res­pos­ta que o ra­paz dá a Mu­ri­el qu­an­do ela lhe per­gun­ta por que ha­via ade­ri­do ao ra­di­ca­lis­mo? Ele res­pon­de sim­ples­men­te: “Por­que es­se ca­mi­nho ofe­re­cia a pos­si­bi­li­da­de de mu­dar com­ple­ta­men­te de vi­da”.

Eis aí al­gu­mas pis­tas que es­se fil­me oferece, por­que o ci­ne­ma não é ape­nas emo­ção mas tam­bém uma for­ma de com­pre­en­der. A re­li­gião po­de for­ne­cer um sen­ti­do à vi­da – “são as gran­des pro­ve­do­ras de sen­ti­do”, di­zia o psi­ca­na­lis­ta Jac­ques La­can fa­lan­do das sei­tas re­li­gi­o­sas, em par­ti­cu­lar do ca­to­li­cis­mo. Po­de-se en­ten­der que, no ca­so es­pe­cí­fi­co da Jihad, se jun­tam a es­sa as­pi­ra­ção ao sen­ti­do o exer­cí­cio da vi­o­lên­cia (no que ela tem de pul­si­o­nal) e a sen­sa­ção de es­tar re­pa­ran­do in­jus­ti­ças his­tó­ri­cas. Pa­re­ce bas­tan­te se­du­tor pa­ra um jo­vem que vê sua vi­da co­mo té­dio sem fim.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.