Ven­do de lon­ge e de fo­ra

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - RO­BER­TO DAMATTA ESCREVE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS

Oob­ser­va­dor é um tra­du­tor en­tre o olhar ha­bi­tu­al, ín­ti­mo e ab­so­lu­to de den­tro, e a vi­sa­da fria, cau­te­lo­sa e dis­tan­te, de fo­ra. O olhar da ca­sa im­pli­ca fi­de­li­da­de e amor. Já o pon­to de vis­ta da rua tem a mol­du­ra da lei que fun­da­men­ta a vi­da co­le­ti­va. Vi­ve­mos en­tre es­ses olha­res que se in­ter­pe­ne­tram e seg­men­tam. Qu­an­do a rua vi­ra ca­sa, há a cor­rup­ção oni­po­ten­te e des­la­va­da do “tu­do é nos­so” e do “es­tá tu­do do­mi­na­do”, e qu­an­do a ca­sa vi­ra rua, há o con­ge­la­men­to dos des­po­tis­mos sem ate­nu­an­tes.

Des­co­brir qu­an­do os la­ços de fa­mí­lia de­vem ser con­ti­dos re­la­ti­va­men­te aos elos pú­bli­cos é exer­ci­tar-se no igua­li­ta­ris­mo e na so­li­da­ri­e­da­de da de­mo­cra­cia, con­ci­li­an­do

uma li­ber­da­de fra­ter­na. A so­li­da­ri­e­da­de que es­tá au­sen­te nes­te Brasil no qu­al tes­te­mu­nha­mos um Exe­cu­ti­vo pa­to­lo­gi­ca­men­te agres­si­vo, um Le­gis­la­ti­vo ten­den­do ao equi­lí­brio re­a­ci­o­ná­rio e um Ju­di­ciá­rio de­fen­si­vo dos seus pri­vi­lé­gi­os.

To­do “fa­to novo” re­ve­la um as­pec­to pou­co co­nhe­ci­do, de­se­ja­do ou não, das es­tru­tu­ras ele­men­ta­res da vi­da co­ti­di­a­na. “Fa­tos no­vos” são sinais de mu­dan­ça ou, co­mo fa­la­mos co­lo­qui­al­men­te, de “fim de mun­do”. De coi­sas não ro­ti­nei­ras que anun­ci­am os es­ter­to­res e a re­cons­tru­ção de um mo­do de exis­tên­cia. To­do ob­ser­va­dor é, que­ren­do ou não, um pro­fe­ta ou um fo­fo­quei­ro por­que olha o mun­do de fo­ra pa­ra den­tro qu­an­do o tri­vi­al é ob­ser­vá-lo de den­tro pa­ra fo­ra.

O novo re­ve­la a al­ma das co­le­ti­vi­da­des. No Brasil, o novo re­me­te a er­ros e au­sên­ci­as. Em ou­tros lu­ga­res, ele in­di­ca a ne­ces­si­da­de de apren­di­za­do. Em vez de cul­pa, er­ro e res­sen­ti­men­to (dos quais nós não se­ría­mos cul­pa­dos, pois o er­ro foi dos ou­tros...), o novo sur­ge co­mo um ca­mi­nho a ser tri­lha­do por to­dos, já que to­dos so­mos ato­res (e au­to­res) da­qui­lo que é vis­to co­mo ver­go­nho­so ou ne­ga­ti­vo. Nas po­la­ri­za­ções, um la­do insiste em não ter cul­pa. Ne­las, há a ten­ta­ti­va de ex­clu­são de um la­do e a ób­via in­clu­são do ou­tro co­mo res­pon­sá­vel ab­so­lu­to da no­vi­da­de li­da ou não co­mo ne­ga­ti­va.

Ve­ja­mos um exem­plo. Qu­an­do o rei e a Cor­te por­tu­gue­sa vi­e­ram pa­ra o Brasil em 1808, fi­can­do do la­do dos in­gle­ses, a eli­te lo­cal fi­cou em dú­vi­da so­bre es­sa des­me­su­ra­da no­vi­da­de. Era ma­ra­vi­lho­so o Rio de Janeiro vi­rar a ca­pi­tal do rei­no de Por­tu­gal e Al­gar­ve, mas era tam­bém ter­rí­vel ver Lis­boa e o rei­no de­sin­te­gra­dos e sem a Cor­te e o rei e, além do mais, in­va­di­dos pe­los fran­ce­ses. A um fa­to novo cor­res­pon­di­am di­le­mas e pro­ble­mas. Pen­so que pou­cos paí­ses vi­ve­ram eta­pas his­tó­ri­cas com pou­ca am­bi­gui­da­de co­mo fo­ram, ape­sar da Guerra Ci­vil, os Es­ta­dos Uni­dos, cu­jo es­pí­ri­to ide­o­ló­gi­co – pe­lo me­nos até ago­ra – tem si­do ven­ce­dor con­se­guin­do ga­nhar mais do que per­der.

*

Qu­an­do ad­qui­ri cons­ci­ên­cia da vi­da e des­co­bri fa­tos que me cau­sa­vam con­fu­são so­fri, mas não de­sis­ti. Mui­to pe­lo con­trá­rio, bus­quei en­trar na vi­da pe­lo la­do de fo­ra. Pri­mei­ro, pe­la re­li­gião, de­pois pe­los li­vros – pe­la luz fra­ca, mas per­sis­ten­te, co­mo diz Tho­mas Mann, do in­te­lec­to.

O mun­do é du­ro e in­jus­to. Não pre­ci­sei de ne­nhum par­ti­do po­lí­ti­co ou ide­o­lo­gia pa­ra me en­si­nar o que a mi­nha pró­pria ex­pe­ri­ên­cia já me ha­via du­ra­men­te in­for­ma­do, a co­me­çar pe­lo fa­to de ser ca­nho­to e ter si­do es­tig­ma­ti­za­do pe­los que ha­vi­am me fa­bri­ca­do e com os quais eu amo­ro­sa­men­te vi­via.

*

Nem sem­pre se acu­sa por mal­da­de ou atra­so. Na mai­o­ria dos ca­sos quem dis­cor­da e cor­ri­ge o faz por cui­da­do. O sig­ni­fi­ca­do emo­ci­o­nal que le­va à re­a­ção an­te­ce­de a com­pre­en­são. Fa­la­mos uma lín­gua sem sa­ber e so­men­te qu­an­do apren­de­mos ou­tro idi­o­ma é que des­co­bri­mos o mo­do pe­lo qu­al nos­sa lín­gua nos con­tro­la. O mes­mo ocor­re no nos­so am­bi­en­te his­tó­ri­co e cul­tu­ral. O po­lí­ti­co pen­sa que “faz política”, mas é jus­ta­men­te a “política” que o faz ou des­faz. Ele, a des­pei­to de seus pla­nos se­cre­tos, es­tá su­jei­to às cir­cuns­tân­ci­as – à sor­te ou ao azar de quem olha de fo­ra...

De­ve­mos desistir? Cla­ro que não. De­ve­mos as­su­mir que so­mos par­te de uma co­le­ti­vi­da­de à qu­al po­de­mos ser in­di­fe­ren­tes e até mes­mo traí-la, mas de­la não es­ca­pa­mos. O bá­si­co pa­ra mu­dar não é dis­tin­guir-se ou as­su­mir que há um “sis­te­ma imu­tá­vel”, ou co­lo­car a res­pon­sa­bi­li­da­de exclusivam­ente nos ou­tros. É sa­ber que pa­pel de­sem­pe­nha­mos nes­se lu­gar que nos ca­be, nes­te aqui e ago­ra que nos obri­ga a en­xer­gar de per­to e, com aju­da do cro­nis­ta, tam­bém de lon­ge...

O novo re­ve­la a al­ma das co­le­ti­vi­da­des. No Brasil, o novo re­me­te a er­ros e au­sên­ci­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.