Exi­bir é a ma­nei­ra de pre­ser­var fil­mes an­ti­gos

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Aisha Har­ris / NYT / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

Es­te ano, o ca­nal a ca­bo Tur­ner Clas­sic Mo­vi­es (TCM) co­me­mo­rou seu 25.º ani­ver­sá­rio co­mo o lar on­de os aman­tes de fil­mes po­dem des­fru­tar da nos­tal­gia ci­ne­ma­to­grá­fi­ca. De cer­ta for­ma, a rede man­te­ve mui­tas fa­ce­tas iguais – to­das as apre­sen­ta­ções de fil­mes con­ti­nu­am li­vres de co­mer­ci­ais, por exem­plo, e os fãs con­ti­nu­am an­si­o­sos por pro­du­tos bá­si­cos da pro­gra­ma­ção, co­mo Sum­mer Un­der the Stars (Ve­rão Sob as Es­tre­las, ma­ra­to­nas de um dia in­tei­ro des­ta­can­do es­tre­las de ci­ne­ma) e o TCM Re­mem­bers (Lem­bran­ças do TCM, uma mon­ta­gem in me­mo­ri­am de fi­nal de ano).

Mas o TCM não tem si­do re­sis­ten­te à mu­dan­ça, e na se­gun­da-fei­ra anun­ci­ou uma his­tó­ri­ca: a par­tir de do­min­go, a his­to­ri­a­do­ra de ci­ne­ma e pre­ser­va­ci­o­nis­ta Jac­que­li­ne Stewart co­me­ça a apre­sen­tar a lon­ga sé­rie se­ma­nal de pro­gra­ma­ção Si­lent Sun­day Nights (Si­len­ci­o­sas Noi­tes de Do­min­go). En­quan­to no pas­sa­do, fi­gu­ras pro­e­mi­nen­tes co­mo Ava DuVer­nay e Spi­ke Lee eram pro­gra­ma­do­res con­vi­da­dos, Stewart se­rá a pri­mei­ra apre­sen­ta­do­ra ne­gra da rede. (De 2016 a 2018, Tif­fany Vaz­quez apa­re­ceu no TCM co­mo a pri­mei­ra mu­lher e ne­gra a fa­zer apre­sen­ta­ções.)

Stewart é pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de de Chi­ca­go, es­pe­ci­a­li­za­da em ci­ne­ma ne­gro e his­tó­ria do ci­ne­ma mu­do. Du­ran­te uma con­ver­sa re­cen­te por te­le­fo­ne, Stewart dis­cu­tiu a pre­ser­va­ção de fil­mes na era do stre­a­ming e co­mo ela pla­ne­ja tra­zer sua ex­pe­ri­ên­cia pa­ra o novo pa­pel. Es­ses são tre­chos edi­ta­dos des­sa con­ver­sa.

De que ma­nei­ra vo­cê vê seu pró­prio tra­ba­lho em pes­qui­sa e pre­ser­va­ção de fil­mes atu­an­do em seu tra­ba­lho co­mo apre­sen­ta­do­ra do TCM?

Uma enor­me por­cen­ta­gem de fil­mes mu­dos e fil­mes clás­si­cos de Hollywo­od são es­to­ca­dos em ni­tra­to, que é tão ins­tá­vel. É in­cri­vel­men­te im­por­tan­te mos­trar o seu va­lor. O que te­mos tem que ser man­ti­do nas me­lho­res con­di­ções fí­si­cas, sem dú­vi­da. Mas tam­bém te­mos que tra­ba­lhar pa­ra pre­ser­var es­ses fil­mes em nos­sa cons­ci­ên­cia, e is­so acon­te­ce atra­vés da exi­bi­ção de­les.

O que exa­ta­men­te en­tra em seu tra­ba­lho co­mo apre­sen­ta­do­ra do Si­lent Sun­day Nights, e co­mo de­ci­de quais fil­mes apre­sen­ta­rá? Eu te­nho con­ver­sa­do mui­to com a equi­pe do TCM so­bre co­mo usar is­so co­mo um espaço pa­ra re­al­men­te mos­trar a di­ver­si­da­de do ci­ne­ma du­ran­te o pe­río­do que an­te­ce­de o ci­ne­ma fa­la­do. Es­te é um pe­río­do em que uma gran­de por­cen­ta­gem dos ci­ne­as­tas eram mulheres, e ain­da as­sim é uma his­tó­ria que eu acho que os es­pec­ta­do­res po­dem não es­tar ci­en­tes. Ha­via mulheres di­re­to­ras e ro­tei­ris­tas em gran­de nú­me­ro que es­ta­vam con­tri­buin­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do meio.

RICHARD SHOTWELL/INVISION/AP

Pi­o­nei­ra. Stewart é a pri­mei­ra apre­sen­ta­do­ra ne­gra do TCM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.