Se­tem­bro ama­re­lo

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - LEANDRO KARNAL ESCREVE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS E AOS DOMINGOS

Pre­ci­sa­mos to­car em um te­ma-ta­bu e ex­tre­ma­men­te do­lo­ro­so. Tra­ta-se de um fa­to que nin­guém gos­ta nem de pro­nun­ci­ar e a im­pren­sa evi­ta de­sen­vol­ver por me­do de es­ti­mu­lar. É um cho­que de­si­gual: si­lên­cio da gran­de im­pren­sa e uma in­ter­net fer­ven­do de exem­plos, de­poi­men­tos, per­fis de sui­ci­das e até for­mas de mor­te mais efi­ca­zes. Nas fa­mí­li­as nas quais ocor­re, rei­na ve­la­da omis­são. O sen­ti­men­to de cul­pa de ami­gos e fa­mi­li­a­res é enor­me. Há um mo­men­to em que evi­tar o te­ma po­de es­tar se tor­nan­do uma cor­ti­na pe­sa­da que ocul­ta o que pro­va­vel­men­te se de­sen­vol­va nas co­xi­as. Pre­ci­sa­mos fa­lar de sui­cí­dio. Se­tem­bro é de­cla­ra­do co­mo o mês ama­re­lo, as­sim se­ria o mo­men­to de pen­sar nas ad­ver­tên­ci­as pos­sí­veis pa­ra te­ma tão im­por­tan­te. Dez de se­tem­bro é o Dia Mun­di­al de Pre­ven­ção do Sui­cí­dio (em in­glês: World Sui­ci­de Pre­ven­ti­on

Day – WSPD). A ca­da 45 mi­nu­tos, um bra­si­lei­ro ti­ra a pró­pria vi­da. São 32 bra­si­lei­ros a me­nos por dia. Che­ga de si­lên­cio. Não es­tá fun­ci­o­nan­do.

Uma das coi­sas mais an­gus­ti­an­tes do sui­cí­dio é sua al­ta incidência en­tre jo­vens de 15 a 29 anos. Se­gun­do da­dos va­ri­a­dos, exis­te uma ten­dên­cia de que­da ge­ral no nú­me­ro de sui­cí­di­os en­tre adul­tos, to­da­via um in­qui­e­tan­te au­men­to na fai­xa etá­ria men­ci­o­na­da. A Uni­fesp to­mou da­dos do SUS pa­ra le­van­tar um nú­me­ro as­sus­ta­dor: en­quan­to a ta­xa mun­di­al de­cli­nou 17%, no Brasil, o nú­me­ro de sui­cí­di­os de pes­so­as de 10 a 19 anos, nas gran­des cidades, au­men­tou 24%. Mo­ças ten­tam mais o sui­cí­dio do que ra­pa­zes e es­tes úl­ti­mos efe­ti­vam mais de­vi­do à mai­or le­ta­li­da­de dos mé­to­dos mas­cu­li­nos. Nos se­to­res de emer­gên­cia, ten­ta­ti­vas de sui­cí­dio são a prin­ci­pal cau­sa de atendiment­o de ado­les­cen­tes.

Não exis­te um per­fil úni­co, mas o sui­ci­da cos­tu­ma dar al­guns in­dí­ci­os de que vi­ve uma fa­se di­fí­cil. Os es­pe­ci­a­lis­tas ad­ver­tem: qual­quer si­nal de ti­rar a pró­pria vi­da deve ser le­va­do a sé­rio. Fa­zer um jo­vem fa­lar de seus pro­ble­mas é um desafio enor­me pa­ra pais, fa­mi­li­a­res e pro­fes­so­res. Meu ami­go Ri­car­do Krau­se, psi­qui­a­tra es­pe­ci­a­lis­ta no te­ma, es­cre­veu-me: “O ado­les­cen­te fa­la de seu so­fri­men­to com um si­lên­cio in­co­mum, ao se afas­tar de ami­gos, ao co­me­çar a fa­lar e se in­te­res­sar por te­mas de mor­te e bi­o­gra­fi­as de sui­ci­das, ao do­ar seus per­ten­ces em vi­da, ao dei­xar de fa­zer as coi­sas das quais sem­pre gos­tou”. Lo­go, pen­so, o si­lên­cio é uma for­ma de co­mu­ni­ca­ção im­por­tan­te.

Ain­da com a as­ses­so­ria do dr. Krau­se (a quem agra­de­ço a dis­po­si­ção de me­lho­rar meu en­fo­que so­bre o te­ma), sa­be-se que 90% dos ca­sos de sui­cí­dio ocor­rem com pes­so­as que apre­sen­tam um trans­tor­no psi­quiá­tri­co, o que au­men­ta a pre­vi­si­bi­li­da­de e as pos­si­bi­li­da­des de in­ter­ven­ção. De­pois da de­pres­são e da bi­po­la­ri­da­de, o que mais pre­dis­põe são os trans­tor­nos li­ga­dos ao uso de subs­tân­ci­as. “De­ve­mos pen­sar nis­so qu­an­do na­tu­ra­li­za­mos o uso ca­da vez mais pre­co­ce de ál­co­ol en­tre os jo­vens: os mes­mos drin­ques que dão co­ra­gem de che­gar a uma me­ni­na po­dem dar co­ra­gem pa­ra pôr fim à pró­pria vi­da. Tam­bém pre­ci­sa­mos ter cui­da­do com a re­la­ti­vi­za­ção dos ris­cos da ma­co­nha, uma das dro­gas ci­en­ti­fi­ca­men­te con­fir­ma­das co­mo de­sen­ca­de­a­do­ras de sur­tos psi­có­ti­cos, a terceira pa­to­lo­gia men­tal mais li­ga­da ao sui­cí­dio”, lem­bra-me o psi­qui­a­tra pre­si­den­te da Abe­ne­pi. (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Neu­ro­lo­gia e Psi­qui­a­tria In­fan­til e Pro­fis­sões Afins).

In­ter­net e so­no te­ri­am re­la­ções com sui­cí­di­os? Sim. O so­no é po­de­ro­so ele­men­to de es­ta­bi­li­da­de fí­si­ca e men­tal. Es­pe­ci­a­lis­tas su­ge­rem que, en­tre a úl­ti­ma ex­po­si­ção à in­ter­net e o so­no, exis­ta um in­ter­va­lo mí­ni­mo de uma ho­ra e meia. Por quê? A luz, os sons, a ex­ci­ta­ção men­tal das re­des e da na­ve­ga­ção per­tur­bam o re­la­xa­men­to ne­ces­sá­rio, atra­pa­lham a ar­qui­te­tu­ra do so­no e com­pro­me­tem o dia se­guin­te. In­ter­net deve ser tra­ta­da co­mo ca­fé for­te e me­di­ca­men­tos de ex­ci­ta­ção men­tal: o uso de­pois de cer­ta ho­ra po­de ser da­no­so ao equi­lí­brio in­dis­pen­sá­vel ao re­pou­so.

A in­ter­net é um ver­da­dei­ro “dre­no” da já es­cas­sa aten­ção que os jo­vens re­ce­bem em mé­dia dos adul­tos. As re­des ma­tam a co­mu­ni­ca­ção olho no olho. Mais: a di­ta­du­ra da fe­li­ci­da­de im­pe­de que dra­mas pos­sam aflo­rar. Nin­guém quer ler so­bre de­pri­mi­dos e an­gus­ti­a­dos, to­dos in­cen­ti­vam vi­a­gens fa­bu­lo­sas e con­su­mo. Is­so fe­cha ain­da mais o jo­vem em uma de­pres­si­va gai­o­la dou­ra­da. O pi­or de tu­do: os ga­mes ades­tram a men­te com uma vir­tu­a­li­da­de ex­ces­si­va e uma con­fu­são que, com o de­sen­vol­vi­men­to de há­bi­tos re­pe­ti­ti­vos, pro­du­zem a sen­sa­ção de que, mor­ren­do nes­ta fa­se, lo­go adi­an­te res­sus­ci­to com cin­co vi­das de bô­nus.

O “se­tem­bro ama­re­lo” é um si­nal de aler­ta. Ama­re­lo in­di­ca que os ris­cos exis­tem e que es­tão em to­da par­te. Ima­gi­ne: vo­cê e eu, adul­tos e com ex­pe­ri­ên­ci­as só­li­das e vi­da fei­ta, per­de­mos o âni­mo e saí­mos do es­ta­do ra­ci­o­nal al­gu­mas ve­zes. Ima­gi­ne al­guém de 14 anos que, pa­ra pi­o­rar, ain­da é au­tor­re­fe­ren­te e pen­sa o mun­do co­mo um fenô­me­no a par­tir de um jul­ga­men­to me­nos elás­ti­co e mais as­ser­ti­vo e com me­nos las­tro bi­o­grá­fi­co pa­ra dar pers­pec­ti­va. Não con­tro­la­mos tu­do, po­rém po­de­mos au­men­tar a chan­ce de es­ti­mu­lar a vi­da, o dom mai­or. Agra­de­ço ao dr. Ri­car­do Krau­se. Vol­ta­rei ao te­ma em bre­ve. Mais do que nun­ca pre­ci­so re­pe­tir meu bor­dão: é pre­ci­so man­ter a es­pe­ran­ça. Sem es­pe­ran­ça não há vi­da.

Pre­ci­sa­mos fa­lar de sui­cí­dio. Há in­qui­e­tan­te au­men­to na fai­xa etá­ria en­tre 15 e 29 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.