A mor­te do fo­tó­gra­fo do ‘so­nho ame­ri­ca­no’

Com seu olhar pre­ci­so, Ro­bert Frank foi um íco­ne da fo­to­gra­fia do sé­cu­lo 20

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - / COM AP

Íco­ne da fo­to­gra­fia do sé­cu­lo 20 e au­tor do fo­to­li­vro The Ame­ri­cans, que te­ve uma pro­fun­da in­fluên­cia nas ge­ra­ções se­guin­tes, Ro­bert Frank mor­reu na se­gun­da-fei­ra, 9, aos 94 anos. The

Ame­ri­cans, que vi­rou clás­si­co, reú­ne 83 fo­to­gra­fi­as de mais de 28 mil (700 fil­mes) ti­ra­das pe­lo au­tor du­ran­te uma lon­ga vi­a­gem por 48 Es­ta­dos ame­ri­ca­nos en­tre abril de 1955 e ju­nho de 1956. A sé­rie em­ble­má­ti­ca foi es­co­lhi­da pa­ra inau­gu­rar o novo pré­dio do Ins­ti­tu­to Mo­rei­ra Sal­les de São Pau­lo, na Avenida Pau­lis­ta, em 2017.

“Ten­tei es­que­cer as fotos fá­ceis pa­ra ten­tar tra­zer al­go do in­te­ri­or”, ex­pli­cou o au­tor, que pres­ti­gi­a­va o sen­so de ime­di­a­tis­mo e a ên­fa­se no pon­to de vis­ta do fo­tó­gra­fo. Quem as­si­nou o pre­fá­cio do fo­to­li­vro foi Jack Ke­rou­ac, au­tor On the Ro­ad .A obra, de­pri­men­te e sub­ver­si­va, re­ve­la o la­do som­brio do ‘so­nho ame­ri­ca­no’ – po­bre­za, se­gre­ga­ção, de­si­gual­da­des e so­li­dão, e foi bem-re­ce­bi­da na épo­ca.

Nas­ci­do em 9 de no­vem­bro de 1924 em Zu­ri­que, na Suí­ça, em uma fa­mí­lia de in­dus­tri­ais ju­deus ale­mães, Ro­bert Frank se apai­xo­nou pe­la fo­to­gra­fia mui­to jo­vem, tra­ba­lhan­do em la­bo­ra­tó­ri­os lá e na Ba­si­leia a par­tir de 1940. Em 1947, par­tiu pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, on­de pas­sou a tra­ba­lhar co­mo fo­tó­gra­fo de mo­da e re­pór­ter em re­vis­tas co­mo For­tu­ne, Li­fe ou Har­per’s Ba­za­ar. Ra­pi­da­men­te, per­ce­beu que aque­le mun­do não era pa­ra ele.

En­tão ele vi­a­ja, pri­mei­ro pe­la Amé­ri­ca La­ti­na e de­pois pe­la Eu­ro­pa, prin­ci­pal­men­te Fran­ça, que ele ado­ra. Em 1953, re­tor­na pa­ra No­va York. Re­cu­san­do pe­di­dos de re­vis­tas, ob­tém uma bol­sa da Fun­da­ção Gug­ge­nheim, que lhe deu a li­ber­da­de de fa­zer seu tra­ba­lho co­mo qui­ses­se. As­sim co­me­ça a aven­tu­ra de re­tra­tar os ame­ri­ca­nos, que o tor­na­ria cé­le­bre.

Em 1961, ele apre­sen­ta sua pri­mei­ra gran­de ex­po­si­ção em Chi­ca­go, se­gui­da por mui­tas ou­tras – Frank sem­pre tra­ba­lhou na se­guin­te or­dem: fo­to­gra­fia, li­vro e só en­tão a ex­po­si­ção.

Pa­ra o editor Gerhard Stei­dl, que em entrevista ao Es­ta­do em 2017 dis­se que Frank ain­da fo­to­gra­fa­va to­dos os di­as, o fo­tó­gra­fo sem­pre se in­te­res­sou pe­la re­la­ção en­tre as pes­so­as vi­ven­do em cer­tos paí­ses. “Ele sem­pre te­ve o ins­tin­to de des­co­brir on­de se po­si­ci­o­nar nu­ma mul­ti­dão e olhar, atra­vés de sua câ­me­ra, pa­ra a al­ma das pes­so­as, de um país, de uma na­ção.” E o que ele fez em Os Ame­ri­ca­nos foi al­go to­tal­men­te novo pa­ra a épo­ca – pa­ra além do que ele re­tra­ta­va. “O layout do li­vro, a sequên­cia sem ne­nhum tex­to, sem uma ex­pli­ca­ção, foi, pa­ra a épo­ca, mui­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio já que o fo­to­li­vro, em 1959, era, nor­mal­men­te, um lon­go tex­to com al­gu­mas fo­to­gra­fi­as ilus­tra­ti­vas.”

Mas, com me­do de se re­pe­tir, Frank tro­ca a fo­to­gra­fia pe­lo ci­ne­ma. Seu pri­mei­ro fil­me foi Pull

My Daisy (1959). Os anos 70 fo­ram con­tur­ba­dos: ele se se­pa­ra, per­de uma filha em aci­den­te de avião e vê o fi­lho mer­gu­lhar em uma do­en­ça men­tal (ele se sui­ci­dou no iní­cio dos anos 1990). No en­tan­to, con­ti­nua com su­as ex­pe­ri­men­ta­ções for­mais em tor­no da ima­gem. Dirige ain­da 20 fil­mes e vol­ta mais ou me­nos à fo­to­gra­fia por meio da edi­ção de ins­tan­tâ­ne­os, tra­ba­lhan­do em ne­ga­ti­vos, ou po­la­roi­des.

RO­BERT FRANK

DODO JIN MING/THE NEW YORK TI­MES

O fo­tó­gra­fo. ‘Des­truo o que é des­cri­ti­vo nas fotos pa­ra mos­trar co­mo que­ro’, dis­se Ro­ber­to Frank (aci­ma), au­tor da sé­rie clás­si­ca ‘The Ame­ri­cans’ (E)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.