Ino­va­ção im­pul­si­o­na qua­li­da­de e efi­ci­ên­cia na área da saú­de

Even­to em São Pau­lo de­ba­teu es­tra­té­gi­as pa­ra apli­car as no­vas tec­no­lo­gi­as à me­di­ci­na, o que re­duz cus­tos e es­ti­mu­la a ex­ce­lên­cia, além de apro­xi­mar mé­di­cos e pa­ci­en­tes

O Estado de S. Paulo - - Dasa -

Mais qua­li­da­de e efi­ci­ên­cia na me­di­ci­na são ques­tões ur­gen­tes e que de­pen­dem em gran­de par­te da ino­va­ção. A che­ga­da de no­vas tec­no­lo­gi­as já cau­sou mu­dan­ças pro­fun­das em di­ver­sas áre­as, e a saú­de es­tá dan­do pas­sos im­por­tan­tes nes­sa evo­lu­ção. Mas a mu­dan­ça de pa­ta­mar pre­ci­sa che­gar rá­pi­do – e per­mi­tir que es­se novo mo­men­to acon­te­ça se­rá fun­da­men­tal pa­ra to­do o se­tor.

A ges­tão des­ses avan­ços tec­no­ló­gi­cos foi dis­cu­ti­da no Fó­rum Es­ta­dão Think Ino­va­ção e Ex­ce­lên­cia Mé­di­ca co­mo Di­fe­ren­ci­al, re­a­li­za­do pe­lo jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo em par­ce­ria com a Da­sa. Im­por­tan­tes no­mes da me­di­ci­na se reu­ni­ram se­ma­na pas­sa­da, no Cu­bo Itaú, em São Pau­lo, pa­ra dis­cu­tir ru­mos, de­sa­fi­os e pers­pec­ti­vas do se­tor. “Im­ple­men­tar uma cul­tu­ra di­gi­tal não é fá­cil, le­va tem­po, mas ver is­so acon­te­cen­do den­tro da Da­sa é es­pe­ta­cu­lar. O que a gen­te quer é ver os pa­ci­en­tes sen­do be­ne­fi­ci­a­dos”, de­cla­rou Ro­meu Do­min­gues, pre­si­den­te do con­se­lho da Da­sa. “Não vai ser a Da­sa so­zi­nha que vai trans­for­mar o se­tor, se­re­mos to­dos nós jun­tos. Pre­ci­sa­mos in­te­grar os ser­vi­ços, tra­ba­lhar em con­jun­to pa­ra me­lho­rar a saú­de no País”, com­ple­men­ta o di­re­tor-ge­ral, Car­los de Barros.

Uma das mu­dan­ças mais ur­gen­tes e que deve tra­zer pro­fun­dos im­pac­tos na ro­ti­na de mé­di­cos, pa­ci­en­tes e de to­dos os agen­tes en­vol­vi­dos no ecos­sis­te­ma de saú­de é um me­lhor ge­ren­ci­a­men­to dos da­dos. Es­se foi o te­ma dis­cu­ti­do no pri­mei­ro pai­nel do dia, Os de­sa­fi­os do uso de da­dos em saú­de e as mu­dan­ças na re­la­ção mé­di­co-pa­ci­en­te. A tec­no­lo­gia per­mi­te reu­nir e ge­ren­ci­ar da­dos pa­ra ex­trair in­for­ma­ções que po­dem ser a cha­ve pa­ra uma me­di­ci­na mais pre­di­ti­va e pre­ven­ti­va. “O da­do po­de ser uma das gran­des fer­ra­men­tas pa­ra fa­zer com que a es­tru­tu­ra da saú­de se­ja mu­da­da. Te­mos ho­je uma me­di­ci­na re­a­ti­va, e ele vem pa­ra tor­nar a me­di­ci­na mais pro­a­ti­va”, ava­lia Ra­fa­el Ca­ni­neu, di­re­tor mé­di­co de Va­lue-Ba­sed na Da­sa e um dos in­te­gran­tes do pai­nel.

“Pre­ci­sa­mos ver o pa­ci­en­te co­mo um fil­me, não co­mo uma fo­to­gra­fia. Se eu olho um exa­me iso­la­do, pos­so achar que ele não es­tá bom, mas es­se mes­mo re­sul­ta­do no con­tex­to his­tó­ri­co do pa­ci­en­te po­de ser con­si­de­ra­do ex­ce­len­te. A in­te­gra­ção dos da­dos evi­ta que a gen­te pe­ça exa­mes des­ne­ces­sá­ri­os e fa­ça di­ag­nós­ti­cos pre­ci­pi­ta­dos e in­cor­re­tos”, afir­ma Otá­vio Ge­ba­ra, di­re­tor clí­ni­co do Hos­pi­tal San­ta Pau­la e par­ti­ci­pan­te do pai­nel, que tam­bém con­tou com a pre­sen­ça de Te­re­sa Ve­lo­so, di­re­to­ra téc­ni­ca e de re­la­ci­o­na­men­to com pres­ta­do­res da SulA­mé­ri­ca, e Claudia Cohn, mem­bro do con­se­lho da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Me­di­ci­na Di­ag­nós­ti­ca (Abra­med).

Ain­da que os be­ne­fí­ci­os de usar os da­dos já es­te­jam bas­tan­te vi­sí­veis e com­pre­en­di­dos, reu­nir es­sas in­for­ma­ções e fa­zer com que elas se­jam efe­ti­va­men­te úteis pa­ra mé­di­cos e pa­ci­en­tes é um dos prin­ci­pais en­tra­ves. “O gran­de desafio ho­je é co­mo co­nec­tar os di­fe

ren­tes players do mer­ca­do. Os da­dos exis­tem, mas eles não tran­sa­ci­o­nam de um la­do pa­ra o ou­tro. Es­sa frag­men­ta­ção vai ge­ran­do um cus­to adi­ci­o­nal que o se­tor não tem aguen­ta­do nos úl­ti­mos tem­pos”, diz Te­re­sa. “Não adi­an­ta ter informação sem con­ti­nui­da­de. Pre­ci­sa­mos ga­ran­tir a ras­tre­a­bi­li­da­de da his­tó­ria do pa­ci­en­te. Já na iden­ti­fi­ca­ção, ter al­go que pos­sa per­cor­rer to­dos os sis­te­mas da in­te­ro­pe­ra­bi­li­da­de e que ga­ran­ta es­se his­tó­ri­co em to­da a ca­deia”, com­ple­men­ta Claudia.

Em­po­de­ra­men­to do cli­en­te

As con­sequên­ci­as da apli­ca­ção de tec­no­lo­gi­as co­mo big da­ta e analy­tics es­tão sen­do sen­ti­das além dos con­sul­tó­ri­os mé­di­cos ou das sa­las de exa­me. A ges­tão das em­pre­sas de saú­de e to­da a jor­na­da do pa­ci­en­te – que en­vol­ve des­de a mar­ca­ção de con­sul­tas até a com­pra de me­di­ca­men­tos em uma far­má­cia – tam­bém es­tão sen­do pos­tas em xe­que. “Co­mo con­du­zir es­sa transforma­ção é um desafio pa­ra to­dos nós, mas a tec­no­lo­gia es­tá com a gen­te o tem­po to­do. Não há co­mo fu­gir. Sa­ber co­mo usá-la é o que vai

nos di­fe­ren­ci­ar”, re­la­ta Te­re­sa Sa­chet­ta, da Ame­ri­cas Ser­vi­ços Mé­di­cos. Co­mo a transforma­ção di­gi­tal aju­da a ges­tão e o atendiment­o na saú­de foi o te­ma do se­gun­do pai­nel do dia, que, além de Te­re­sa, te­ve a pre­sen­ça de Emer­son Gas­pa­ret­to, vi­ce-pre­si­den­te da área mé­di­ca da Da­sa; Jo­el For­mi­ga, co­or­de­na­dor de ino­va­ção di­gi­tal da Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do de São Pau­lo; e Cle­ber Mo­rais, di­re­tor-ge­ral da Ama­zon/AWS Brasil.

Me­lho­rar a ex­pe­ri­ên­cia do pa­ci­en­te é um dos de­sa­fi­os de quem pres­ta ser­vi­ço de saú­de. “Ho­je, po­de­mos usar o ce­lu­lar pa­ra cha­mar um trans­por­te, com­prar uma pas­sa­gem de avião e fa­zer check-in, fa­zer tran­si­ções ban­cá­ri­as, mas até há pou­co tem­po não tí­nha­mos uma fer­ra­men­ta to­tal­men­te di­gi­tal pa­ra agen­dar um exa­me mé­di­co. A Da­sa tem tra­ba­lha­do mui­to nis­so, em ga­ran­tir uma me­lhor jor­na­da pa­ra o pa­ci­en­te”, diz Gas­pa­ret­to. “To­dos os se­to­res es­tão vi­ven­do es­sa transforma­ção que co­me­ça pe­lo em­po­de­ra­men­to do cli­en­te. A mu­dan­ça vai acon­te­cer e vai ser rá­pi­da”, com­ple­men­ta Mo­rais.

Fer­ra­men­ta pa­ra au­xi­li­ar a pre­ven­ção

Uma pre­ven­ção mais di­re­ci­o­na­da e efe­ti­va e di­ag­nós­ti­cos mais rá­pi­dos e pre­ci­sos de­vem ser al­guns dos gran­des di­fe­ren­ci­ais que a apli­ca­ção da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e da cor­re­ta aná­li­se de da­dos po­dem tra­zer pa­ra a me­di­ci­na. O uso da tec­no­lo­gia pa­ra an­te­ci­pa­ção do cui­da­do foi o te­ma do ter­cei­ro pai­nel do even­to. A me­sa foi for­ma­da por Gus­ta­vo Gus­so, di­re­tor da Ne­xa Di­gi­tal; Le­o­nar­do Ve­do­lin, di­re­tor mé­di­co da Da­sa; Ro­dri­go Lo­pes, CEO do Gru­po Le­for­te; e Ro­gé­rio Su­gai, di­re­tor mé­di­co da Sa­les­for­ce. “O desafio mai­or é fa­zer com que a informação abun­dan­te que te­mos ho­je ori­en­te a con­du­ta de ma­nei­ra mais ade­qua­da”, afir­ma Ve­do­lin.

Nes­se pro­ces­so, é fun­da­men­tal mu­nir o pa­ci­en­te de in­for­ma­ções e tor­ná-lo ca­da vez mais ci­en­te e res­pon­sá­vel pe­la sua saú­de. “Qu­an­do te­mos um pa­ci­en­te que vai mui­to ao pron­to-so­cor­ro, por exem­plo, pre­ci­sa­mos usar a aná­li­se de da­dos pa­ra en­ten­der o mo­ti­vo dis­so. A par­tir daí con­se­gui­mos ori­en­tá-lo a bus­car uma aju­da mais ade­qua­da. Pre­ci­sa­mos pen­sar no tra­ta­men­to ma­tri­ci­al­men­te”, afir­ma Lo­pes.

Im­ple­men­tar uma cul­tu­ra di­gi­tal não é fá­cil, le­va tem­po, mas ver is­so acon­te­cen­do den­tro da Da­sa é es­pe­ta­cu­lar. O que a gen­te quer é ver os pa­ci­en­tes sen­do be­ne­fi­ci­a­dos” Ro­meu Do­min­gues, pre­si­den­te do con­se­lho da Da­sa

Te­mas re­le­van­tes pa­ra o fu­tu­ro da saú­de fo­ram dis­cu­ti­dos ao lon­go do en­con­tro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.