In­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al am­plia pre­ci­são e agi­li­da­de dos di­ag­nós­ti­cos

Apoio de al­go­rit­mos que pré-iden­ti­fi­cam ca­sos crí­ti­cos e ace­le­ram a atu­a­ção mé­di­ca traz di­ver­sos be­ne­fí­ci­os pa­ra os pa­ci­en­tes

O Estado de S. Paulo - - Dasa -

Um pa­ci­en­te vai à clí­ni­ca fa­zer uma res­so­nân­cia mag­né­ti­ca do crâ­nio. Ele re­a­li­za os pre­pa­ra­ti­vos, dei­ta no equi­pa­men­to e o pro­ce­di­men­to co­me­ça. Mi­nu­tos de­pois, sur­ge na sa­la um mé­di­co da emer­gên­cia in­for­man­do que veio ava­li­ar uma pes­soa com in­di­ca­ti­vos de he­mor­ra­gia cerebral. A equi­pe que es­tá re­a­li­zan­do o exa­me en­ten­de ra­pi­da­men­te que se tra­ta do pa­ci­en­te que ain­da es­tá dei­ta­do na má­qui­na e que, gra­ças a um al­go­rit­mo de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al que fez a lei­tu­ra do pro­ble­ma e emi­tiu um aler­ta, já te­ve seu di­ag­nós­ti­co. O atendiment­o é fei­to ime­di­a­ta­men­te.

Es­se ca­so ocor­reu re­cen­te­men­te em um hos­pi­tal on­de a Da­sa re­a­li­za exa­mes e exem­pli­fi­ca os be­ne­fí­ci­os que a lei­tu­ra rá­pi­da e pre­ci­sa de da­dos po­de tra­zer pa­ra a me­di­ci­na di­ag­nós­ti­ca e, con­se­quen­te­men­te, pa­ra a vi­da das pes­so­as. Sem o al­go­rit­mo que emi­tiu o aler­ta do di­ag­nós­ti­co de emer­gên­cia, o exa­me te­ria si­do en­ca­mi­nha­do pa­ra uma fi­la pa­ra ser ana­li­sa­do, e o re­sul­ta­do po­de­ria le­var ho­ras ou mes­mo di­as pa­ra sair – um tem­po pre­ci­o­so pa­ra pa­ci­en­tes com con­di­ções gra­ves co­mo a he­mor­ra­gia cerebral.

Es­pe­ci­al­men­te na área de di­ag­nós­ti­cos por ima­gem, a tec­no­lo­gia exer­ce ca­da vez mais um pa­pel fun­da­men­tal de su­por­te pa­ra as de­ci­sões, pro­ces­san­do in­for­ma­ções de for­ma ágil e em um vo­lu­me que o ser hu­ma­no não é ca­paz de fa­zer so­zi­nho. “Os da­dos são a ba­se da me­di­ci­na di­ag­nós­ti­ca, e o ho­mem tem uma ca­pa­ci­da­de li­mi­ta­da de pro­ces­sá-los sem o apoio da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. O com­pu­ta­dor aju­da a en­tre­gar quan­ti­da­de mai­or de re­sul­ta­dos em me­nos tem­po”, ex­pli­ca Le­o­nar­do Ve­do­lin, di­re­tor mé­di­co da Da­sa e um dos par­ti­ci­pan­tes do even­to.

O al­go­rit­mo que de­tec­ta he­mor­ra­gia cerebral e aler­ta a equi­pe mé­di­ca é uma das aplicações da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al já em cur­so na me­di­ci­na di­ag­nós­ti­ca. A ex­pec­ta­ti­va é que mui­to mais ve­nha por aí. “A área de ima­gem é a pri­mei­ra que es­tá sen­do for­te­men­te im­pac­ta­da. Há mui­tas so­lu­ções que uti­li­zam re­des neu­rais, ma­chi­ne le­ar­ning e deep le­ar­ning (téc­ni­cas que en­si­nam as má­qui­nas a “pen­sar” e a re­co­nhe­cer pa­drões), e con­se­guem dar um di­ag­nós­ti­co mui­to rá­pi­do e pre­ci­so”, re­la­ta Ro­gé­rio Su­gai, di­re­tor mé­di­co da Sa­les­for­ce, um dos par­ti­ci­pan­tes do pai­nel O

uso da tec­no­lo­gia pa­ra an­te­ci­pa­ção do cui­da­do, que ocor­reu du­ran­te o Fó­rum Es­ta­dão Think Ino­va­ção e Ex­ce­lên­cia Mé­di­ca co­mo Di­fe­ren­ci­al, pro­mo­vi­do pe­lo jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo em par­ce­ria com a Da­sa.

Má­qui­na apren­de com o er­ro

Es­se ti­po de tec­no­lo­gia en­si­na a má­qui­na a ler mais e me­lhor da­dos e ima­gens e deve tra­zer uma re­vo­lu­ção pa­ra a área: quan­to mais o equi­pa­men­to tra­ba­lha, me­lhor ele fi­ca. “O com­pu­ta­dor apren­de com o er­ro. Além de nun­ca mais re­pe­tir es­se equí­vo­co, ele me­lho­ra sua per­for­man­ce”, re­la­ta Ve­do­lin.

O de­sen­vol­vi­men­to da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al pos­si­bi­li­ta que os al­go­rit­mos re­a­li­zem pré-lau­dos que fa­ci­li­tam o tra­ba­lho do mé­di­co, pro­mo­ven­do uma me­di­ci­na mais efi­caz e com me­nos cus­tos. “Se vo­cê po­de usar al­go­rit­mos pa­ra apoiar os di­ag­nós­ti­cos, com cer­te­za a sua pre­ci­são vai ser mui­to mai­or. Is­so per­mi­te tra­zer pa­ra a saú­de uma ges­tão de qua­li­da­de. Quan­to mais rá­pi­do e pre­co­ce fo­rem o atendiment­o e o tra­ta­men­to, me­nor o tem­po do pa­ci­en­te no hos­pi­tal, me­nor o gas­to”, ava­lia Ro­dri­go Lo­pes, CEO do Hos­pi­tal Le­for­te, tam­bém um dos par­ti­ci­pan­tes do pai­nel O uso da tec­no­lo­gia pa­ra an­te­ci­pa­ção do cui­da­do.

A di­gi­ta­li­za­ção não se opõe à hu­ma­ni­za­ção do atendiment­o. É o con­trá­rio: a luz es­tá no fi­nal do tú­nel, não em vol­tar pra trás. O pro­ces­so de di­gi­ta­li­za­ção é do­lo­ro­so por­que a saí­da é do ou­tro la­do. Se vo­cê apro­fun­dar o pro­ces­so de di­gi­ta­li­za­ção, vo­cê vai ter um mé­di­co mais bem in­for­ma­do, mais pre­pa­ra­do, com mais tem­po pa­ra se de­di­car ao pa­ci­en­te, su­por­ta­do pe­la informação, por su­ges­tão de di­ag­nós­ti­co e pro­to­co­los au­to­ma­ti­za­dos. Jo­el For­mi­ga, co­or­de­na­dor de ino­va­ção di­gi­tal da Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do de São Pau­lo

A in­te­ro­pe­ra­bi­li­da­de não po­de fe­rir a pri­va­ci­da­de do pa­ci­en­te, mas ela pre­ci­sa ga­ran­tir que exa­mes imu­tá­veis, co­mo a ti­pa­gem san­guí­nea, pos­sam per­cor­rer com o pa­ci­en­te to­do seu his­tó­ri­co. É mui­to im­por­tan­te que as en­ti­da­des que con­gre­gam as em­pre­sas de di­ag­nós­ti­co se reú­nam pa­ra au­xi­li­ar nes­sa es­tru­tu­ra­ção. Claudia Cohn, pre­si­den­te do con­se­lho da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Me­di­ci­na Di­ag­nós­ti­ca (Abra­med)

As es­tru­tu­ras pre­ci­sam se pre­pa­rar. Dis­po­ni­bi­li­zar pa­ra os mé­di­cos aces­so a to­dos os da­dos ge­ra­dos em re­la­ção a seus pa­ci­en­tes, mas com in­te­li­gên­cia por trás pa­ra que fa­ci­li­te o tra­ba­lho na to­ma­da de de­ci­são. Se o tra­ba­lho com da­dos não vi­er pa­ra fa­ci­li­tar o tra­ba­lho na pri­o­ri­za­ção do cui­da­do, se­rá mais um fa­tor de tra­ba­lho ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra o mé­di­co, que já es­tá so­bre­car­re­ga­do. Ra­fa­el Ca­ni­neu, di­re­tor mé­di­co de Va­lue-Ba­sed na Da­sa

O pa­ci­en­te pre­ci­sa ter o en­ten­di­men­to de que ele vai de­le­gar o cui­da­do de seus da­dos pa­ra uma rede na qu­al ele pos­sa con­fi­ar. De­pois que es­ses da­dos são hi­gi­e­ni­za­dos, eles pre­ci­sam vol­tar pa­ra as pes­so­as e se­rem en­ten­di­dos. A in­te­gra­ção dos da­dos em si é um tra­ba­lho her­cú­leo, mas não é o mais di­fí­cil. O mais di­fí­cil é fa­zer to­da es­sa rede se co­mu­ni­car. Gus­ta­vo Gus­so, di­re­tor mé­di­co da Ne­xa Di­gi­tal

O uso da tec­no­lo­gia pa­ra a an­te­ci­pa­ção do cui­da­do foi o te­ma abor­da­do em um dos pai­néis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.