pos­si­bi­li­da­des do uso de da­dos

CO­NHE­ÇA AL­GU­MAS APLICAÇÕES QUE PO­DEM TRA­ZER BE­NE­FÍ­CI­OS PA­RA OS PA­CI­EN­TES

O Estado de S. Paulo - - Dasa -

Com­par­ti­lha­men­to de da­dos

A cha­ma­da in­te­ro­pe­ra­bi­li­da­de re­a­li­za uma in­te­ra­ção de da­dos de di­ver­sas ins­ti­tui­ções de saú­de: hos­pi­tais, la­bo­ra­tó­ri­os, clí­ni­cas, far­má­ci­as. As­sim, o his­tó­ri­co do pa­ci­en­te fi­ca com­ple­to e não so­men­te com in­for­ma­ções de de­ter­mi­na­do lo­cal que ele fre­quen­tou, o que per­mi­te mais pre­ci­são.

His­tó­ri­co de exa­mes

As em­pre­sas de me­di­ci­na di­ag­nós­ti­ca po­de­rão ana­li­sar to­do o his­tó­ri­co de exa­mes de um pa­ci­en­te e criar in­for­ma­ções que se­jam úteis pa­ra a pre­ven­ção e a me­lho­ra da qua­li­da­de de vi­da. É uma for­ma de se an­te­ci­par aos pro­ble­mas. Além dis­so, os mé­di­cos po­dem re­ce­ber es­se his­tó­ri­co jun­to ao exa­me so­li­ci­ta­do, o que per­mi­te uma vi­são mais am­pla da saú­de do pa­ci­en­te.

Acom­pa­nha­men­to em tem­po re­al

Os da­dos vi­tais dos pa­ci­en­tes in­ter­na­dos po­dem ser mo­ni­to­ra­dos e ava­li­a­dos de for­ma per­ma­nen­te pe­los al­go­rit­mos, in­clu­si­ve com o cru­za­men­to de in­for­ma­ções do his­tó­ri­co des­ses in­di­ví­du­os.

Is­so po­de evi­tar com­pli­ca­ções por al­tas pre­co­ces, exa­mes e até ci­rur­gi­as des­ne­ces­sá­ri­as.

Tec­no­lo­gi­as ves­tí­veis

As we­a­ra­bles tam­bém são for­mas de mo­ni­to­rar e for­ne­cer da­dos de saú­de. Os apa­re­lhos co­lhem in­for­ma­ções e a pró­pria pes­soa po­de dar mais de­ta­lhes so­bre a sua ro­ti­na e, se de­se­jar, com­par­ti­lhar com sua equi­pe mé­di­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.