Ge­ren­ci­a­men­to de da­dos dos pa­ci­en­tes vi­ra ali­a­do na pre­ven­ção

Lei­tu­ra e mo­ni­to­ra­men­to cor­re­to das in­for­ma­ções dos pa­ci­en­tes po­dem ser a cha­ve pa­ra uma me­di­ci­na mais pre­ven­ti­va e pre­di­ti­va

O Estado de S. Paulo - - Dasa -

As em­pre­sas da área da saú­de con­tam com um vo­lu­me mui­to gran­de de in­for­ma­ções que po­de­ria ser útil pa­ra an­te­ci­par o cui­da­do e ge­rar um uso mais efi­ci­en­te e econô­mi­co do sis­te­ma co­mo um to­do. A me­lhor for­ma de fa­zer is­so é uma das dis­cus­sões mais fre­quen­tes em re­la­ção à mo­der­ni­za­ção dos ser­vi­ços de saú­de. Os da­dos do pa­ci­en­te já são uma for­ma de di­ag­nós­ti­cos por si só, se­gun­do Gus­ta­vo Gus­so, di­re­tor mé­di­co da Ne­xa Di­gi­tal, que par­ti­ci­pou do pai­nel O uso da tec­no­lo­gia pa­ra an­te­ci­pa­ção

do cui­da­do. “Se ele faz mais ou me­nos exa­mes, se pro­cu­ra mais ou me­nos o pron­to-so­cor­ro, se mo­ni­to­ra ou não sua con­di­ção de saú­de. Vo­cê não pre­ci­sa fa­zer tan­tos exa­mes pa­ra des­co­brir que uma pes­soa tem ris­co de in­ter­nar, por exem­plo. Os da­dos já tra­zem es­ses di­ag­nós­ti­cos”, afir­ma.

O atu­al mo­de­lo de saú­de, em que o sis­te­ma per­ma­ne­ce em uma ati­tu­de pas­si­va à es­pe­ra que o pa­ci­en­te o pro­cu­re, deve mu­dar. Com ba­se no his­tó­ri­co de ca­da in­di­ví­duo, é pos­sí­vel ge­rar in­for­ma­ções que sir­vam de aler­ta pa­ra os pro­ble­mas an­tes que eles acon­te­çam. “O pa­ci­en­te faz um exa­me de di­a­be­tes com­ple­ta­men­te des­com­pen­sa­do. Se­rá que es­se re­sul­ta­do che­gou ao mé­di­co? Quan­tas ve­zes ele re­pe­tiu es­se exa­me em um ano? Se eu cru­zar es­ses e ou­tros da­dos, pos­so cons­ta­tar que a

pes­soa vai ter uma com­pli­ca­ção. Se is­so não for si­na­li­za­do, per­de­mos a opor­tu­ni­da­de da pre­ven­ção”, co­men­ta Otá­vio Ge­ba­ra, di­re­tor clí­ni­co do Hos­pi­tal San­ta Pau­la.

Po­der ao pa­ci­en­te

A pers­pec­ti­va dos es­pe­ci­a­lis­tas é que es­sa mu­dan­ça de vi­são tra­ga mais po­der pa­ra os in­di­ví­du­os, que te­rão mais aces­so às in­for­ma­ções so­bre a pró­pria saú­de. “Va­mos ter mui­tos in­sights pa­ra os pa­ci­en­tes e pa­ra os mé­di­cos ba­se­a­dos em da­dos. Is­so vai ge­rar um ní­vel de res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra o pa­ci­en­te mai­or do que ele tem ho­je”, es­pe­ra Emer­son Gas­pa­ret­to, vi­ce-pre­si­den­te da área mé­di­ca da Da­sa e um dos par­ti­ci­pan­tes do even­to. As pes­so­as te­rão mais cons­ci­ên­cia do seu es­ta­do de saú­de – sa­ben­do, por exem­plo, que o exa­me re­a­li­za­do re­cen­te­men­te es­tá mui­to di­fe­ren­te do seu his­tó­ri­co ou que o cru­za­men­to de da­dos so­bre sua pres­são ar­te­ri­al in­di­ca um per­fil de ris­co. “Com AI e a aná­li­se de da­dos, vo­cê tor­na o in­di­ví­duo mais se­nhor da sua si­tu­a­ção. O pa­ci­en­te vai ser o CEO da saú­de de­le”, re­su­me Ge­ba­ra.

Mas co­mo de­sen­vol­ver es­tra­té­gi­as pa­ra que as in­for­ma­ções pos­sam ser efe­ti­va­men­te re­ver­ti­das em no­vas con­du­tas? Es­sa tem si­do uma das dis­cus­sões en­tre os es­pe­ci­a­lis­tas da área. “Te­mos fei­to par­ce­ri­as e con­ver­sas com as ope­ra­do­ras e com os mé­di­cos, pa­ra en­ten­der co­mo trans­for­mar es­ses da­dos em ações pa­ra me­lho­rar a vi­da das pes­so­as”, de­cla­ra o vi­ce-pre­si­den­te da área mé­di­ca da Da­sa.

Além dis­so, o cui­da­do com a pri­va­ci­da­de e o uso éti­co e le­gal das in­for­ma­ções são pon­tos de aten­ção. “Es­sa é uma ques­tão mui­to im­por­tan­te. São da­dos pri­va­dos. Não po­de­mos pe­gá-los e man­dar pa­ra ter­cei­ros”, aler­ta Ge­ba­ra. Nes­se sen­ti­do, a Lei Ge­ral de Pro­te­ção de Da­dos Pes­so­ais, san­ci­o­na­da no ano pas­sa­do, tra­ça os li­mi­tes do uso des­sas in­for­ma­ções. É pre­ci­so uma au­to­ri­za­ção ex­pres­sa do in­di­ví­duo pa­ra que a co­le­ta de da­dos ocor­ra, e a am­pla informação so­bre co­mo em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das tra­tam es­ses da­dos. “Acre­di­ta­mos que foi uma ex­ce­len­te ini­ci­a­ti­va. A lei pro­te­ge mui­to o pa­ci­en­te den­tro da nos­sa re­a­li­da­de. Le­va em con­ta e res­pei­ta a pri­va­ci­da­de e o da­do do pa­ci­en­te”, con­clui Gas­pa­ret­to.

O ob­je­ti­vo fi­nal pre­ci­sa ser o pa­ci­en­te, e ele quer se tec­no­lo­gia. A transforma­ção di­gi­tal en­vol­ve ino­va­ção, mas en­vol­ve tam­bém uma mu­dan­ça de cul­tu­ra. Se não nos mo­ver­mos, se não es­ti­ver­mos pre­pa­ra­dos, va­mos fi­car pa­ra trás. É uma enor­me opor­tu­ni­da­de de ter­mos um pa­pel mais re­le­van­te e atu­al. Te­re­sa Sac­chet­ta, di­re­to­ra de Me­di­ci­na Di­ag­nós­ti­ca e Te­les­saú­de do Ame­ri­cas Ser­vi­ços Mé­di­cos

Da­do é a es­sên­cia de tu­do, da­do é o novo pe­tró­leo. Co­nhe­cer o seu cli­en­te, sua jor­na­da, sa­ber a que ele es­tá ap­to. E a per­so­ni­fi­ca­ção des­se con­su­mi­dor. Tu­do is­so es­tá vin­do mui­to for­te pa­ra a saú­de, mas tu­do is­so deve vir de for­ma mui­to se­gu­ra. Es­se da­do é do pa­ci­en­te. Cle­ber Mo­rais, di­re­tor-ge­ral da Ama­zon/AWS Brasil

Te­mos al­to cus­to, bai­xa efi­ci­ên­cia, uma po­pu­la­ção sem aces­so e a di­mi­nui­ção dos pro­fis­si­o­nais de saú­de. Te­mos a tem­pes­ta­de per­fei­ta. Co­mo re­sol­ver is­so? Es­ta­mos vi­ven­do um mo­men­to dis­rup­ti­vo com a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. Mas a tec­no­lo­gia ain­da es­tá na fa­se da in­fân­cia, e não sa­be­mos tu­do o que ela po­de ge­rar. Ro­gé­rio Su­gai, di­re­tor mé­di­co da Sa­les­for­ce

To­das as ve­zes que vo­cê dá aces­so à informação cor­re­ta a quem pre­ci­sa, vo­cê efe­ti­va­men­te di­mi­nui o nú­me­ro de exa­mes e di­mi­nui a per­da de re­fa­zer al­go que foi fei­to há pou­co tem­po. O gran­de desafio é a in­te­gra­ção da ca­deia. Vo­cê pre­ci­sa dar a informação ade­qua­da pa­ra ca­da pro­fis­si­o­nal de saú­de. Te­re­sa Ve­lo­so, di­re­to­ra téc­ni­ca e de re­la­ci­o­na­men­to com pres­ta­do­res da SulA­mé­ri­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.