Mou­rão e Con­gres­so re­ba­tem Car­los e de­fen­dem de­mo­cra cia

Afir­ma­ção do fi­lho do pre­si­den­te de que transforma­ção do País não ocor­re­rá por vi­as de­mo­crá­ti­cas re­ce­beu crí­ti­cas

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - / JULIA LINDNER, MA­RI­A­NA HAUBERT, DA­NI­EL WETERMAN, CAIO SAR­TO­RI, IANDER PORCELLA, BRU­NO RI­BEI­RO e RA­FA­EL MO­RA­ES MOU­RA

O pre­si­den­te em exer­cí­cio, Ha­mil­ton Mou­rão, e a cú­pu­la do Con­gres­so re­a­gi­ram às de­cla­ra­ções do ve­re­a­dor li­cen­ci­a­do do Rio Car­los Bol­so­na­ro (PSC), que dis­se nas re­des so­ci­ais que “por vi­as de­mo­crá­ti­cas a transforma­ção que o País quer não acon­te­ce­rá na ve­lo­ci­da­de que al­me­ja­mos”. Pa­ra o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), o co­men­tá­rio cau­sa “in­se­gu­ran­ça” nos in­ves­ti­do­res. Na ava­li­a­ção do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEMAP), a fra­se me­re­ce “des­pre­zo”. Mou­rão dis­se que a de­mo­cra­cia é “pi­lar” da so­ci­e­da­de e deve ser for­ta­le­ci­da. O vi­ce afir­mou que, sem de­mo­cra­cia, Jair Bol­so­na­ro não te­ria si­do elei­to. Ex-ministro da Se­cre­ta­ria de Governo, o ge­ne­ral San­tos Cruz es­cre­veu no Twitter que “as bra­va­tas, opor­tu­nis­mos, de­se­qui­lí­bri­os e in­fan­ti­li­da­des são per­fei­ta­men­te iden­ti­fi­ca­das e pre­ci­sam ser re­pu­di­a­das pe­la so­ci­e­da­de”. Após a re­per­cus­são ne­ga­ti­va, Car­los ata­cou a im­pren­sa. “O que jor­na­lis­tas es­pa­lham: Car­los Bol­so­na­ro de­fen­de di­ta­du­ra. Ca­na­lhas!”, es­cre­veu.

O pre­si­den­te em exer­cí­cio, Ha­mil­ton Mou­rão e a cú­pu­la do Con­gres­so re­a­gi­ram on­tem às de­cla­ra­ções do ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro (PSCRJ), que pos­tou men­sa­gem nas re­des di­zen­do que “por vi­as de­mo­crá­ti­cas a transforma­ção que o País quer não acon­te­ce­rá na ve­lo­ci­da­de que al­me­ja­mos”. Pa­ra o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), o co­men­tá­rio cau­sa “in­se­gu­ran­ça” nos in­ves­ti­do­res e, na ava­li­a­ção do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), a fra­se me­re­ce “des­pre­zo”. Mou­rão dis­se que a de­mo­cra­cia é um “pi­lar” da so­ci­e­da­de e deve ser for­ta­le­ci­da.

Mou­rão dis­se que, se não hou­ves­se de­mo­cra­cia, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro não te­ria che­ga­do ao co­man­do do País. “A de­mo­cra­cia é fun­da­men­tal. É um pi­lar da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal. Vou re­pe­tir: pac­to de ge­ra­ções, de­mo­cra­cia, ca­pi­ta­lis­mo e so­ci­e­da­de ci­vil for­te. Sem is­so, a ci­vi­li­za­ção oci­den­tal não exis­te”, afir­mou ele. No di­ag­nós­ti­co de Mou­rão, “é ló­gi­co” que é pos­sí­vel fa­zer mu­dan­ças no País por meio do diá­lo­go com o Con­gres­so. “Te­mos que ne­go­ci­ar com a ra­pa­zi­a­da do ou­tro la­do da Pra­ça (dos Três Po­de­res). É as­sim que fun­ci­o­na. Com cla­re­za, de­ter­mi­na­ção e pa­ci­ên­cia”, acres­cen­tou. Cri­ti­ca­do por Car­los em ou­tras oca­siões, o vi­ce Mou­rão as­su­miu a Pre­si­dên­cia co­mo in­te­ri­no no do­min­go por cau­sa da ci­rur­gia a que Bol­so­na­ro foi sub­me­ti­do.

O ex-ministro da Se­cre­ta­ria de Governo, ge­ne­ral San­tos Cruz, afir­mou que “a de­mo­cra­cia ne­ces­si­ta de aten­ção per­ma­nen­te, equi­lí­brio, de­ci­são, co­ra­gem e lu­ci­dez”. “As bra­va­tas, opor­tu­nis­mos, de­se­qui­lí­bri­os e in­fan­ti­li­da­des são per­fei­ta­men­te iden­ti­fi­ca­das e pre­ci­sam ser re­pu­di­a­das pe­la so­ci­e­da­de”, es­cre­veu ele no Twitter. San­tos Cruz foi exo­ne­ra­do em ju­nho, após atri­tos com o ve­re­a­dor.

O tuí­te de Car­los, pos­ta­do an­te­on­tem, cau­sou pre­o­cu­pa­ção no nú­cleo mi­li­tar do governo por se tra­tar de um mo­men­to em que Bol­so­na­ro en­fren­ta des­gas­te e ten­ta re­cu­pe­rar po­pu­la­ri­da­de. Em­bo­ra au­xi­li­a­res ten­tas­sem des­vi­ar o fo­co da po­lê­mi­ca, o as­sun­to vi­ra­li­zou, e mui­tos as­so­ci­a­ram a fra­se a um “viés au­to­ri­tá­rio” do governo. Se­gun­do au­xi­li­a­res de Bol­so­na­ro, o ve­re­a­dor não pu­bli­ca na­da sem o co­nhe­ci­men­to do pai.

O por­ta-voz da Pre­si­dên­cia, Otá­vio do Rê­go Barros, dis­se on­tem que “o que é tui­ta­do nas re­des so­ci­ais pes­so­ais é de res­pon­sa­bi­li­da­de de quem o fez”.

Con­gres­so. Al­co­lum­bre ma­ni­fes­tou “des­pre­zo” pe­la de­cla­ra­ção de Car­los. “A de­mo­cra­cia es­tá for­ta­le­ci­da, as ins­ti­tui­ções es­tão pu­jan­tes, tra­ba­lhan­do a fa­vor do Brasil”, dis­se o pre­si­den­te do Se­na­do. “En­tão, uma ma­ni­fes­ta­ção ou ou­tra em re­la­ção a es­se en­fra­que­ci­men­to têm da mi­nha par­te o meu des­pre­zo.”

Pa­ra Maia, agen­tes pú­bli­cos pre­ci­sam ter res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o que fa­lam. “É uma de­cla­ra­ção que não ca­be num País de­mo­crá­ti­co. Fra­ses co­mo es­sa de­vem co­la­bo­rar mui­to com a in­se­gu­ran­ça dos em­pre­sá­ri­os bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ros de in­ves­tir no Brasil. A con­ta das nos­sas fra­ses quem pa­ga é o po­vo mais po­bre”, afir­mou. “Ca­da um de nós tem que re­fle­tir e to­mar mui­to cui­da­do com o que diz.”

No plenário da Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP) saiu em defesa do ir­mão. O par­la­men­tar afir­mou que as de­cla­ra­ções “não tem na­da de mais”. “As coi­sas em uma de­mo­cra­cia de­mo­ram por­que exi­gem de­ba­te. Ele fa­lou só is­so. Não te­mos con­di­ções de mu­dar o Brasil na ve­lo­ci­da­de que gos­ta­ría­mos. Por nós, te­ria ou­tra ve­lo­ci­da­de, mas o tem­po do Con­gres­so não é o tem­po da so­ci­e­da­de”, dis­se, sob pro­tes­tos de de­pu­ta­dos de opo­si­ção.

O cli­ma no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral foi de in­dig­na­ção, se­gun­do apu­rou o Es­ta­dão/Bro­ad­cast. In­te­gran­tes da Cor­te fa­la­ram em “de­sa­pre­ço” pe­la de­mo­cra­cia e clas­si­fi­ca­ram a pos­ta­gem co­mo “ab­sur­da”. A ori­en­ta­ção in­ter­na, no en­tan­to, foi pa­ra evi­tar re­ba­ter em pú­bli­co o fi­lho do pre­si­den­te.

O go­ver­na­dor de São Pau­lo, João Do­ria (PSDB), tam­bém co­men­tou o epi­só­dio. “Só com a de­mo­cra­cia é que nós po­de­mos ter um país so­be­ra­no, li­vre e ca­paz de pro­du­zir po­lí­ti­cas so­ci­ais e po­lí­ti­cas econô­mi­cas. Não há ne­nhum ou­tro ca­mi­nho pos­sí­vel pa­ra o País”, dis­se Do­ria du­ran­te co­le­ti­va de im­pren­sa no Pa­lá­cio dos Ban­dei­ran­tes.

Após a re­per­cus­são ne­ga­ti­va, Car­los vol­tou ao Twitter. “Ago­ra vi­rei di­ta­dor”, es­cre­veu, cer­ca de três ho­ras de­pois da pri­mei­ra men­sa­gem. On­tem, ele ten­tou ex­pli­car sua de­cla­ra­ção, em meio a acu­sa­ções e xin­ga­men­tos a jor­na­lis­tas. “O que falei: por vi­as de­mo­crá­ti­cas as coi­sas não mu­dam ra­pi­da­men­te. É um fa­to. Uma jus­ti­fi­ca­ti­va aos que co­bram mu­dan­ças ur­gen­tes. O que jor­na­lis­tas es­pa­lham: Car­los Bol­so­na­ro de­fen­de di­ta­du­ra. Ca­na­lhas!”, es­cre­veu.

Li­cen­ça. Car­los Bol­so­na­ro pe­diu li­cen­ça não re­mu­ne­ra­da da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. O pe­di­do, pu­bli­ca­do no Diá­rio Ofi­ci­al de on­tem, diz que o mo­ti­vo são “as­sun­tos particular­es”. O ve­re­a­dor po­de fi­car au­sen­te por até 120 di­as.

“A de­mo­cra­cia é fun­da­men­tal. É um pi­lar da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal.”

Ha­mil­ton Mou­rão, vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca

DIDA SAM­PAIO/ESTADAO

AN­TO­NIO CRUZ/ AGÊN­CIA BRASIL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.