Sem di­nhei­ro, governo vai usar FGTS no Mi­nha Ca­sa

Por­ta­ria li­be­ra fun­do pa­ra ar­car com 100% da sub­ven­ção pa­ra o pro­gra­ma, que es­tá com obras pa­ra­das; me­di­da deve des­tra­var R$ 26,2 bi­lhões em in­ves­ti­men­tos pa­ra as fai­xas 1,5 e 2, di­re­ci­o­na­das às fa­mí­li­as com ren­da de até R$ 4 mil

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Idiana Tomazelli Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

Por­ta­ria do Mi­nis­té­rio do De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal li­be­rou re­cur­sos do FGTS pa­ra des­tra­var a con­tra­ta­ção de R$ 26,2 bi­lhões em uni­da­des do Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da pa­ra fa­mí­li­as das fai­xas 1,5 e 2 do pro­gra­ma, com ren­da en­tre R$ 1,8 mil e R$ 4 mil. O fun­do po­de­rá res­pon­der por 100% da sub­ven­ção da­da na com­pra do imó­vel. A sub­ven­ção re­sul­ta em des­con­to no va­lor do imó­vel e em ju­ros mais bai­xos ao com­pra­dor.

Com Or­ça­men­to es­tran­gu­la­do e sem re­cur­sos pa­ra ban­car sua par­te nos sub­sí­di­os do Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da, o governo re­cor­reu ao FGTS pa­ra que o fun­do, for­ma­do com os re­cur­sos da pou­pan­ça for­ça­da dos tra­ba­lha­do­res, ban­que a to­ta­li­da­de das sub­ven­ções das fai­xas 1,5 e 2 (des­ti­na­das às fa­mí­li­as com ren­da de até R$ 4 mil). A me­di­da tem po­ten­ci­al de des­tra­var R$ 26,2 bi­lhões em in­ves­ti­men­tos do pro­gra­ma.

Por re­gra, o FGTS pa­ga 90% da sub­ven­ção pa­ra a com­pra do imó­vel, en­quan­to os ou­tros 10% são ban­ca­dos com re­cur­sos da União. O sub­sí­dio é con­ce­di­do por meio de um des­con­to no va­lor da re­si­dên­cia e por ju­ros mais bai­xos do que os pra­ti­ca­dos nas ou­tras li­nhas. Qu­an­do fal­ta re­cur­sos no cai­xa do governo fe­de­ral, po­rém, a União não pa­ga a par­te de­la, o que aca­ba tra­van­do a ope­ra­ção, já que a Cai­xa não au­to­ri­za em­prés­ti­mos só com a par­te do FGTS.

On­tem, o Mi­nis­té­rio de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal (MDR), res­pon­sá­vel pe­lo pro­gra­ma, pu­bli­cou uma por­ta­ria, em edi­ção ex­tra do Diá­rio Ofi­ci­al da União, pa­ra dei­xar ex­plí­ci­to que o FGTS po­de ban­car 100% dos sub­sí­di­os das fai­xas 1,5 e 2 qu­an­do aca­bar o di­nhei­ro da União re­ser­va­do pa­ra es­se fim. “Vá­ri­os em­pre­en­di­men­tos es­tão pron­tos. Is­so vai ati­var a economia, com a in­je­ção de re­cur­sos. O mer­ca­do vai vo­ar”, afir­mou o ministro do De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal, Gus­ta­vo Ca­nu­to.

A me­di­da va­le até o fim de 2019, mas o ministro dis­se que há es­tu­dos pa­ra es­ten­der a ini­ci­a­ti­va pa­ra o ano que vem. Com o aper­to no Or­ça­men­to de 2020, a ava­li­a­ção do ministro é que, se o FGTS pu­der ban­car so­zi­nho os sub­sí­di­os pa­ra as fai­xas su­pe­ri­o­res do pro­gra­ma, so­bra­rão

mais re­cur­sos pa­ra a fai­xa 1, que aten­de fa­mí­li­as com ren­da até R$ 1,8 mil e de­pen­de dos re­cur­sos da União. Co­mo o Es­ta­do mos­trou, há atra­sos no pa­ga­men­to das cons­tru­to­ras, le­van­do à pa­ra­li­sia do pro­gra­ma.

Aler­ta. O governo li­mi­tou a R$ 450 mi­lhões o sub­sí­dio pa­ra as fa­mí­li­as das fai­xas 1,5 e 2 nes­te ano, di­nhei­ro que já aca­bou. Ape­sar de a por­ta­ria an­te­ri­or dei­xar im­plí­ci­ta a pos­si­bi­li­da­de de o FGTS ban­car 100% do sub­sí­dio, o pre­si­den­te da Cai­xa, Pe­dro Gui­ma­rães, aler­tou o ministro de que não po­de­ria li­be­rar as con­tra­ta­ções por fal­ta de se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca pa­ra usar o fun­do no pa­ga­men­to de to­do o sub­sí­dio. Era pre­ci­so uma nor­ma pa­ra dei­xar ex­plí­ci­ta a au­to­ri­za­ção. As con­tra­ta­ções fi­ca­ram em com­pas­so de es­pe­ra até que hou­ves­se uma so­lu­ção pa­ra os 10% da União.

O ministro se reu­niu on­tem com Gui­ma­rães pa­ra fe­char os úl­ti­mos de­ta­lhes do tex­to da por­ta­ria . “Is­so des­tra­va. Já apor­ta­mos os R$ 450 mi­lhões (do li­mi­te), não pre­ci­sa apor­tar mais na­da. A par­tir de ama­nhã (ho­je), a Cai­xa li­be­ra as no­vas con­tra­ta­ções. O mer­ca­do po­de res­pi­rar ali­vi­a­do”, dis­se Ca­nu­to.

Do di­nhei­ro que se­rá li­be­ra­do, R$ 21,3 bi­lhões são em fi­nan­ci­a­men­tos e R$ 4,9 bi­lhões são em sub­sí­di­os às fai­xas 1,5 e 2. Es­ses são os li­mi­tes res­tan­tes den­tro do or­ça­men­to apro­va­do pe­lo Con­se­lho Cu­ra­dor do FGTS pa­ra 2019.

Se­gun­do o ministro, os fi­nan­ci­a­men­tos se­rão li­be­ra­dos por or­dem cro­no­ló­gi­ca. “Quem che­gar pri­mei­ro vai con­se­guir os fi­nan­ci­a­men­tos. As cons­tru­to­ras e in­cor­po­ra­do­ras vão tra­ba­lhar pa­ra con­se­guir”, dis­se.

O im­pac­to na economia se­rá sig­ni­fi­ca­ti­vo, se­gun­do Ca­nu­to, por­que vai me­lho­rar o flu­xo de cai­xa das em­pre­sas do se­tor da cons­tru­ção. Com o ren­di­men­to de um em­pre­en­di­men­to, elas po­de­rão cons­truir no­vas uni­da­des. O MDR es­ti­ma que pa­ra ca­da R$ 1 bi­lhão li­be­ra­do são ge­ra­dos ou man­ti­dos 20 mil pos­tos

de tra­ba­lho. Com a in­je­ção de re­cur­sos pre­vis­ta, se­ri­am 524 mil va­gas.

Pa­ra o FGTS, não ha­ve­rá im­pac­to adi­ci­o­nal. O mes­mo or­ça­men­to já apro­va­do pa­ra as fai­xas 1,5 e 2 vai ban­car a par­ce­la mai­or do sub­sí­dio. Pa­ra is­so, ha­ve­rá ajus­te no nú­me­ro de uni­da­des. A fai­xa 1,5 do pro­gra­ma con­ce­de um sub­sí­dio de até R$ 47,5 mil na com­pra da ca­sa pró­pria. Na fai­xa 2, es­se be­ne­fí­cio é de até R$ 26 mil.

O ministro ad­mi­tiu que a mai­or di­fi­cul­da­de do governo tem si­do ban­car os gas­tos com a fai­xa 1, em que 90% do cus­to do imó­vel é pa­go pe­la União.

DIDA SAM­PAIO/ES­TA­DÃO–13/7/2016

Pa­ra­do. Me­di­da era aguar­da­da pe­lo se­tor da cons­tru­ção ci­vil, que tem imó­veis pron­tos, mas não con­se­gue fe­char con­tra­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.