Fler­te com o gol­pis­mo

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pre­ci­sa di­zer cla­ra­men­te aos bra­si­lei­ros o que pen­sa so­bre a de­cla­ra­ção de seu fi­lho Car­los.

A con­fu­são de enig­má­ti­cas for­mu­la­ções que o ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro fre­quen­te­men­te pu­bli­ca em su­as re­des so­ci­ais, es­pe­ci­al­men­te no Twitter, cos­tu­ma ser mo­ti­vo de tro­ça. No en­tan­to, pou­cas ve­zes o “02” foi tão cla­ro co­mo na se­gun­da-fei­ra pas­sa­da. “Por vi­as de­mo­crá­ti­cas”, es­cre­veu, “a transforma­ção que o Brasil quer não acon­te­ce­rá na ve­lo­ci­da­de que al­me­ja­mos.”

Tra­ta-se, é evi­den­te, de uma gra­vís­si­ma si­na­li­za­ção pa­ra a rup­tu­ra das re­gras do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to – um gol­pe – co­mo úni­co ca­mi­nho pa­ra che­gar à tal “transforma­ção” do País na ve­lo­ci­da­de “al­me­ja­da”, se­ja lá o que is­so sig­ni­fi­que.

No Pa­lá­cio do Pla­nal­to, dois au­xi­li­a­res do pre­si­den­te dis­se­ram ao Es­ta­do que “o que Car­los fa­la não se escreve”. Um ministro de Es­ta­do clas­si­fi­cou a pos­ta­gem do ve­re­a­dor co­mo “uma ma­lu­qui­ce”. É um er­ro fa­zer pou­co-ca­so de tão vil afir­ma­ção. É um er­ro ba­na­li­zar o ab­sur­do. To­das as vo­zes em fa­vor da lei, da li­ber­da­de e da de­mo­cra­cia de­vem se le­van­tar em ho­ras co­mo es­sa.

Faz-se ur­gen­te e ne­ces­sá­ria a ma­ni­fes­ta­ção do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Jair Bol­so­na­ro pre­ci­sa di­zer cla­ra­men­te aos bra­si­lei­ros o que pen­sa so­bre a de­cla­ra­ção de seu fi­lho.

Fos­se qual­quer ama­lu­ca­do pu­bli­can­do seus de­sa­ti­nos li­ber­ti­ci­das na in­ter­net – e os há aos mon­tes –, não ha­ve­ria ra­zões pa­ra pre­o­cu­pa­ção. Mas quem veio a pú­bli­co fler­tar com o gol­pis­mo não foi um qual­quer, foi um dos fi­lhos do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, al­guém que tem aces­so di­re­to a ele e é ou­vi­do a qual­quer ho­ra com es­pe­ci­al aten­ção. É mui­to im­por­tan­te, pois, que o País sai­ba co­mo seu pre­si­den­te re­ce­be a gra­ve as­ser­ti­va de Car­los Bol­so­na­ro.

A de­cla­ra­ção do ve­re­a­dor me­re­ceu o re­pú­dio do pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ). “Fra­ses co­mo es­sa co­la­bo­ram mui­to com a in­se­gu­ran­ça dos em­pre­sá­ri­os bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ros de in­ves­tir no Brasil. A con­ta de nos­sas fra­ses é pa­ga pe­lo po­vo mais po­bre. Ca­da um de nós tem de re­fle­tir e to­mar mui­to cui­da­do com o que diz”, dis­se Maia.

A re­a­ção do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), à fa­la de Car­los Bol­so­na­ro foi no sen­ti­do de for­ta­le­cer a de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va. “No Par­la­men­to bra­si­lei­ro, a de­mo­cra­cia es­tá for­ta­le­ci­da. As ins­ti­tui­ções es­tão pu­jan­tes, tra­ba­lhan­do a fa­vor do Brasil. En­tão, uma ma­ni­fes­ta­ção ou ou­tra em re­la­ção a es­se en­fra­que­ci­men­to tem de mi­nha par­te o des­pre­zo”, dis­se Al­co­lum­bre qu­an­do per­gun­ta­do so­bre a afir­ma­ção de Car­los.

O pre­si­den­te em exer­cí­cio, Ha­mil­ton Mou­rão, tam­bém veio a pú­bli­co afir­mar que “a de­mo­cra­cia é fun­da­men­tal” e que há de se “ne­go­ci­ar com a ra­pa­zi­a­da do ou­tro la­do da Pra­ça (dos Três Po­de­res). É as­sim que fun­ci­o­na (no re­gi­me de­mo­crá­ti­co ). Com cla­re­za, de­ter­mi­na­ção e mui­ta pa­ci­ên­cia”.

As ma­ni­fes­ta­ções das três au­to­ri­da­des fo­ram mui­to im­por­tan­tes pa­ra re­as­se­gu­rar que há gen­te res­pon­sá­vel em Bra­sí­lia, ci­o­sa do po­der que têm su­as ações e pa­la­vras. Os va­lo­res do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to pre­ci­sam ser de­fen­di­dos a to­do tem­po, a qual­quer pre­ço. Um gol­pe con­tra as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas não dei­xa de ser ab­je­to só por­que não foi le­va­do a ca­bo. A sua sim­ples su­ges­tão é um ca­so de le­sa-pá­tria.

Di­an­te da re­per­cus­são ne­ga­ti­va de sua de­cla­ra­ção – não sem ra­zão –, Car­los Bol­so­na­ro veio a pú­bli­co di­zer que sua in­ten­ção foi acal­mar quem exi­ge do governo fe­de­ral ra­pi­dez na mu­dan­ça nos ru­mos do País, en­fa­ti­zan­do que, “por vi­as de­mo­crá­ti­cas”, tais mu­dan­ças de­mo­ram a pro­du­zir re­sul­ta­dos. Fal­tou ex­pli­car que mu­dan­ças são es­sas e quem as al­me­ja. Ao fim e ao ca­bo, a cul­pa, co­mo de há­bi­to, re­caiu so­bre os jor­na­lis­tas “ca­na­lhas”, in­ca­pa­zes de in­ter­pre­tar cor­re­ta­men­te o que quis di­zer o ve­re­a­dor. A men­sa­gem, no en­tan­to, foi bem cla­ra. Car­los Bol­so­na­ro é ti­do co­mo exí­mio ma­ni­pu­la­dor das re­des so­ci­ais. Sa­bia de an­te­mão da gra­vi­da­de do que es­cre­ve­ria e da re­per­cus­são que sua fa­la te­ria nas hos­tes bol­so­na­ris­tas na in­ter­net.

A fa­mí­lia Bol­so­na­ro nun­ca foi par­ti­cu­lar­men­te co­nhe­ci­da por sua defesa da li­ber­da­de e dos va­lo­res de­mo­crá­ti­cos. Por es­sa ra­zão, é im­pres­cin­dí­vel que o pa­tri­ar­ca, ain­da no hos­pi­tal, fa­ça os de­vi­dos re­pa­ros ao fi­lho pa­ra que não pai­rem dú­vi­das so­bre o des­ti­no que pre­ten­de dar a seu governo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.