‘Bolton já foi tar­de’, diz em­bai­xa­dor

Di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro te­ve man­da­to abre­vi­a­do em agên­cia de con­tro­le de ar­mas quí­mi­cas após pres­são de Bolton

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Re­na­ta Tran­ches

Des­ti­tuí­do de agên­cia de con­tro­le de ar­mas quí­mi­cas após pres­são de John Bolton, o di­plo­ma­ta Jo­sé Maurício Bus­ta­ni diz que de­mis­são do as­ses­sor de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal por Trump cor­ri­ge equí­vo­co.

O di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro apo­sen­ta­do Jo­sé Maurício Bus­ta­ni co­nhe­ce bem John Bolton. “Ele já foi tar­de”, diz. Elei­to em 1997 e re­e­lei­to em 2000 pa­ra a pre­si­dên­cia da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Proi­bi­ção de Ar­mas Quí­mi­cas (Opaq), Bus­ta­ni foi re­ti­ra­do do car­go após uma du­ra cam­pa­nha do governo de Ge­or­ge W. Bush, ten­do à fren­te Bolton, um dos ar­qui­te­tos da Guerra do Ira­que.

Bolton, com ou­tros as­ses­so­res de Bush, ti­nha a mis­são de con­ven­cer o mun­do de que Sad­dam Hus­sein ti­nha ar­mas de des­trui­ção em mas­sa, mas a in­ten­ção de Sad­dam de ade­rir à Con­ven­ção das Ar­mas Quí­mi­cas di­fi­cul­ta­va o ar­gu­men­to. Após uma con­ven­ção con­vo­ca­da pe­los EUA e uma in­ten­sa pres­são exer­ci­da so­bre a or­ga­ni­za­ção, Bus­ta­ni aca­bou des­ti­tuí­do, no pri­mei­ro afas­ta­men­to na his­tó­ria da ONU de um di­re­tor em meio de man­da­to. A se­guir, tre­chos da entrevista que ele con­ce­deu ao Es­ta­do.

Co­mo foi sua ex­pe­ri­ên­cia com Bolton?

Foi trau­má­ti­ca. Es­se ho­mem foi me vi­si­tar lá em Haia (se­de da Opaq), uma his­tó­ria que es­tá sen­do con­ta­da em um do­cu­men­tá­rio do ci­ne­as­ta Jo­sé Jof­fily. Ele che­gou na mi­nha sa­la, me ame­a­çou, me deu 24 ho­ras pa­ra aban­do­nar a or­ga­ni­za­ção e ame­a­çou mi­nha fa­mí­lia. Dis­se que sa­bia on­de mo­ra­vam os meus fi­lhos, que iri­am atrás de­les. Foi de uma vi­o­lên­cia iné­di­ta.

Foi uma des­ti­tui­ção iné­di­ta?

Nun­ca hou­ve is­so, tan­to que re­cor­ri à Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Tra­ba­lho e ga­nhei a cau­sa. Ho­je, não se po­de mais me­xer com ne­nhum di­re­tor de or­ga­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal. Eu era o pri­mei­ro bra­si­lei­ro di­re­tor de um or­ga­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal. O se­gun­do é o da OMC (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio, Ro­ber­to Aze­vê­do).

Qu­al sua ava­li­a­ção so­bre a ida de­le pa­ra o governo Trump e, ago­ra, sua saí­da?

A ida de­le pa­ra o governo Trump foi um equí­vo­co. Tal­vez com o dis­cur­so de cam­pa­nha de Trump fi­zes­se sen­ti­do ter Bolton co­mo con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, por­que era um dis­cur­so ma­chis­ta e be­li­co­so. Co­mo aqui te­mos a “ban­ca­da da ba­la”, lá Bolton era par­te da “ban­ca­da da bom­ba”. É um ho­mem que só re­sol­ve os pro­ble­mas com agres­são, guerra e ata­que. Vá­ri­as ve­zes, ele ins­ti­gou a ques­tão do Ira­que. Ele que­ria mui­to que Trump fi­zes­se a mes­ma coi­sa com o Irã. Ele já foi tar­de. Gos­ta­ria que ele ti­ves­se si­do de­mi­ti­do an­tes.

O que mo­ti­vou a de­mis­são?

Tem de se pen­sar que Trump es­tá em cam­pa­nha pa­ra a re­e­lei­ção. E um dos fa­to­res que são im­por­tan­tes na cam­pa­nha é o es­fa­ce­la­men­to do Par­ti­do De­mo­cra­ta nos EUA. Trump não es­tá in­te­res­sa­do em pro­vo­car ne­nhum ti­po de con­fli­to ar­ma­do ago­ra, coi­sa que o Bolton gos­ta­ria mui­to de fa­zer. Bolton boi­co­tou to­da a ne­go­ci­a­ção no Afe­ga­nis­tão, por exem­plo. Não é es­sa a agen­da do Trump, que es­tá pre­o­cu­pa­do em en­fra­que­cer o Par­ti­do De­mo­cra­ta com su­as fra­gi­li­da­des in­ter­nas. Eu já es­pe­ra­va que ele o de­mi­tis­se.

Por quê?

Bolton é sem­pre de­mi­ti­do, afas­ta­do do po­der. É uma cons­tan­te. Acho mui­to tris­te que nos­so governo não te­nha sa­bi­do ava­li­ar, há oi­to me­ses, o va­lor de Bolton no governo Trump. Ele já era fra­co na­que­le mo­men­to. Não sou em­bai­xa­dor em Washing­ton, mas co­nhe­ço e já sen­tia que Bolton era uma fi­gu­ra vul­ne­rá­vel. Mas ele foi tra­ta­do com ta­pe­te ver­me­lho, in­fe­liz­men­te, pe­lo nos­so governo, ex­pu­se­ram o pre­si­den­te Bol­so­na­ro a ele inu­til­men­te. Bolton era uma pes­soa des­car­tá­vel e se­ria dis­pen­sa­da even­tu­al­men­te. Foi uma fal­ta de ava­li­a­ção do Ita­ma­raty de se per­ce­ber is­so.

Co­mo fi­ca o Brasil com a saí­da?

Pa­ra o Brasil, não mu­da mui­to, por­que a li­ga­ção um­bi­li­cal que es­se governo tem com Washing­ton é um er­ro. Não sou con­tra ter uma re­la­ção ma­ra­vi­lho­sa com os EUA. É um par­cei­ro ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te. Mas é pre­ci­so ter es­pí­ri­to crí­ti­co. Tem Eu­ro­pa, Chi­na, vá­ri­os par­cei­ros políticos e co­mer­ci­ais im­por­tan­tís­si­mos. Não se po­de se­le­ci­o­nar ape­nas um país.

Quem po­de­rá subs­ti­tuí-lo?

Bolton foi um er­ro. Se Trump te­ve a cla­re­za de de­mi­ti-lo, ele não co­lo­ca­rá ne­nhu­ma pes­soa da “ban­ca­da da bom­ba” no lu­gar. Deve co­lo­car al­guém mais sen­sa­to. Ti­ve­mos (Brasil) o equí­vo­co de tra­tar es­se se­nhor co­mo tra­ta­mos. Es­pe­ro que es­ses equí­vo­cos se­jam sa­na­dos da­qui pa­ra fren­te.

O sr. acha que Bolton im­pe­dia Trump de ne­go­ci­ar co­mo o Irã?

O Irã es­ta­va se­guin­do o pac­to sob o con­tro­le da agên­cia atô­mi­ca e es­ta­va tu­do bem. Trump in­ter­rom­peu es­se acor­do, o que foi um er­ro. Os eu­ro­peus es­tão tra­ba­lhan­do in­ten­sa­men­te, por­que in­te­res­sa ao mun­do que se con­si­ga man­ter a si­tu­a­ção do Irã sob con­tro­le. Mas Bolton não que­ria ou­tra coi­sa a não ser le­var até as úl­ti­mas con­sequên­ci­as a ques­tão do Irã. Ele tem uma ob­ses­são enor­me com o Ori­en­te Mé­dio, des­de o Ira­que. Fi­co mui­to con­ten­te que ele te­nha ido em­bo­ra. Es­pe­ro que ve­nha um mo­men­to de cal­ma e tal­vez de um acer­to que a União Eu­ro­peia es­tá que­ren­do fa­zer com os ame­ri­ca­nos em re­la­ção à ques­tão ira­ni­a­na.

PAU­LO NICOLELLA / AG. O GLOBO–4/4/2018

Di­plo­ma­cia. Jo­sé Maurício Bus­ta­ni: cho­que com Bolton

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.