Efei­to Ama­zon.

B2W, Via Va­re­jo, Ame­ri­ca­nas e Ma­ga­zi­ne Lui­za des­pen­cam na Bol­sa após lan­ça­men­to do ser­vi­ço de fi­de­li­za­ção Ama­zon Pri­me no País

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Flá­via Ale­mi Re­na­to Car­va­lho Wag­ner Go­mes

Es­treia de ser­vi­ço de gi­gan­te ame­ri­ca­na faz em­pre­sas va­re­jis­tas per­de­rem R$ 5 bi­lhões.

A che­ga­da ao Brasil do ser­vi­ço Ama­zon Pri­me, da gi­gan­te ame­ri­ca­na de e-com­mer­ce, agi­tou o mer­ca­do fi­nan­cei­ro bra­si­lei­ro on­tem, cas­ti­gan­do as ações das va­re­jis­tas bra­si­lei­ras, que per­de­ram em um só dia mais de R$ 5 bi­lhões em va­lor de mer­ca­do na B3, a Bol­sa pau­lis­ta. O “efei­to Ama­zon” le­vou o mer­ca­do bra­si­lei­ro a uma que­da de 0,14% no dia, após qua­tro pre­gões con­se­cu­ti­vos de al­ta. Em­bo­ra a Ama­zon es­te­ja pre­sen­te no Brasil des­de 2012, mui­ta gen­te acre­di­ta que o lan­ça­men­to do Ama­zon Pri­me – um ser­vi­ço que in­clui, por R$ 9,90, fre­te grá­tis em com­pras e aces­so a ser­vi­ços de stre­a­ming de ví­deo, lei­tu­ra e de mú­si­ca, en­tre ou­tras van­ta­gens – é a apos­ta de­fi­ni­ti­va do si­te no Brasil.

A com­bi­na­ção de en­tre­ga grá­tis e stre­a­ming re­pre­sen­ta uma di­fe­ren­ci­a­ção cla­ra pa­ra o con­su­mi­dor. Ho­je, o ser­vi­ço Pri­me da Ame­ri­ca­nas.com, por exem­plo, cus­ta R$ 79,90 por ano e ga­ran­te ape­nas a en­tre­ga sem cus­to.

Co­mo re­sul­ta­do des­sa van­ta­gem per­ce­bi­da em re­la­ção às ri­vais, as ações das prin­ci­pais ri­vais da Ama­zon fo­ram for­te­men­te cas­ti­ga­das pe­los in­ves­ti­do­res. On­tem, o Ma­ga­zi­ne Lui­za pu­xou as bai­xas, com per­das de 4,97% no pre­gão, se­gui­da por B2W (do­na de Sub­ma­ri­no e Ame­ri­ca­nas.com, com que­da de 4,83%), Via Va­re­jo (3,28%) e Lo­jas Ame­ri­ca­nas (3,2%).

O ban­co Gold­man Sa­chs, em re­la­tó­rio, dis­se acre­di­tar que as con­cor­ren­tes bra­si­lei­ras pre­ci­sa­rão de­mons­trar fle­xi­bi­li­da­de e in­ves­tir pa­ra de­fen­der sua po­si­ção no mer­ca­do fren­te à gi­gan­te ame­ri­ca­na.

“Ain­da que a com­pa­nhia não re­ve­le da­dos de re­cei­ta no País, nós es­pe­ra­mos que o si­te es­te­ja en­tre os dez prin­ci­pais do mer­ca­do de e-com­mer­ce do Brasil”, es­cre­ve­ram os ana­lis­tas Ir­ma Sgarz e Thi­a­go Bor­to­luc­ci.

O me­do tem ra­zão de ser, de acor­do com Ro­dri­go Barros, ana­lis­ta da Nec­ton In­ves­ti­men­tos. O re­ceio é que, com as van­ta­gens ofe­re­ci­das aos cli­en­tes e pre­ços com­pe­ti­ti­vos, a em­pre­sa use seu po­der econô­mi­co pa­ra ga­nhar mer­ca­do e “que­brar” as con­cor­ren­tes. “A Ama­zon es­tá en­tran­do em um ca­mi­nho de fi­de­li­za­ção de cli­en­tes e de stre­a­ming. É o pri­mei­ro pas­so pa­ra cres­cer.”

Ce­ti­cis­mo. Mas nem to­do mun­do pen­sa que o ca­mi­nho da Ama­zon se­rá tão fá­cil. Ana­lis­tas do Bra­des­co BBI acre­di­tam que a Ama­zon te­rá di­fi­cul­da­des pa­ra ga­nhar espaço no e-com­mer­ce do Brasil.

“Se­ten­ta por cen­to do mer­ca­do es­tá nas mãos de qua­tro par­ti­ci­pan­tes. Is­so tor­na a Ama­zon uma no­va­ta num mer­ca­do já al­ta­men­te con­so­li­da­do”, es­cre­ve­ram os ana­lis­tas Richard Cath­cart e He­le­na Vil­la­res, em re­la­tó­rio.

Já Luis Sales, ana­lis­ta da Gui­de In­ves­ti­men­tos, dis­se que o lan­ça­men­to do Ama­zon Pri­me no Brasil na­tu­ral­men­te ame­dron­ta as con­cor­ren­tes no cur­to pra­zo, mas ele achou o mo­vi­men­to de ven­da dos pa­péis das va­re­jis­tas lo­cais exa­ge­ra­do.

“O mer­ca­do sem­pre tem me­do da Ama­zon, que afe­ta as con­cor­ren­tes qu­an­do ela mos­tra que es­tá en­tran­do no Brasil. Há um re­ceio do que a em­pre­sa po­de­rá tra­zer ao País em ter­mos de ser­vi­ços. Mas con­fes­so que acho um mo­vi­men­to um pou­co exa­ge­ra­do”, dis­se Sales.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.