Novo iPho­ne

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Bru­no Ca­pe­las Bru­no Ro­ma­ni Gi­o­van­na Wolf

Ap­ple mu­da es­tra­té­gia pa­ra dei­xar ce­lu­lar com ‘ca­ra de mais ba­ra­to’.

Em ano de al­tos e bai­xos, após ba­ter US$ 1 tri­lhão em va­lor de mer­ca­do e so­frer com bai­xas ven­das de seu prin­ci­pal pro­du­to, em­pre­sa al­te­ra es­tra­té­gia pa­ra dei­xar ce­lu­lar com ‘ca­ra de mais ba­ra­to’; com­pa­nhia tam­bém trou­xe bo­as no­vi­da­des na área de ser­vi­ços

Co­mo já vi­rou tra­di­ção no mun­do da tec­no­lo­gia, a Ap­ple lan­ça no­vos mo­de­los de iPho­ne na pri­mei­ra quin­ze­na de se­tem­bro. On­tem não foi di­fe­ren­te: em even­to em sua se­de na Ca­li­fór­nia, a em­pre­sa exi­biu ao mun­do seus três pró­xi­mos ce­lu­la­res. São os iPho­nes 11, 11 Pro e 11 Pro Max, com pre­ços que co­me­çam em US$ 700, US$ 1 mil e US$ 1,1 mil nos EUA – lá, as ven­das co­me­çam no dia 20. Ao ‘Es­ta­do’, a Ap­ple con­fir­mou que os três apa­re­lhos “che­gam ao Brasil ain­da es­te ano”, sem da­ta ou pre­ço es­pe­cí­fi­co. Mas, ao con­trá­rio do que o mer­ca­do se acos­tu­mou a ver, os três apa­re­lhos tra­zem ino­va­ções dis­cre­tas e um po­si­ci­o­na­men­to de mar­ca que re­fle­te os úl­ti­mos me­ses da Ap­ple.

A em­pre­sa li­de­ra­da por Tim Co­ok tem vi­vi­do al­tos e bai­xos: em agos­to de 2018, ba­teu US$ 1 tri­lhão em va­lor de mer­ca­do com as bo­as ven­das do iPho­ne. No iní­cio des­te ano, viu a fes­ta vi­rar res­sa­ca qu­an­do os al­tos pre­ços do apa­re­lho no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal re­sul­ta­ram em bai­xas ven­das de seu apa­re­lho e que­da das ações na Bol­sa.

A pri­mei­ra res­pos­ta a is­so foi re­du­zir a de­pen­dên­cia da em­pre­sa do iPho­ne, que che­ga a ter dois ter­ços da re­cei­ta da Ap­ple, lan­çan­do no­vos ser­vi­ços de ví­deo e de jo­gos (ler mais abai­xo). A se­gun­da res­pos­ta vem ago­ra, com uma no­va iden­ti­da­de de mar­ca no iPho­ne 11.

“An­tes, a Ap­ple lan­ça­va um iPho­ne pa­drão e ou­tro mais ba­ra­to. Ago­ra, é di­fe­ren­te: há um iPho­ne pa­drão, o 11, e ou­tro pa­ra pro­fis­si­o­nais, com re­cur­sos avan­ça­dos”, diz Edu­ar­do Pel­lan­da, pro­fes­sor da PUC-RS. “Além dis­so, há ver­sões an­ti­gas de iPho­ne que ago­ra cus­tam US$ 450 nos EUA, o que é um

pre­ço bas­tan­te com­pe­ti­ti­vo pa­ra mui­tos usuá­ri­os, mes­mo pa­ra um apa­re­lho an­ti­go.”

É al­go que foi en­fa­ti­za­do pe­lo vi­ce-pre­si­den­te de mar­ke­ting da Ap­ple, Phil Schil­ler, na apre­sen­ta­ção. “É a pri­mei­ra vez que cha­ma­mos um iPho­ne de Pro, e não fa­ze­mos is­so à toa: ele é re­al­men­te pa­ra usuá­ri­os mui­to exi­gen­tes.” Evo­lu­ções. Em ter­mos de es­pe­ci­fi­ca­ções, não há gran­des no­vi­da­des: o iPho­ne 11, mais ba­ra­to, traz te­la de 6,1 po­le­ga­das de LCD, de qua­li­da­de in­fe­ri­or às te­las de OLED, pre­sen­te nos mo­de­los mais ca­ros. O iPho­ne 11 Pro tem 5,8 po­le­ga­das de te­la; já o iPho­ne 11 Pro Max tem 6,5 po­le­ga­das.

Mas há du­as gran­des evo­lu­ções nos no­vos iPho­nes. A prin­ci­pal de­las é o pro­ces­sa­men­to: o novo chip da em­pre­sa pro­me­te ser mais rá­pi­do que os ri­vais e, ao mes­mo tem­po, mais econô­mi­co em ter­mos de con­su­mo de ba­te­ria. “É uma ques­tão tec­no­ló­gi­ca: se não há evo­lu­ção de ener­gia ou no ta­ma­nho da ba­te­ria, o smartpho­ne pre­ci­sa se tor­nar mais efi­ci­en­te”, ava­lia Re­na­to Fran­zin, pro­fes­sor da USP.

É gra­ças ao novo chip tam­bém que a Ap­ple po­de tra­zer no­vi­da­des na área de pro­ces­sa­men­to de ima­gens. É al­go téc­ni­co, mas que po­de re­sul­tar em fo­to­gra­fi­as mais bo­ni­tas. Há evo­lu­ção tam­bém na câ­me­ra – os mo­de­los Pro tra­zem três len­tes di­fe­ren­tes, ca­paz de ti­rar fotos tan­to com zo­om quan­to com gran­de am­pli­tu­de de cam­po. Já o iPho­ne 11 tem du­as len­tes, mas os três apa­re­lhos tra­zem ain­da um mo­do de fotos pa­ra a noi­te. “Não são coi­sas exa­ta­men­te no­vas, já fo­ram fei­tas por ri­vais co­mo Sam­sung, Go­o­gle e Hu­awei, mas a Ap­ple traz is­so tu­do em uma ex­pe­ri­ên­cia mais in­te­res­san­te”, afir­ma Pel­lan­da, da PUC-RS.

As du­as áre­as são uns dos pou­cos cam­pos em que a Ap­ple po­de ino­var so­zi­nha no smartpho­ne, sem de­pen­der de uma ca­deia de for­ne­ce­do­res – ho­je, as te­las do iPho­ne são fei­tas pe­la Sam­sung; já o sen­sor de ima­gem é da Sony. “A em­pre­sa bus­ca se des­ta­car on­de tem o do­mí­nio da tec­no­lo­gia den­tro de ca­sa”, diz o pro­fes­sor da PUC-RS. “O que se viu não foi na­da re­vo­lu­ci­o­ná­rio, mas mos­tra evo­lu­ção.”

JUS­TIN SULLIVAN/AFP

JUS­TIN SULLIVAN/AFP

Mais fo­co. Prin­ci­pal ino­va­ção do novo iPho­ne 11 Pro são as câ­me­ras de três len­tes – gran­de an­gu­lar, an­gu­lar e te­le­ob­je­ti­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.