FAR­MÁ­CI­AS FA­ZEM PAR­TE DA TRANSFORMA­ÇÃO DI­GI­TAL NA SAÚ­DE

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Os da­dos ain­da são pou­co tra­ba­lha­dos na área de saú­de no Brasil por cau­sa, prin­ci­pal­men­te, da fal­ta de in­te­gra­ção dos sis­te­mas do governo com os de ou­tros seg­men­tos – pro­ces­so que vem sen­do tra­ta­do co­mo pri­o­ri­da­de no Mi­nis­té­rio da Saú­de, as­se­gu­rou Araú­jo. As far­má­ci­as cer­ta­men­te têm uma gran­de con­tri­bui­ção a dar tam­bém nes­se as­pec­to: só as 25 re­des fi­li­a­das à Abra­far­ma, res­pon­sá­veis por 45% das ven­das do se­tor no Brasil, emi­tem 950 mi­lhões de cu­pons fis­cais por ano – é co­mo se to­da a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra pas­sas­se qua­tro ve­zes por ano por es­ses es­ta­be­le­ci­men­tos.

O pro­fes­sor de ge­né­ti­ca e ci­ên­ci­as genô­mi­cas Jo­el Du­dley, vi­ce-pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da área de Saú­de de Pre­ci­são do Mount Si­nai Hos­pi­tal, de No­va York, de­mons­trou co­mo o big da­ta já po­de re­vo­lu­ci­o­nar a saú­de. O hos­pi­tal tem um ban­co de da­dos bi­o­ló­gi­cos de 80 mil pa­ci­en­tes que con­cor­da­ram em for­ne­cer to­das as su­as in­for­ma­ções mé­di­cas, co­le­ta­das ao lon­go dos anos. O cru­za­men­to in­ten­si­vo de da­dos e a apli­ca­ção de al­go­rit­mos de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al per­mi­ti­ram iden­ti­fi­car a mai­or pro­pen­são des­ses pa­ci­en­tes a de­ter­mi­na­das do­en­ças. “Já che­ga­mos ao pon­to de es­ti­mar, com al­to ní­vel de acer­to, quais pa­ci­en­tes po­de­ri­am apre­sen­tar do­en­ças co­mo di­a­be­tes ou câncer den­tro dos 90 di­as se­guin­tes”, des­cre­ve Du­dley. “Pre­ci­sa­mos im­plan­tar a cul­tu­ra da pre­ven­ção ”, con­cor­dou Dráu­zio Va­rel­la na pa­les­tra de en­cer­ra­men­to do even­to. “E pre­ven­ção se faz ata­can­do a aten­ção pri­má­ria. Nes­se sen­ti­do, não pa­re­ce ra­zoá­vel con­ti­nu­ar des­per­di­çan­do o gran­de po­ten­ci­al das far­má­ci­as e dos far­ma­cêu­ti­cos, um pessoal al­ta­men­te pre­pa­ra­do que mui­tas ve­zes fi­ca ape­nas dis­pen­san­do re­mé­dio.” Por ou­tro la­do, num ce­ná­rio em que te­mas co­mo in­ter­net das coi­sas, te­le­me­di­ci­na, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, exa­mes au­to­ma­ti­za­dos, re­a­li­da­de vir­tu­al e re­a­li­da­de au­men­ta­da en­tra­rão pa­ra va­ler na pau­ta do se­tor, os far­ma­cêu­ti­cos cer­ta­men­te pre­ci­sam vol­tar aos es­tu­dos. A Abra­far­ma tem con­tri­buí­do pa­ra is­so com um am­plo pro­gra­ma de ca­pa­ci­ta­ção, com cur­sos pre­sen­ci­ais e on­li­ne que já con­tem­pla­ram qua­se 40% dos far­ma­cêu­ti­cos atu­an­tes nos 7.800 es­ta­be­le­ci­men­tos afi­li­a­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.