CHE­GA­DA

Ace­le­ra­do­ra Plug and Play abre es­cri­tó­rio em SP

O Estado de S. Paulo - - Economia - Gi­o­van­na Wolf

In­ves­ti­do­ra de Go­o­gle e Rap­pi, em­pre­sa do Va­le abri­rá dois pro­gra­mas em 2020; lis­ta de par­cei­ros tem Cla­ro, Elo e Su­za­no

O Tio Sam es­tá que­ren­do co­nhe­cer as nos­sas star­tups: a Plug and Play, uma das prin­ci­pais ace­le­ra­do­ras do Va­le do Si­lí­cio, inau­gu­ra na pró­xi­ma se­ma­na seu pri­mei­ro es­cri­tó­rio no Brasil. In­ves­ti­do­ra ini­ci­al de em­pre­sas co­mo Go­o­gle, Drop­box e Rap­pi, a ame­ri­ca­na fez um apor­te de US$ 2 mi­lhões pa­ra abrir sua se­de em São Pau­lo. Por aqui, a em­pre­sa pre­ten­de mos­trar sua me­to­do­lo­gia pa­ra co­nec­tar as star­tups no­va­tas e gran­des cor­po­ra­ções – de saí­da, o pro­je­to já con­ta com cin­co par­cei­ros: a em­pre­sa de ser­vi­ços fi­nan­cei­ros Elo, a ope­ra­do­ra Cla­ro, a co­o­pe­ra­ti­va de cré­di­to Si­co­ob Uni­co­ob e as in­dús­tri­as Kla­bin e Su­za­no. Jun­tas, as cin­co par­cei­ras aju­da­rão a Plug and Play a de­sen­vol­ver seus dois pri­mei­ros pro­gra­mas de ace­le­ra­ção no País, agen­da­dos pa­ra co­me­çar em mar­ço de 2020. Um se­rá des­ti­na­do às

fin­te­chs (star­tups fi­nan­cei­ras), um dos se­to­res de mai­or des­ta­que no ecos­sis­te­ma bra­si­lei­ro. O ou­tro te­rá fo­co nas fo­od­te­chs e

agri­te­chs (star­tups de ali­men­ta­ção e agrí­co­las, res­pec­ti­va­men­te), en­vol­ven­do tam­bém a ca­deia de su­pri­men­tos e em­ba­la­gens des­ses ne­gó­ci­os.

A me­ta é im­pul­si­o­nar 30 em­pre­sas du­ran­te três me­ses, em ati­vi­da­des que com­pre­en­dem men­to­ria e con­ta­to com in­ves­ti­do­res. A Plug and Play po­de in­ves­tir em al­gu­mas star­tups ace­le­ra­das, após o fim do pro­gra­ma.

“Fo­ca­mos nes­ses se­to­res por­que sa­be­mos que o Brasil con­cen­tra mui­ta tec­no­lo­gia na área fi­nan­cei­ra e por­que ali­men­ta­ção e agri­cul­tu­ra re­pre­sen­tam gran­de par­te da economia lo­cal”, ex­pli­ca An­drea San­chez, di­re­to­ra da área de fin­te­chs da Plug and Play, ao Es­ta­do. Se­gun­do ela, a aten­ção do es­cri­tó­rio lo­cal não vai se li­mi­tar ape­nas às em­pre­sas bra­si­lei­ras, mas de to­da a Amé­ri­ca do Sul– a filial pau­lis­ta­na é a pri­mei­ra da ace­le­ra­do­ra na re­gião, em­bo­ra a Plug and Play já te­nha mais de 25 se­des es­pa­lha­das pe­lo mun­do.

Pro­xi­mi­da­de. O que não sig­ni­fi­ca que o ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro se­ja to­tal­men­te des­co­nhe­ci­do pa­ra a Plug and Play: há al­guns anos, a ace­le­ra­do­ra vem atu­an­do em par­ce­ri­as com em­pre­sas da­qui. É o ca­so do hos­pi­tal Al­bert Eins­tein ou do Ban­co do Brasil, que já pro­cu­ra­ram a con­sul­to­ria da em­pre­sa di­re­ta­men­te no Va­le do Si­lí­cio.

A ideia de abrir um es­cri­tó­rio no País sur­giu após es­se con­ta­to. “Nos úl­ti­mos anos, ti­ve­mos sinais de que al­go es­ta­va acon­te­cen­do por aí”, diz An­drea. Em abril, a ace­le­ra­do­ra re­a­li­zou um even­to na ca­pi­tal pau­lis­ta pa­ra iden­ti­fi­car o in­te­res­se do ecos­sis­te­ma por seus ser­vi­ços. A oca­sião reu­niu mais de 300 pes­so­as.

A ace­le­ra­do­ra tam­bém já in­ves­tiu em cer­ca de 40 em­pre­sas bra­si­lei­ras – o ca­so mais co­nhe­ci­do é o da Log­bee, que oferece so­lu­ções de lo­gís­ti­ca pa­ra o Ma­ga­zi­ne Lui­za. Com o novo es­cri­tó­rio, a me­ta é tam­bém am­pli­ar es­sa fren­te: há pla­nos de fa­zer apor­tes em 20 star­tups lo­cais, ain­da em es­tá­gio ini­ci­al de de­sen­vol­vi­men­to, até o fim de 2020. Não é pre­ci­so ter si­do ace­le­ra­da pe­la Plug and Play pa­ra re­ce­ber apor­tes. “Bus­ca­mos ter no má­xi­mo 1% de par­ti­ci­pa­ção nas em­pre­sas em que in­ves­ti­mos. Não qu­e­re­mos in­ter­vir no que as star­tups es­tão fa­zen­do, até pa­ra evi­tar con­fli­tos com os par­cei­ros”, afir­ma a exe­cu­ti­va.

A em­pre­sa quer ain­da trans­for­mar seu es­cri­tó­rio em um espaço aber­to pa­ra os em­pre­en­de­do­res: com 600 m², o espaço é lo­ca­li­za­do na Vi­la Olím­pia, per­to do cen­tro de ino­va­ção Cu­bo, do Itaú, e da se­de de star­tups de gran­de por­te co­mo Gym­pass e Cre­di­tas. A me­ta da Plug and Play é que ele se­ja vi­si­ta­do por qual­quer pes­soa in­te­res­sa­da no am­bi­en­te de ino­va­ção. “Qu­e­re­mos um am­bi­en­te le­ve. Nos­sa me­ta é cons­truir uma co­mu­ni­da­de e fa­zer com que as pes­so­as se sin­tam no Va­le do Si­lí­cio”, diz An­drea.

Pa­ra Ra­fa­el Ri­bei­ro, di­re­tor exe­cu­ti­vo da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Star­tups (ABS­tar­tups), a vin­da ofi­ci­al da Plug and Play pa­ra o Brasil é mais um si­nal do ama­du­re­ci­men­to do ecos­sis­te­ma lo­cal. “É um cír­cu­lo vir­tu­o­so: in­ves­ti­men­tos de gran­des em­pre­sas, co­mo o SoftBank, dão vi­si­bi­li­da­de e in­cen­ti­vam que ou­tros no­mes do mer­ca­do en­trem no País”, ava­lia, em re­fe­rên­cia ao gru­po ja­po­nês, que abriu es­te ano um fun­do de US$ 5 bi pa­ra star­tups la­ti­nas.

Par­ce­ri­as. Fun­da­da em 2006, a Plug and Play já ace­le­rou mais de 2 mil star­tups em to­do o mun­do – a mai­or par­te de­las en­con­tra­das em pro­gra­mas de conexão en­tre star­tups e cor­po­ra­ções, fa­zen­do uma pon­te en­tre quem bus­ca ven­der e es­tar em con­ta­to com ino­va­ção. Mais de 300 em­pre­sas em to­do o mun­do já bus­ca­ram par­ce­ri­as com a ace­le­ra­do­ra, no­mes co­mo Co­ca-Co­la, Car­re­four e Ama­zon. A ideia de tra­zer es­sa opor­tu­ni­da­de pa­ra São Pau­lo foi o que ani­mou par­cei­ros co­mo a Cla­ro. “Com a Plug and Play, po­de­re­mos che­gar mais lon­ge na re­la­ção com em­pre­en­de­do­res”, diz Ro­dri­go Du­clos, di­re­tor di­gi­tal da Cla­ro.

Há quem bus­que, nos pro­gra­mas da ace­le­ra­do­ra, so­lu­ções es­pe­cí­fi­cas pa­ra seus ne­gó­ci­os. É o ca­so da em­pre­sa de pa­pel e ce­lu­lo­se Su­za­no. “Po­de­re­mos, por exem­plo, en­con­trar star­tups que usem dro­nes pa­ra iden­ti­fi­car pra­gas nu­ma flo­res­ta”, pro­je­ta Ale­xan­dre Ce­zil­la, ge­ren­te exe­cu­ti­vo da área di­gi­tal da em­pre­sa. O mes­mo va­le pa­ra a co­o­pe­ra­ti­va de cré­di­to Si­co­ob Uni­co­ob. “Bus­ca­mos opor­tu­ni­da­des pa­ra ace­le­rar o ca­das­tro de as­so­ci­a­dos, otimizar pro­ces­sos de li­be­ra­ção de cré­di­to, atendiment­o e iden­ti­fi­ca­ção de pro­du­tos”, diz Emer­son Iten, di­re­tor de tec­no­lo­gia da co­o­pe­ra­ti­va.

Pa­ra Da­ni­el Pas­sa­rel­li, su­pe­rin­ten­den­te de ino­va­ção da Elo, o prin­ci­pal di­fe­ren­ci­al da ace­le­ra­do­ra é sua conexão glo­bal. “Bus­ca­mos es­tar na fron­tei­ra do co­nhe­ci­men­to e, com a Plug and Play, po­de­mos ter con­ta­to com tec­no­lo­gi­as de re­giões co­mo Eu­ro­pa e Chi­na”, diz. Já pa­ra Re­na­ta Fre­esz, ge­ren­te de ino­va­ção da Kla­bin, o prin­ci­pal atra­ti­vo foi a re­a­li­za­ção dos pro­gra­mas no Brasil. “Co­mo em­pre­sa bra­si­lei­ra, te­mos o pa­pel de fo­men­tar o em­pre­en­de­do­ris­mo na­ci­o­nal”, afir­ma.

Ao che­gar por aqui, po­rém, a Plug and Play en­con­tra­rá com­pe­ti­ção: pi­o­nei­ras na ace­le­ra­ção no Brasil, no­mes co­mo Ace, Liga Ven­tu­res e Star­tup Farm tam­bém fa­zem pro­gra­mas pró­xi­mos de cor­po­ra­ções. Pa­ra Felipe Ma­tos, au­tor do li­vro 10 Mil Star­tups, se­rá in­te­res­san­te ver co­mo o mer­ca­do re­a­ge à “no­va­ta”. “En­quan­to a Plug and Play tem van­ta­gem de ser in­ter­na­ci­o­nal, as em­pre­sas da­qui co­nhe­cem bem o mer­ca­do lo­cal e tem van­ta­gens de cus­to”, afir­ma . Pa­ra ele, a ame­ri­ca­na pre­ci­sa­rá di­a­lo­gar com o mer­ca­do e não im­por seu mé­to­do. “Nos­so mer­ca­do in­ter­no é gran­de e mui­tas em­pre­sas nas­cem com ca­rac­te­rís­ti­cas lo­cais. A Plug and Play pre­ci­sa es­tar aber­ta a is­so.”

ALEX SIL­VA/ES­TA­DÃO

Apor­tes. Plug and Play, de An­drea, quer in­ves­tir em 20 star­tups da re­gião até 2020

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.