MP apu­ra se Car­los Bol­so­na­ro em­pre­gou ser­vi­do­res fan­tas­mas

Pro­ce­di­men­tos cri­mi­nal e cí­vel apu­ram sus­pei­tas de fun­ci­o­ná­ri­os ‘fan­tas­mas’, ‘ra­cha­di­nha’ e im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va no ga­bi­ne­te do fi­lho do pre­si­den­te

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Caio Sar­to­ri / RIO / CO­LA­BO­RA­RAM MARCIO DOLZAN e PAU­LA REVERBEL

Ve­re­a­dor li­cen­ci­a­do no Rio, Car­los Bol­so­na­ro (PSC) é al­vo de du­as in­ves­ti­ga­ções do Ministério Pú­bli­co por sus­pei­ta de ter man­ti­do fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas e a pos­sí­vel prá­ti­ca de “ra­cha­di­nha” de sa­lá­ri­os em seu ga­bi­ne­te na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. O Es­ta­do re­ve­lou o ca­so do emprego de dois pa­ren­tes de Fa­brí­cio Qu­ei­roz, pivô de in­ves­ti­ga­ção en­vol­ven­do Flá­vio Bol­so­na­ro, no ga­bi­ne­te de Car­los. Eles não têm re­gis­tro de frequên­cia. Car­los não se ma­ni­fes­tou.

O Ministério Pú­bli­co do Rio ins­tau­rou dois pro­ce­di­men­tos pa­ra in­ves­ti­gar sus­pei­tas de “fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas” e pos­sí­vel prá­ti­ca de “ra­cha­di­nha” no ga­bi­ne­te do ve­re­a­dor li­cen­ci­a­do Car­los Bol­so­na­ro (PSC) na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. As in­ves­ti­ga­ções cor­rem sob si­gi­lo em du­as es­fe­ras: a cri­mi­nal, que es­tá nas mãos do pro­cu­ra­dor-ge­ral de Jus­ti­ça, Edu­ar­do Gus­sem, com au­xí­lio do Gru­po de Atri­bui­ção Ori­gi­ná­ria Cri­mi­nal (Ga­o­crim); e a cí­vel, que apu­ra even­tu­al prá­ti­ca de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va.

Sus­pei­tas de ir­re­gu­la­ri­da­des no ga­bi­ne­te do fi­lho “02” do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro fo­ram no­ti­ci­a­das após o se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ), ir­mão de Car­los, ser al­vo de in­ves­ti­ga­ção por su­pos­tos cri­mes co­me­ti­dos quan­do era de­pu­ta­do es­ta­du­al na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Rio de Ja­nei­ro.

O Es­ta­do, por exem­plo, re­ve­lou o ca­so de Clau­di­o­nor Ger­ba­tim de Li­ma e Már­cio da Sil­va Ger­ba­tim. Eles são pa­ren­tes de Fa­brí­cio Qu­ei­roz, pivô da in­ves­ti­ga­ção en­vol­ven­do Flá­vio e seu an­ti­go ga­bi­ne­te que es­tá sus­pen­sa por de­ci­são do pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li. Os Ger­ba­tim tam­bém tra­ba­lha­ram no ga­bi­ne­te de Car­los na Câ­ma­ra e não têm re­gis­tros de frequên­cia no Le­gis­la­ti­vo mu­ni­ci­pal.

A cha­ma­da “ra­cha­di­nha” é quan­do o ser­vi­dor re­pas­sa par­te ou to­ta­li­da­de de seu sa­lá­rio pa­ra o po­lí­ti­co que o con­tra­tou.

Con­fir­ma­da pe­lo Es­ta­do, a in­for­ma­ção so­bre a ins­tau­ra­ção dos pro­ce­di­men­tos aber­tos pe­lo Ministério Pú­bli­co es­ta­du­al foi re­ve­la­da pe­la re­vis­ta Épo­ca.

A in­ves­ti­ga­ção en­vol­ven­do Flá­vio – que apu­ra as prá­ti­cas de pe­cu­la­to, la­va­gem de di­nhei­ro e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa – foi sus­pen­sa após um re­cur­so de sua de­fe­sa ao Su­pre­mo. Tof­fo­li de­ter­mi­nou em ju­lho a pa­ra­li­sa­ção de to­dos os pro­ces­sos ju­di­ci­ais que tra­mi­tam no País em que hou­ve com­par­ti­lha­men­to de da­dos da Re­cei­ta Fe­de­ral, do Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) e do Ban­co Cen­tral com o Ministério Pú­bli­co sem pré­via au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al, ou que fo­ram ins­tau­ra­dos sem a su­per­vi­são da Jus­ti­ça.

Os pro­ce­di­men­tos que apu­ram prá­ti­cas no ga­bi­ne­te de Car­los, con­tu­do, não têm re­la­ção com da­dos de mo­vi­men­ta­ções fi­nan­cei­ras for­ne­ci­dos por ór­gãos de con­tro­le – e, por­tan­to, po­dem ser to­ca­dos nor­mal­men­te pe­lo Ministério Pú­bli­co.

Em abril, a Jus­ti­ça au­to­ri­zou a que­bra dos si­gi­los ban­cá­rio e fis­cal de Flá­vio e de ou­tras 85 pes­so­as e de no­ve em­pre­sas li­ga­das a ele. Du­ran­te o pe­río­do abar­ca­do pe­la que­bra dos si­gi­los – ja­nei­ro de 2007 a de­zem­bro de 2018 –, cin­co fun­ci­o­ná­ri­os de Flá­vio tam­bém pas­sa­ram pe­lo ga­bi­ne­te do pai na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ou por seu es­cri­tó­rio de apoio no Rio, quan­do ele era de­pu­ta­do fe­de­ral. E dois – os Ger­ba­tim – pe­lo ga­bi­ne­te de Car­los na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal.

A prá­ti­ca de tro­car as­ses­so­res en­tre si é co­mum na fa­mí­lia Bol­so­na­ro. Há, até, di­ver­sos re­la­tos

de fa­mi­li­a­res no­me­a­dos em mais de um ga­bi­ne­te. A mai­o­ria é li­ga­da a uma das ex-mu­lhe­res do pre­si­den­te, Ana Cris­ti­na Val­le, e mo­ra em Re­sen­de, no sul do Rio.

His­tó­ri­co. Car­los pe­diu li­cen­ça não re­mu­ne­ra­da da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal an­te­on­tem pa­ra tra­tar de as­sun­tos par­ti­cu­la­res. Ele se ele­geu pe­la pri­mei­ra vez em 2000, aos 17 anos. Na oca­sião, tor­nou-se o ve­re­a­dor mais jo­vem da his­tó­ria da ci­da­de.

Na atu­al le­gis­la­tu­ra, o ve­re­a­dor é au­tor ou co­au­tor de cin­co pro­je­tos de lei, e seu no­me apa­re­ce em ou­tros oi­to que tra­mi­tam pe­la Ca­sa des­de 2011. Des­ses, três fo­ram pro­pos­tos ex­clu­si­va­men­te por Car­los: o que pre­vê mul­ta pa­ra pi­cha­do­res, o que cria o Pro­gra­ma Es­co­la Sem Par­ti­do e o que ve­da a dis­tri­bui­ção, a ex­po­si­ção e a di­vul­ga­ção de ma­te­ri­al di­dá­ti­co “con­ten­do ori­en­ta­ções so­bre a di­ver­si­da­de se­xu­al” nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no fun­da­men­tal e de edu­ca­ção in­fan­til. Em seu si­te, o ve­re­a­dor de­no­mi­na ma­te­ri­ais des­se ti­po co­mo “kit gay”.

Pro­cu­ra­do on­tem pa­ra co­men­tar as in­ves­ti­ga­ções, o ve­re­a­dor não se pro­nun­ci­ou. Ele acom­pa­nha o pai no hos­pi­tal Vi­la No­va Star, em São Pau­lo, on­de o pre­si­den­te se re­cu­pe­ra de uma ci­rur­gia re­a­li­za­da no do­min­go pa­ra cor­re­ção de uma hér­nia in­ci­si­o­nal.

On­tem, no Twit­ter, Car­los dis­se que vol­ta­rá pa­ra sua ca­sa “em bre­ve”. “So­li­ci­tei li­cen­ça não re­mu­ne­ra­da pa­ra acom­pa­nhar meu pai no hos­pi­tal, im­pe­di­do re­gi­men­tal­men­te de men­ci­o­nar o nú­me­ro de di­as que gos­ta­ria. Ho­je, é um gran­de dia! Bo­as no­tí­ci­as! Em bre­ve vol­to pa­ra ca­sa”, es­cre­veu.

Co­nhe­ci­do pe­la avi­dez no uso das re­des so­ci­ais, Car­los Bol­so­na­ro cau­sou for­tes re­a­ções após es­cre­ver no Twit­ter na noi­te de se­gun­da-fei­ra que “por vi­as de­mo­crá­ti­cas a trans­for­ma­ção que o Bra­sil quer não acon­te­ce­rá na ve­lo­ci­da­de que al­me­ja­mos”. A de­cla­ra­ção foi cri­ti­ca­da pe­lo pre­si­den­te em exer­cí­cio, Ha­mil­ton Mou­rão, e a cú­pu­la do Con­gres­so.

DIDA SAM­PAIO/ESTADÃO - 4/1/2019

Ve­re­a­dor. Car­los Bol­so­na­ro pe­diu li­cen­ça não re­mu­ne­ra­da da Câ­ma­ra, an­te­on­tem, pa­ra tra­tar de ‘as­sun­tos par­ti­cu­la­res’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.