Ab­ju­ra­ção

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - EUGÊNIO BUCCI JOR­NA­LIS­TA, É PRO­FES­SOR DA ECA-USP

No dia pri­mei­ro de ja­nei­ro de 2019, em ses­são so­le­ne do Con­gres­so Na­ci­o­nal, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca enun­ci­ou de pró­pria voz o com­pro­mis­so sem o qual não po­de­ria as­su­mir nem exer­cer o car­go: “Pro­me­to man­ter, de­fen­der e cum­prir a Cons­ti­tui­ção”. O pre­si­den­te es­tá sob ju­ra­men­to. Ape­sar dis­so, dia sim, ou­tro tam­bém, gri­ta pa­la­vras in­sul­tu­o­sas pa­ra aten­tar con­tra a es­sên­cia da Cons­ti­tui­ção que pro­me­teu man­ter, de­fen­der e cum­prir. O pre­si­den­te é uma ab­ju­ra­ção am­bu­lan­te e mui­ta gen­te fin­ge que na­da exis­te de anor­mal nes­se qua­dro.

Em os­ten­si­vo re­pú­dio ao com­pro­mis­so que fir­mou com a Na­ção e com a or­dem ju­rí­di­ca, di­an­te dos olhos de to­dos nós e de re­pre­sen­tan­tes de ou­tros paí­ses, o ci­da­dão que es­tá no mais al­to pos­to da Re­pú­bli­ca não ape­nas não de­fen­de os va­lo­res es­sen­ci­ais da Lei Mai­or, co­mo não se fur­ta a agre­di-la ro­ti­nei­ra­men­te. Mui­ta gen­te re­le­va os de­sa­fo­ros presidenci­ais co­mo se não pas­sas­sem de dis­túr­bi­os psí­qui­cos de uma per­so­na­li­da­de aco­me­ti­da por sur­tos de in­con­ti­nên­cia ver­bal, mas o fa­to é que o Bra­sil vem sen­do go­ver­na­do por al­guém que vi­ve de me­tra­lhar de­cla­ra­ções in­fa­man­tes con­tra o que há de mais pre­ci­o­so e pé­treo na Car­ta de 1988.

Não, não se tra­ta de uma opinião. Is­so é fa­to, não uma ver­são va­lo­ra­ti­va e im­pres­si­o­nis­ta. O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não cum­pre o ju­ra­men­to que fez à Na­ção. A per­gun­ta é: is­so po­de? Até quan­do ou até que li­mi­te uma de­mo­cra­cia po­de con­vi­ver com al­go as­sim? Até on­de a de­mo­cra­cia re­sis­ti­rá?

An­tes de res­pon­der, não há de ser oci­o­so re­lem­brar o ób­vio. Co­mo exis­te mui­ta gen­te, mui­ta gen­te mes­mo, si­mu­lan­do ver nor­ma­li­da­de quan­do olha pa­ra a ava­lan­che de ab­sur­dos que cons­pi­ram con­tra as ga­ran­ti­as fun­da­men­tais, é le­gí­ti­mo e ne­ces­sá­rio es­cla­re­cer os fa­tos e dar os no­mes de­vi­dos ao que se pas­sa.

O pri­mei­ro pon­to é re­cor­dar que há um con­sen­so so­bre o qual se as­sen­ta a Cons­ti­tui­ção de 1988. Gas­ta­mos mais tem­po fa­lan­do das im­per­fei­ções da Car­ta, que são nu­me­ro­sas. Re­cla­ma­mos a to­da ho­ra das con­tra­di­ções e dos ana­cro­nis­mos

que exis­tem ne­la e, por des­cui­do ou apres­sa­men­to, não va­lo­ri­za­mos de­vi­da­men­te que, por bai­xo de in­con­gruên­ci­as e as­pe­re­zas, exis­te, sim, um con­sen­so va­li­o­so e in­subs­ti­tuí­vel que per­cor­re a in­te­gra­li­da­de do tex­to. Es­se con­sen­so é a von­ta­de na­ci­o­nal de eri­gir um Es­ta­do ali­cer­ça­do na ci­da­da­nia, na dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, no plu­ra­lis­mo po­lí­ti­co, na er­ra­di­ca­ção da po­bre­za e dos pre­con­cei­tos de ori­gem, ra­ça, se­xo, cor ou ida­de, na pre­va­lên­cia dos di­rei­tos hu­ma­nos, na de­fe­sa da paz e na co­o­pe­ra­ção en­tre os po­vos pa­ra o pro­gres­so da hu­ma­ni­da­de.

Em re­su­mo, a Cons­ti­tui­ção de 1988 é pro­du­to de um con­sen­so que se cor­po­ri­fi­ca na re­cu­sa unâ­ni­me e ca­te­gó­ri­ca à cen­su­ra, à tor­tu­ra e à di­ta­du­ra. É cla­ro que mui­to se po­de mu­dar na Cons­ti­tui­ção que aí es­tá. Só o que não se po­de mu­dar é seu fun­da­men­to es­sen­ci­al (seu es­pí­ri­to pri­mor­di­al). A vol­ta da tor­tu­ra, da di­ta­du­ra, da cen­su­ra, as­sim co­mo a vol­ta da es­cra­vi­dão, é ina­cei­tá­vel. A Car­ta de 1988 en­car­na e dá con­sequên­ci­as ju­rí­di­cas e po­lí­ti­cas ao re­pú­dio ao ar­bí­trio e à vi­o­lên­cia, em fa­vor dos di­rei­tos hu­ma­nos, da li­ber­da­de e da de­mo­cra­cia.

O nos­so pro­ble­ma é que sem­pre que acha uma bre­cha, e mes­mo quan­do não acha, o pre­si­den­te sai por aí aos ber­ros elo­gi­an­do tor­tu­ra­do­res no­tó­ri­os (cha­mou a um de­les de “he­rói na­ci­o­nal”), es­ti­mu­lan­do a cen­su­ra a fil­mes e obras de ar­te, in­ves­tin­do con­tra ór­gãos de im­pren­sa, xin­gan­do em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção, in­ti­mi­dan­do jor­na­lis­tas, no­mi­nal­men­te, e dis­tri­buin­do agres­sões no pla­no das re­la­ções internacio­nais (dia des­ses enal­te­ceu a tor­tu­ra e a morte do bri­ga­dei­ro Al­ber­to Ba­che­let pe­la di­ta­du­ra chi­le­na, em 1973, ale­gan­do que o golpe de Pi­no­chet te­ria li­vra­do o Chi­le de se con­ver­ter “nu­ma Cu­ba”).

É ina­cre­di­tá­vel co­mo tan­tos ain­da não emi­tem si­nais de incô­mo­do. Pa­ra es­ses, tu­do se re­su­me ao es­ti­lo fa­las­trão de uma au­to­ri­da­de mal-edu­ca­da, co­mo se as bra­va­tas fos­sem um “mal me­nor” num país que “pre­ci­sa de re­for­mas”. É re­al­men­te ina­cre­di­tá­vel e alar­man­te. Te­mos de pa­rar com ter­gi­ver­sa­ções. Es­sas fa­las do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não são me­ras di­a­tri­bes de mo­le­que. Elas são, nu­ma pa­la­vra, in­cons­ti­tu­ci­o­nais. Não po­dem ser acei­tas ou to­le­ra­das, pois fe­rem a nor­ma­li­da­de de­mo­crá­ti­ca.

Ten­te­mos pen­sar por ana­lo­gi­as. O que acon­te­ce­ria na Ale­ma­nha se de re­pen­te An­ge­la Mer­kel des­se pa­ra glo­ri­fi­car a me­mó­ria de Hi­tler? Co­mo a so­ci­e­da­de ci­vil ale­mã re­a­gi­ria se a chan­ce­ler de­cla­ras­se que o na­zis­mo ser­viu pa­ra evi­tar que os co­mu­nis­tas to­mas­sem o po­der? Ela cer­ta­men­te cai­ria. Na Ale­ma­nha o re­pú­dio ao na­zis­mo e ao ho­lo­caus­to é a ori­gem es­sen­ci­al da de­mo­cra­cia. Por is­so, em seus pro­nun­ci­a­men­tos An­ge­la Mer­kel de­fen­de a li­ber­da­de e os di­rei­tos hu­ma­nos. No Bra­sil a ori­gem es­sen­ci­al da de­mo­cra­cia es­tá no re­pú­dio à di­ta­du­ra mi­li­tar, à cen­su­ra e à tor­tu­ra co­mo prá­ti­ca de Es­ta­do. Acon­te­cer que o pre­si­den­te bra­si­lei­ro, em vez de man­ter e de­fen­der a de­mo­cra­cia, não se can­sa de fa­zer apo­lo­gia de tor­tu­ra­do­res e di­ta­do­res. Até quan­do va­mos fa­zer de con­ta que is­so é nor­mal?

Mui­ta gen­te es­pe­cu­la se há cál­cu­lo nos im­pro­pé­ri­os in­cons­ti­tu­ci­o­nais do pre­si­den­te: ele faz o que faz (fa­la o que fa­la) por des­pre­pa­ro ou por es­tra­té­gia? A ver­da­de é que pou­co im­por­ta, em­bo­ra não exis­tam in­dí­ci­os con­fiá­veis de que o per­so­na­gem em te­la dis­po­nha de ha­bi­li­da­des de en­xa­dris­ta po­lí­ti­co. O que im­por­ta é que, de fa­to, o man­da­tá­rio se­gue à ris­ca uma car­ti­lha be­li­co­sa, xe­nó­fo­ba, ho­mo­fó­bi­ca, mi­li­ta­ris­ta, an­ti­po­lí­ti­ca, an­ti-in­te­lec­tu­al, an­ti­ci­en­tí­fi­ca e da­da a exa­cer­ba­ções de fun­da­men­ta­lis­mos re­li­gi­o­sos mo­ra­lis­tas. Es­sa car­ti­lha, que é tam­bém hi­per­na­ci­o­na­lis­ta, em­bo­ra pres­te vas­sa­la­gem a uma úni­ca po­tên­cia es­tran­gei­ra, pre­co­ni­za a trans­for­ma­ção do Es­ta­do nu­ma de­le­ga­cia de po­lí­cia po­lí­ti­ca.

Ora, o no­me des­sa car­ti­lha é fas­cis­mo. De pro­pó­si­to ou por ins­tin­to, não faz di­fe­ren­ça, o dis­cur­so vi­o­len­to que es­tá no po­der ata­ca a de­mo­cra­cia por­que pre­fe­re ou­tro modelo: um ti­po ames­qui­nha­do de fas­cis­mo. Mes­mo as­sim, mui­ta gen­te acre­di­ta que es­tá tu­do di­rei­to.

Fa­las do pre­si­den­te não são me­ras di­a­tri­bes de mo­le­que, elas são in­cons­ti­tu­ci­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.