Jus­ti­ça da Es­có­cia diz que é ile­gal re­ces­so do Par­la­men­to bri­tâ­ni­co

Opo­si­ção co­me­mo­ra vi­tó­ria, mas go­ver­no do pri­mei­ro-mi­nis­tro Bo­ris John­son re­cor­re­rá à Su­pre­ma Cor­te

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal -

Um tri­bu­nal de ape­la­ções da Es­có­cia de­cla­rou on­tem “ile­gal” a de­ci­são do pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co, Bo­ris John­son, de sus­pen­der os tra­ba­lhos no Par­la­men­to até 14 de ou­tu­bro, 16 di­as an­tes da da­ta pre­vis­ta pa­ra a saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia. Em co­mu­ni­ca­do, o go­ver­no bri­tâ­ni­co anun­ci­ou que re­cor­re­rá do ve­re­dic­to.

As du­as câ­ma­ras do Par­la­men­to sus­pen­de­ram as ati­vi­da­des na ma­dru­ga­da de ter­ça-fei­ra. A de­ci­são foi jus­ti­fi­ca­da por John­son pe­la ne­ces­si­da­de de pre­pa­rar e apre­sen­tar o pro­gra­ma de seu no­vo go­ver­no. Os opo­si­to­res de um Bre­xit sem acor­do de­nun­ci­a­ram a me­di­da co­mo uma ten­ta­ti­va de atar as mãos dos de­pu­ta­dos.

O tri­bu­nal de ape­la­ção de Edim­bur­go deu ra­zão on­tem aos crí­ti­cos do pri­mei­ro-mi­nis­tro, ao con­si­de­rar que a sus­pen­são tem co­mo “ob­je­ti­vo obs­truir o Par­la­men­to”, o que le­vou um juiz a de­cla­rar a me­di­da “ile­gal”.

A sen­ten­ça, a pri­mei­ra vi­tó­ria ju­di­ci­al dos opo­si­to­res, se­rá ob­je­to de um re­cur­so de ape­la­ção ime­di­a­to do go­ver­no de John­son. “Es­ta­mos de­cep­ci­o­na­dos com a de­ci­são e va­mos ape­lar à Su­pre­ma Cor­te do Rei­no Uni­do”, afir­mou o go­ver­no, em co­mu­ni­ca­do. “O go­ver­no do Rei­no Uni­do de­ve apre­sen­tar um pro­gra­ma le­gis­la­ti­vo na­ci­o­nal só­li­do. A sus­pen­são do Par­la­men­to é a for­ma le­gal e ne­ces­sá­ria de fa­zer is­so.”

Na se­ma­na pas­sa­da, um tri­bu­nal es­co­cês ha­via re­jei­ta­do a ação pa­ra blo­que­ar a sus­pen­são, apre­sen­ta­da por 75 par­la­men­ta­res. Ou­tras du­as ações ju­di­ci­ais con­tra a de­ci­são de John­son fo­ram pro­to­co­la­das em Bel­fast e em Lon­dres. A pri­mei­ra ain­da es­tá sen­do exa­mi­na­da, en­quan­to a se­gun­da, re­jei­ta­da na se­ma­na pas­sa­da, se­rá ana­li­sa­da pe­la Su­pre­ma Cor­te na ter­ça­fei­ra.

John­son “ba­si­ca­men­te amor­da­çou nos­sa de­mo­cra­cia”, cri­ti­cou a de­pu­ta­da Lu­ci­a­na Ber­ger, do cen­tris­ta Par­ti­do Li­be­ral-De­mo­cra­ta, em um protesto que reu­niu vá­ri­os par­la­men­ta­res em fren­te ao Pa­lá­cio de West­mins­ter.

O ana­lis­ta ju­rí­di­co David Al­len Gre­en, no en­tan­to, acre­di­ta que a Su­pre­ma Cor­te de­ci­da em fa­vor de John­son. “A lei es­co­ce­sa é di­fe­ren­te, às ve­zes mui­to di­fe­ren­te da lei da In­gla­ter­ra e do País de Ga­les. E is­so in­clui uma abor­da­gem di­fe­ren­te em ques­tões de Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal”, es­cre­veu Gre­en no Twit­ter. Se­gun­do ele, “por es­te mo­ti­vo, a ação foi apre­sen­ta­da na Es­có­cia, on­de os juí­zes e a lei se­ri­am mui­to mais re­cep­ti­vos”.

Pa­ra a pri­mei­ra-mi­nis­tra da Es­có­cia, a in­de­pen­den­tis­ta Ni­co­la Stur­ge­on, “a de­ci­são ju­di­ci­al de on­tem tem um sig­ni­fi­ca­do cons­ti­tu­ci­o­nal enor­me” e o Par­la­men­to de­ve “ser con­vo­ca­do ime­di­a­ta­men­te pa­ra per­mi­tir que con­ti­nue o tra­ba­lho es­sen­ci­al de es­cru­tí­nio”.

Um por­ta-voz do go­ver­no bri­tâ­ni­co ga­ran­tiu on­tem que, no mo­men­to, “na­da mu­dou”. Se­gun­do ele, “não foi da­da ne­nhu­ma or­dem de anu­lar a sus­pen­são an­tes da au­di­ên­cia da Su­pre­ma Cor­te”. As de­li­be­ra­ções da prin­ci­pal ins­tân­cia ju­di­ci­al do Rei­no Uni­do po­dem de­mo­rar vá­ri­os di­as.

Os bri­tâ­ni­cos de­ci­di­ram aban­do­nar a UE no re­fe­ren­do de ju­nho de 2016, quan­do o Bre­xit ven­ceu com 52% dos vo­tos. O Rei­no Uni­do de­ve­ria sair do blo­co em 29 de mar­ço. No en­tan­to, com as di­ver­sas re­jei­ções do Par­la­men­to ao acor­do de di­vór­cio fir­ma­do por Bru­xe­las com a en­tão pri­mei­ra-mi­nis­tra, The­re­sa May, a da­ta foi adi­a­da du­as ve­zes.

John­son che­gou ao po­der em ju­lho com a pro­mes­sa de con­cre­ti­zar o Bre­xit em 31 de ou­tu­bro a qual­quer cus­to. Ele afir­mou que de­se­ja renegociar com Bru­xe­las, mas es­tá dis­pos­to a ban­car uma saí­da sem acor­do se a UE não acei­tar su­as con­di­ções.

• Vi­tó­ria “O Par­la­men­to de­ve ser con­vo­ca­do ime­di­a­ta­men­te. A de­ci­são ju­di­ci­al tem um sig­ni­fi­ca­do enor­me” Ni­co­la Stur­ge­on

PRI­MEI­RA-MI­NIS­TRA DA ES­CÓ­CIA

DA­NI­EL LE­AL-OLIVAS / AFP

Pres­são. John­son: pres­são do Par­la­men­to e da Jus­ti­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.