País avança em ran­king uni­ver­si­tá­rio, mas fi­ca lon­ge do to­po

Bra­sil su­pe­rou Itá­lia e Es­pa­nha e é o 7º em ins­ti­tui­ções em aná­li­se da ‘THE’; USP li­de­ra, só que foi re­bai­xa­da de fai­xa

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Victor Vi­ei­ra Pa­lo­ma Cotes

O Bra­sil su­pe­rou Itá­lia e Es­pa­nha e su­biu da 9.ª pa­ra a 7.ª po­si­ção en­tre os paí­ses com mais re­pre­sen­tan­tes no ran­king de me­lho­res universida­des da re­vis­ta bri­tâ­ni­ca Ti­mes Higher Edu­ca­ti­on (THE), uma das mais im­por­tan­tes em avaliação do en­si­no su­pe­ri­or do mun­do. Os Es­ta­dos Uni­dos do­mi­nam a lis­ta, com 172, e o Bra­sil tem 46. A bra­si­lei­ra mais bem co­lo­ca­da – tam­bém lí­der na Amé­ri­ca La­ti­na – é a Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP). Mas, se­gun­do a THE, pro­ble­mas de fi­nan­ci­a­men­to edu­ca­ci­o­nal e a “hos­ti­li­da­de” do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro ao en­si­no su­pe­ri­or têm efei­tos ne­ga­ti­vos.

Os da­dos do le­van­ta­men­to, que in­clui 1396 universida­des de 92 paí­ses e re­giões, fo­ram di­vul­ga­dos on­tem. A lí­der é a Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, do Rei­no Uni­do, que já ocu­pa­va o to­po no ano an­te­ri­or. O Bra­sil con­ti­nua fo­ra do top 250 – a USP es­tá na po­si­ção 251-300 (após o 200.º lu­gar, as ins­ti­tui­ções são clas­si­fi­ca­das em fai­xas), a mes­ma do ano pas­sa­do. A se­gun­da bra­si­lei­ra mais bem clas­si­fi­ca­da é a Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas (Uni­camp), que fi­cou na fai­xa 501-600, mas re­cu­ou em re­la­ção ao ran­king an­te­ri­or, em que es­ta­va em 401-500. En­tre as ou­tras bra­si­lei­ras lis­ta­das, a mai­o­ria é de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas.

O Chi­le, se­gun­do me­lhor país la­ti­no-ame­ri­ca­no, tem 18 re­pre­sen­tan­tes. Já en­tre as na­ções emer­gen­tes, o des­ta­que vai pa­ra a Chi­na. Se­gun­do a re­vis­ta, a Ásia tem au­men­ta­do sua re­le­vân­cia no ran­king, ame­a­çan­do a pre­do­mi­nân­cia dos EUA e da Eu­ro­pa. O le­van­ta­men­to da THE é cons­truí­do com ba­se em 13 in­di­ca­do­res de de­sem­pe­nho, que con­si­de­ram fa­to­res co­mo en­si­no, pes­qui­sa, ci­ta­ções em re­vis­tas ci­en­tí­fi­cas, re­gis­tro de pa­ten­tes e in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção.

A edi­to­ra do ran­king da THE El­lie Bothwell clas­si­fi­cou co­mo “con­quis­ta” o fa­to de o Bra­sil ter avan­ça­do em re­la­ção ao ano an­te­ri­or em nú­me­ro de re­pre­sen­tan­tes. “No en­tan­to, é la­men­tá­vel que to­dos os no­vos re­gis­tros (as ins­ti­tui­ções que en­tra­ram na lis­ta) do Bra­sil es­te­jam fo­ra do top 1000 e vá­ri­as ou­tras es­te­jam fo­ra da ta­be­la. As cons­tan­tes ques­tões de fi­nan­ci­a­men­to e a fal­ta de uma es­tra­té­gia de en­si­no su­pe­ri­or não aju­dam a so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma”, afir­mou. “O en­si­no su­pe­ri­or glo­bal es­tá se tor­nan­do um cam­po ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vo, à me­di­da que as ins­ti­tui­ções asiá­ti­cas con­ti­nu­am a cres­cer e o Bra­sil te­rá de tra­ba­lhar mais pa­ra fa­zer avan­ços po­si­ti­vos na ta­be­la. Pa­ra tal, a cres­cen­te hos­ti­li­da­de do go­ver­no atu­al em re­la­ção à edu­ca­ção su­pe­ri­or ins­pi­ra pou­ca con­fi­an­ça”, des­ta­cou.

Des­de abril, os blo­quei­os de ver­ba das universida­des fe­de­rais e da pós-gra­du­a­ção têm mo­ti­va­do crí­ti­cas e pro­tes­tos con­tra a ges­tão Bol­so­na­ro. Se­gun­do pro­fes­so­res, ci­en­tis­tas e alu­nos, a fal­ta de re­cur­sos po­de pa­ra­li­sar pes­qui­sas e fa­zer com que ta­len­tos aban­do­nem a aca­de­mia ou mi­grem.

MEC. O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, afir­mou res­pei­tar a avaliação fei­ta pe­la re­vis­ta e dis­se que a po­si­ção no ran­king de­pen­de de co­mo foi fei­ta a aná­li­se. Cri­ti­cou, po­rém, o co­men­tá­rio da edi­to­ra da

THE. “Foi de­se­le­gan­te da par­te de­la. E não agre­ga na­da”, co­men­tou o ti­tu­lar da pas­ta. “Tem de se ater aos da­dos.”

HÉLVIO RO­ME­RO/ESTADÃO-18/6/2019

USP. Me­lhor co­lo­ca­da ain­da es­tá fo­ra do top 250

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.