PSG faz pla­no de ação pa­ra Ney­mar

Fu­te­bol fran­cês. Clu­be tra­ba­lha em três fren­tes pa­ra que tor­ci­da ‘per­doe’ o ata­can­te, que te­ve a ima­gem ar­ra­nha­da por que­rer sair

O Estado de S. Paulo - - Esportes - João Pra­ta

Após os amis­to­sos da se­le­ção bra­si­lei­ra, Ney­mar es­tá vol­tan­do a Pa­ris com uma mis­são es­pi­nho­sa, mas que po­de ser fa­ci­li­ta­da, e mui­to, pe­lo seu ta­len­to: re­con­quis­tar o ca­ri­nho e o res­pei­to da tor­ci­da do Pa­ris Saint-Ger­main e até de al­guns di­ri­gen­tes da equi­pe. Sua ten­ta­ti­va obs­ti­na­da de vol­tar ao Bar­ce­lo­na ir­ri­tou mui­ta gen­te na Fran­ça e ar­ra­nhou sua ima­gem no PSG. Co­mo ele te­ve de fi­car, o clu­be de­ci­diu co­lo­car em ação um pla­no pa­ra que o ata­can­te se­ja “per­do­a­do” pe­los tor­ce­do­res mais des­con­ten­tes.

Os di­ri­gen­tes já pro­cu­ra­ram os re­pre­sen­tan­tes de du­as or­ga­ni­za­das. Sa­bem, po­rém, que é pre­ci­so mui­to cui­da­do e sen­si­bi­li­da­de pa­ra não co­lo­car tu­do a per­der. Por is­so, não é cer­to que Ney­mar vol­te a ves­tir a ca­mi­sa do PSG sá­ba­do, no jo­go com o Stras­bourg pe­lo Cam­pe­o­na­to Fran­cês. A par­ti­da se­rá em ca­sa, no Par­que dos Prín­ci­pes, e há o te­mor de uma re­a­ção ne­ga­ti­va das ar­qui­ban­ca­das con­tra o bra­si­lei­ro.

Se­gun­do o jor­nal L’Equi­pe,o clu­be es­tu­da pre­ser­var o ata­can­te e co­lo­cá-lo em cam­po so­men­te na ro­da­da se­guin­te, no clás­si­co fo­ra de ca­sa com o Lyon, quan­do a pres­são e as co­bran­ças se­rão me­no­res. Ney­mar não jo­ga pe­lo PSG des­de 11 de maio, há qua­tro me­ses, por­tan­to, por cau­sa ini­ci­al­men­te de uma con­tu­são e de­pois por sus­pen­são – agre­diu um tor­ce­dor no es­tá­dio, na fi­nal da Co­pa da Fran­ça.

O pla­no pa­ra re­cu­pe­rar a afinidade do jo­ga­dor com a tor­ci­da pas­sa por três fren­tes ime­di­a­tas. A mais com­pli­ca­da se­rá fa­zer os tor­ce­do­res cri­a­rem no­va­men­te em­pa­tia com Ney­mar. O se­gun­do obs­tá­cu­lo é con­tro­lar a lín­gua do pai do jo­ga­dor. A ta­re­fa mais sim­ples e já en­ca­mi­nha­da, se­gun­do a im­pren­sa fran­ce­sa, é a re­la­ção de Ney­mar com o elen­co do PSG. Os prin­ci­pais lí­de­res da equi­pe, co­mo Mbap­pé, Thiago Sil­va e Ca­va­ni, de­mons­tra­ram sa­tis­fa­ção pe­la per­ma­nên­cia do bra­si­lei­ro.

A re­to­ma­da da boa re­la­ção da tor­ci­da com Ney­mar é al­go que po­de le­var al­gum tem­po. Os “Ul­tras”, os ra­di­cais tor­ce­do­res do PSG, ma­ni­fes­ta­ram a con­tra­ri­e­da­de com o ata­can­te em jo­gos re­cen­tes do ti­me, co­mo o da es­treia

no Cam­pe­o­na­to Fran­cês, quan­do pe­di­ram que ele se fos­se, e ain­da es­tão com ele atra­ves­sa­do na gar­gan­ta. Mas a apos­ta dos car­to­las é que uma sequên­cia de bo­as atu­a­ções ace­le­re o pro­ces­so de re­con­quis­ta. Pai fa­la­dor. Ou­tro de­sa­fio pa­ra os di­ri­gen­tes do PSG, clu­be que tem o bra­si­lei­ro Le­o­nar­do co­mo di­re­tor de fu­te­bol, se­rá o de con­tro­lar as de­cla­ra­ções do pai de Ney­mar. Ele in­sis­te em es­to­car o Pa­ris Saint-Ger­main e em la­men­tar o fa­to de o ata­can­te ter de con­ti­nu­ar no clu­be fran­cês, com quem as­si­nou con­tra­to por cin­co anos e tem mais três a cum­prir.

No úl­ti­mo fim de se­ma­na, du­ran­te uma pa­les­tra em even­to em Edim­bur­go, na Es­có­cia, Ney­mar da Sil­va San­tos vol­tou a ma­ni­fes­tar sua frus­tra­ção. “Co­mo agen­te, vo­cê se sen­te fra­co quan­do não exis­te uma es­tru­tu­ra que per­mi­ta (a um jo­ga­dor) sair (de) e che­gar num clu­be. Não ha­via cláu­su­la de res­ci­são de con­tra­to no PSG e is­so tor­na­va as coi­sas mui­to di­fí­ceis. Lu­ta­mos pa­ra en­con­trar um pon­to de acor­do. De­mos o nos­so me­lhor por ele”, afir­mou.

Ele não se con­for­ma com o fa­to de o Pa­ris Saint-Ger­main ter se man­ti­do ir­re­du­tí­vel nas con­di­ções que es­ta­be­le­ceu pa­ra negociar Ney­mar. Pe­diu al­to pe­la tran­sa­ção, 300 mi­lhões de eu­ros (R$ 1,2 bi­lhão), e não se do­brou às ame­a­ças do jo­ga­dor e do seu es­ta­fe. Fez va­ler o con­tra­to até 2022 que tem com o ata­can­te bra­si­lei­ro.

Ney­mar che­gou a “tra­mar” com seus ami­gos do Bar­ce­lo­na pa­ra a sua vol­ta, e ob­te­ve de Mes­si e Suá­rez ca­mi­nho li­vre pa­ra eles vol­ta­rem a for­mar o trio MSN, que en­can­tou o mun­do quan­do es­te­ve jun­to.

‘Qu­e­ri­di­nho’. O re­la­ci­o­na­men­to de Ney­mar com o elen­co do PSG não é al­go que pre­o­cu­pe os di­ri­gen­tes. O bra­si­lei­ro já te­ve pro­ble­ma com al­guns jo­ga­do­res, co­mo o uru­guaio Ca­va­ni, fez crí­ti­cas du­ras aos atle­tas mais jo­vens, mas ain­da as­sim tem boa con­vi­vên­cia com os com­pa­nhei­ros – al­guns são mais dis­tan­tes, mas não con­de­nam ex­pli­ci­ta­men­te sua pre­sen­ça.

Além dis­so, os prin­ci­pais lí­de­res da equi­pe são fa­vo­rá­veis à sua per­ma­nên­cia. Eles têm cons­ci­ên­cia de que ga­nhar cam­pe­o­na­tos com Ney­mar ao la­do é mais fá­cil, em­bo­ra o pro­je­to de ven­cer a Li­ga dos Cam­peões te­nha nau­fra­ga­do nas du­as úl­ti­mas

tem­po­ra­das.

Ney­mar per­ma­ne­ce­rá pe­lo me­nos até o fim do ano no clu­be – a pró­xi­ma ja­ne­la se­rá aber­ta em ja­nei­ro. E, ape­sar de to­do o es­for­ço que es­tá sen­do fei­to, a re­to­ma­da no PSG tam­bém pas­sa

por seu com­por­ta­men­to. Tor­ci­da e di­re­to­ria não de­ve­rão su­por­tar des­man­dos do jo­ga­dor e fal­ta de pro­fis­si­o­na­lis­mo. O PSG quer Ney­mar con­cen­tra­do e fo­ca­do uni­ca­men­te em co­la­bo­rar pa­ra o su­ces­so do ti­mer

CHARLES PLATIAU/REU­TERS–17/8/2019

Re­co­me­ço. Ney­mar vol­ta ao PSG após ser­vir à se­le­ção e te­rá de re­con­quis­tar o ca­ri­nho e o res­pei­to da tor­ci­da, re­vol­ta­da pe­la for­ma co­mo ele tra­tou o clu­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.