De vol­ta ao pla­ne­ta, um as­tro pen­sa na vi­da

Em uma au­to­a­va­li­a­ção, Brad Pitt fa­la de su­as do­res e de fa­zer me­nos fil­mes

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ky­le Bu­cha­nan NEW YORK TI­MES / LOS AN­GE­LES / TRA­DU­ÇÃO AU­GUS­TO CALIL

Brad Pitt já in­ter­pre­tou bom nú­me­ro de per­so­na­gens es­toi­cos, in­cluin­do dois ape­nas nes­te ano: Cliff Bo­oth, o du­blê que acom­pa­nha­mos no su­ces­so Era Uma Vez em... Hollywo­od, e Roy McB­ri­de, um as­tro­nau­ta de­sig­na­do pa­ra pos­tos solitários da ga­lá­xia no fu­tu­ro lan­ça­men­to Ad As­tra – Ru­mo às Es­tre­las, que tem da­ta de es­treia pre­vis­ta pa­ra 26 de se­tem­bro.

Mes­mo de­pois de com­pro­var a ca­pa­ci­da­de de in­ter­pre­tar per­so­na­gens mais lo­qua­zes, co­mo em Os 12 Ma­ca­cos e Snat­ch – Por­cos e Di­a­man­tes, Pitt pa­re­ce mais fas­ci­nan­te quan­do tem al­go guar­da­do. “Cres­ci em meio a uma men­ta­li­da­de de au­to­no­mia e for­ça, sem nun­ca de­mons­trar fra­que­za”, dis­se Pitt. Foi cri­a­do no Mis­sou­ri, o mais ve­lho de três ir­mãos, fi­lhos do do­no de uma em­pre­sa de fre­te ro­do­viá­rio. “Meu pai cres­ceu na po­bre­za, uma vi­da mui­to du­ra, e sem­pre foi de­ter­mi­na­do a me dar cir­cuns­tân­ci­as me­lho­res do que as de­le – e con­se­guiu. Mas era do ti­po es­toi­co.”

Es­se tra­ço foi bem apro­vei­ta­do por Pitt nas te­las, e o ator tem pen­sa­do mui­to a res­pei­to da pes­soa que se tor­nou. “Sou gra­to à ên­fa­se na in­de­pen­dên­cia e hu­mil­da­de, mas acre­di­to que fez fal­ta um com­po­nen­te de au­to­a­va­li­a­ção”, afir­mou ele.

Pitt e o ro­tei­ris­ta e di­re­tor de Ad As­tra, Ja­mes Gray, são ami­gos há mais de du­as dé­ca­das, des­de o mo­men­to em que o ator viu o tra­ba­lho de es­treia do di­re­tor, a his­tó­ria po­li­ci­al de bai­xo or­ça­men­to Lit­tle Odes­sa (1995). Na épo­ca, Pitt dis­se ter sen­ti­do que Gray se­ria ca­paz de ti­rar de­le al­go no­vo. “Ele ti­nha um to­que dos anos 70, co­mo os fil­mes à ba­se dos quais fui cri­a­do”, con­tou Pitt. “Ha­via al­go de bru­to, uma vi­o­lên­cia. E me pa­re­ceu al­guém com fo­co em his­tó­ri­as mas­cu­li­nas.”

Os dois es­ta­vam de­ter­mi­na­dos a tra­ba­lhar jun­tos, mas os pri­mei­ros pro­je­tos não de­co­la­ram. Em 2010, Pitt de­sis­tiu de par­ti­ci­par do épi­co de Gray, Z – A Ci­da­de Per­di­da. Anos de­pois, Gray pro­cu­rou Pittc oma ideia de Ad As­tra, es­pe­ran­do que o ator re­cu­sas­se o pro­je­to. “Mi­nha úni­ca crí­ti­ca a Brad diz res­pei­to ao fa­to de ele não ser o as­tro de mais fil­mes. Ele co­man­da a ação na te­la co­mo pou­cos, e eu ado­ra­ria ter mais opor­tu­ni­da­des de ver is­so”, ex­pli­cou Gray.

Se Pitt pa­re­ce mais re­ser­va­do e me­di­ta­ti­vo em pes­soa do que o es­pe­ra­do, o mes­mo se po­de di­zer de Ad As­tra. É cla­ro que há no­tá­veis sequên­ci­as de ação en­quan­to o per­so­na­gem de Pitt vas­cu­lha a ga­lá­xia em bus­ca do pai, um as­tro­nau­ta per­di­do (Tommy Lee Jo­nes). Mas Ad As­tra se mos­tra mais pre­o­cu­pa­do com avi­da in­te­ri­or do pro­ta­go­nis­ta do­que co­ma mag­ní­fi­ca pai­sa­gem de es­tre­las do la­do de fo­ra da na­ve, com lon­gos tre­chos mos­tran­do ape­nas Pitt, cu­ja nar­ra­ção em off pon­de­ra as ques­tões pro­fun­das da vi­da.

“Fa­ze­mos per­gun­tas do ti­po, ‘qual é o sen­ti­do de tu­do?’ e ‘por que es­ta­mos aqui?’ É um pou­co co­mo um cam­po mi­na­do, pois são mui­tas as ar­ma­di­lhas”, ava­li­ou o ator. Mas a so­li­dão do per­so­na­gem o atraiu: “Qu­e­ría­mos in­ves­ti­gar a in­ca­pa­ci­da­de de se co­nec­tar com os ou­tros, e os me­ca­nis­mos de au­to­pro­te­ção que cons­truí­mos e nos im­pe­dem de fa­lar das coi­sas aber­ta­men­te”.

Es­sa aber­tu­ra é al­go que ca­da vez mais ocu­pa os pen­sa­men­tos de Pitt. Tra­ta-se de uma qua­li­da­de que os ho­mens ad­qui­rem com di­fi­cul­da­de, e nin­guém o cri­ti­ca­ria se ele pre­fe­ris­se man­ter iso­la­das al­gu­mas par­tes de si. “Mas en­ten­do que, pa­ra o meu es­ti­lo de atu­a­ção, o me­lhor é che­gar a um lu­gar de ver­da­de ab­so­lu­ta”, in­di­ca Pitt. “Pa­ra que o pú­bli­co leia al­go re­al na mi­nha in­ter­pre­ta­ção, pre­ci­so vi­ven­ci­ar al­go re­al pa­ra mim.”

No iní­cio de 2017, quan­do Pitt se com­pro­me­teu a es­tre­lar Ad As­tra, o ator ain­da sen­tia os ecos da se­pa­ra­ção de An­ge­li­na Jo­lie, com quem te­ve seis fi­lhos. “Cer­ta­men­te, ele usou os im­pul­sos que a vi­da lhe da­va”, re­cor­dou Gray. “Não me en­vol­vi pes­so­al­men­te com es­se la­do da ques­tão, mas ele in­ves­ti­gou a es­sên­cia do per­so­na­gem por meio de su­as vi­vên­ci­as.” Se­rá que Ad As­tra foi uma for­ma de tra­ba­lhar a so­li­dão? “O fa­to é que to­dos car­re­ga­mos do­res, pe­sa­res e per­das”, con­fes­sou Brad Pitt. “Pas­sa­mos a mai­or par­te do tem­po ocul­tan­do is­so, mas es­tá ali, em nós. En­tão, co­me­ça­mos a abrir es­sas cai­xas.”

Foi di­to que a go­ta d’água no re­la­ci­o­na­men­to de 11 anos de Pitt e An­ge­li­na te­ria ocor­ri­do em se­tem­bro de 2016, quan­do eles bri­ga­ram por cau­sa do con­su­mo de ál­co­ol de­le. Ago­ra, Pitt tem um com­pro­mis­so com a so­bri­e­da­de. “Le­vei as coi­sas até o li­mi­te e, de­pois, ti­ve de can­ce­lar meu di­re­to à be­bi­da”, re­ve­lou ele. Pitt pas­sou um ano e meio nos al­coó­la­tras anô­ni­mos.

Seu gru­po de re­cu­pe­ra­ção só ti­nha ho­mens e Pitt fi­cou co­mo­vi­do com a vul­ne­ra­bi­li­da­de de­les. “Eram ho­mens reu­ni­dos e sen­ta­dos, fa­lan­do com uma aber­tu­ra e uma sin­ce­ri­da­de que nun­ca ti­nha vis­to”, afir­mou Pitt. “Era um lu­gar se­gu­ro on­de ha­via pou­co julgamento e, por­tan­to, pou­co julgamento de nós mes­mos.” Nin­guém do gru­po com­par­ti­lhou as his­tó­ri­as de Pitt com os ta­bloi­des. Os ho­mens con­fi­a­vam uns nos ou­tros e, nes­sa con­fi­an­ça, ele des­co­briu uma ca­tar­se. “Na ver­da­de, foi li­ber­ta­dor po­der ex­por meu la­do mais feio”, re­ve­lou o as­tro.

De acor­do com Gray, o ego de Pitt tem pou­co a ver com a es­co­lha dos pa­péis. “Ele sem­pre pe­de me­nos ex­po­si­ção e me­nos fa­las”, con­tou Gray. “Não acho que Brad gos­te de ser o cen­tro das aten­ções, é pre­ci­so em­pur­rá-lo nes­sa di­re­ção.” Nas pa­la­vras de Pitt, os pa­péis de co­ad­ju­van­te dão cer­to alí­vio: ele ocu­pa o cen­tro da aten­ção mun­di­al des­de o seu pri­mei­ro pa­pel de su­ces­so, em Thel­ma & Loui­se (1991), sem pre­ci­sar dis­so cons­tan­te­men­te no seu tra­ba­lho.

“Nos anos 90, to­da a aten­ção re­ce­bi­da me de­se­qui­li­brou. Eu me sen­tia pou­co à von­ta­de di­an­te das ex­pec­ta­ti­vas e crí­ti­cas. Me tor­nei uma es­pé­cie de er­mi­tão e re­cor­ri à ma­co­nha pa­ra es­que­cer tu­do.” Tu­do que ele fa­zia era aten­ta­men­te ana­li­sa­do: su­ces­sos, fra­cas­sos, pen­te­a­do, cor­po e, prin­ci­pal­men­te, os re­la­ci­o­na­men­tos amo­ro­sos. Pitt dis­se que sua vi­da não era “o so­nho que pa­re­cia ser”.

Che­gou ao pon­to em que ele não con­se­guia mais dis­cer­nir en­tre os pró­pri­os de­se­jos e aque­les su­ge­ri­dos pe­los de­mais. No fim, ele apren­deu a dei­xar de la­do as ex­pec­ta­ti­vas dos ou­tros. “Es­ses pen­sa­men­tos dú­bi­os, o ruí­do men­tal, o ra­to no crâ­nio, é co­mo uma co­mé­dia”, lem­brou Pitt. “É ri­dí­cu­lo vi­ver­mos as­sim. Pas­sei tem­po de­mais lu­tan­do con­tra es­ses pen­sa­men­tos.” Re­cen­te­men­te, Pitt des­cre­veu a atu­a­ção co­mo “jo­go pa­ra os mais jo­vens”, e afir­mou que, en­tre os 50 e os 60 anos, se vê ca­da vez mais atraí­do por ou­tras ati­vi­da­des, co­mo a pro­du­ção.

Ain­da as­sim, ele não se mos­tra mui­to en­tu­si­as­ma­do com o fu­tu­ro do en­tre­te­ni­men­to nas te­lo­nas na era do stre­a­ming. “Te­nho cu­ri­o­si­da­de de ver se os fil­mes vão du­rar.” Mas o ator sa­be que não se­rá o as­tro de um nú­me­ro tão gran­de de tí­tu­los. “Pa­ra mim, se­rão ca­da vez me­nos fil­mes, ago­ra há ou­tras coi­sas que que­ro fa­zer”, con­cluiu Pitt, cu­jos in­te­res­ses in­clu­em es­cul­tu­ra e pai­sa­gis­mo. “Quan­do te­mos a sen­sa­ção de fi­nal­men­te en­vol­ver al­go com os bra­ços, é ho­ra de pro­cu­rar ou­tra coi­sa pa­ra en­vol­ver no abra­ço.”

YARA NARDI/REU­TERS

FOX FILM DO BRA­SIL

‘Ad As­tra’. Re­fle­xões do per­so­na­gem de Pitt têm tu­do a ver com o seu mo­men­to atu­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.