5. Mo­re­na Caym­me, 28 Ser­vi­ço des­po­ja­do e di­ver­so

O Estado de S. Paulo - - Paladar -

Cadê a Mo­re­na?Cadê a Mo­re­na?, in­da­ga­vam os ha­bi­tués do Fi­tó, em Pi­nhei­ros, quan­do a chef Ca­fi­ra Foz ou­sou le­var a en­tão hos­tess da ca­sa pa­ra tra­ba­lhar no ad­mi­nis­tra­ti­vo. Não deu cer­to, ou me­lhor, deu sim: ho­je, a pi­aui­en­se Mo­re­na Caym­mi, 28, que é for­ma­da em jor­na­lis­mo, atua co­mo co­or­de­na­do­ra de mar­ke­ting, even­tos e re­la­ções pú­bli­cas do res­tau­ran­te, mas não ar­re­da o pé do sa­lão nos ho­rá­ri­os de ser­vi­ço. “Che­guei aqui re­cém-for­ma­da, pre­ci­san­do mui­to tra­ba­lhar, en­tão fui a me­lhor hos­tess que eu po­de­ria ter si­do”, afir­ma. Ao la­do de Eli­se­te Fa­ri­as, que co­or­de­na a equi­pe de sa­lão do Fi­tó, põe em prá­ti­ca um ser­vi­ço ca­lo­ro­so e aco­lhe­dor, as­sim co­mo se faz lá no nor­des­te. Cha­ma cli­en­tes pe­lo no­me e des­cre­ve os pra­tos do car­dá­pio co­mo nin­guém. “É nes­sa ho­ra que a gen­te fis­ga o cli­en­te, com um dis­cur­so cheio de sa­bor”, diz. Pa­ra Mo­re­na, além de jo­vem e des­po­ja­da, a no­va ca­ra do ser­vi­ço é mais di­ver­sa. “Pre­ve­jo um fu­tu­ro com ca­da vez mais res­tau­ran­tes, as­sim co­mo o Fi­tó, de­le­gan­do car­gos de che­fia a mu­lhe­res, pes­so­as ne­gras e LGBTQI+.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.