Mor­rer em Lodz

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ SIMON SCHWARTZMA­N

Nes­te agos­to de 2019 fui à Polô­nia par­ti­ci­par de um en­con­tro da fa­mí­lia de mi­nha mãe, des­cen­den­tes de an­ti­gos ha­bi­tan­tes e so­bre­vi­ven­tes do gue­to da ci­da­de de Lodz, li­qui­da­do pe­los na­zis­tas 75 anos atrás. Dos 200 mil ju­deus con­fi­na­dos em qua­tro quilô­me­tros qua­dra­dos e for­ça­dos a tra­ba­lhar co­mo es­cra­vos des­de 1942, me­nos de 10 mil con­se­gui­ram es­ca­par. To­dos os de­mais mor­re­ram de fo­me, do­en­ças, exe­cu­ções, nas câ­ma­ras de gás e nos for­nos cre­ma­tó­ri­os de Chelm­no e Aus­chwitz.

Uma pe­que­na tra­gé­dia, den­tro dos hor­ro­res do ex­ter­mí­nio pro­gra­ma­do de 6 mi­lhões de ju­deus, dos quais 500 mil no gue­to de Var­só­via, sem fa­lar nas de­ze­nas de mi­lhões de mor­tos na União So­vié­ti­ca, na Chi­na e em ou­tros paí­ses na 2.ª Gu­er­ra. Mas ca­da tra­gé­dia, com su­as his­tó­ri­as de re­sis­tên­cia, mor­te e so­bre­vi­vên­cia, que atin­gem a ca­da pes­soa e ca­da fa­mí­lia, é úni­ca e in­co­men­su­rá­vel, e pre­ci­sa ser sem­pre re­lem­bra­da pa­ra en­ten­der o que acon­te­ceu e evi­tar sua re­pe­ti­ção.

Em 1961, es­cre­ven­do so­bre o jul­ga­men­to de Adolph Ei­ch­mann em Je­ru­sa­lém, Han­nah Arendt cri­ou uma gran­de con­tro­vér­sia ao fa­lar so­bre a “ba­na­li­da­de do mal”, a ma­nei­ra ro­ti­nei­ra e bu­ro­crá­ti­ca co­mo Ei­ch­mann e, por extensão, o go­ver­no na­zis­ta ad­mi­nis­tra­vam a má­qui­na de ex­ter­mí­nio, des­pro­vi­dos apa­ren­te­men­te de qual­quer sen­si­bi­li­da­de ou mo­ti­va­ção de ódio, sim­ples­men­te “obe­de­cen­do or­dens”. Pa­ra seus crí­ti­cos, es­sa in­ter­pre­ta­ção era ina­cei­tá­vel, por­que de al­gu­ma for­ma exi­mia os na­zis­tas de cul­pa e res­pon­sa­bi­li­da­de por su­as atro­ci­da­des, pe­las quais de­ve­ri­am ser con­de­na­dos e pu­ni­dos.

Pen­so que, ao con­trá­rio, Han­nah Arendt fa­la­va de uma cul­pa mui­to mais pro­fun­da e per­tur­ba­do­ra, que é a da nor­ma­li­za­ção da vi­o­lên­cia, que traz o pro­ble­ma da res­pon­sa­bi­li­da­de mui­to mais per­to de ca­da um de nós do que gos­ta­ría­mos de re­co­nhe­cer. Em graus di­fe­ren­tes, to­dos, de al­gu­ma ma­nei­ra, nos in­sen­si­bi­li­za­mos com os ab­sur­dos e tra­gé­di­as que pre­sen­ci­a­mos no dia a dia, ou que nos chegam a ca­da mo­men­to pe­los no­ti­ciá­ri­os, por con­for­mis­mo ou sim­ples­men­te

pa­ra con­ti­nu­ar so­bre­vi­ven­do. Em vez de uma hu­ma­ni­da­de dividida en­tre mons­tros mo­rais, por um la­do, e jus­tos e ino­cen­tes, por ou­tro, o que te­mos são se­res hu­ma­nos im­per­fei­tos que se adap­tam às cir­cuns­tân­ci­as em que vi­vem e po­dem ser ca­pa­zes, em si­tu­a­ções ex­tre­mas, tan­to de ações ter­rí­veis qu­an­to de com­por­ta­men­tos éti­cos, he­roi­cos e mo­ral­men­te ín­te­gros. Se­rá que, por is­so, so­mos to­dos cul­pa­dos, ou to­dos ino­cen­tes?

Exis­tem du­as per­gun­tas que sur­gem aqui, a de por que es­ses com­por­ta­men­tos vi­o­len­tos e des­tru­ti­vos cres­cem e ga­nham raí­zes em de­ter­mi­na­dos mo­men­tos, e a da con­for­mi­da­de de pes­so­as que não pen­sam ou agem da mes­ma ma­nei­ra, mas se tor­nam co­ni­ven­tes.

Uma das gran­des ques­tões so­bre a 2.ª Gu­er­ra é co­mo a Ale­ma­nha, até en­tão um país tão pro­e­mi­nen­te na ci­ên­cia, na cul­tu­ra e na fi­lo­so­fia, che­gou a es­ses ex­tre­mos, com o apoio ou ao me­nos a pas­si­vi­da­de de gran­de par­te de sua po­pu­la­ção. Uma das ex­pli­ca­ções é a cri­se econô­mi­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal dos anos 20, que le­vou à po­la­ri­za­ção cres­cen­te da po­lí­ti­ca e abriu es­pa­ço pa­ra um de­ma­go­go que, pro­me­ten­do um fu­tu­ro de gran­de­za, da­va voz aos sen­ti­men­tos de rai­va e frus­tra­ção da po­pu­la­ção, li­be­ran­do os pre­con­cei­tos e es­ti­mu­lan­do o ata­que a um su­pos­to inimigo bem pró­xi­mo e in­de­fe­so, os ju­deus. O cul­to à vi­o­lên­cia, a gros­se­ria, a fal­ta de li­mi­tes e o an­ti-in­te­lec­tu­a­lis­mo dos na­zis­tas eram le­gi­ti­ma­dos, ain­da, por to­da uma cor­ren­te de fi­ló­so­fos e en­saís­tas que ela­bo­ra­vam ide­o­lo­gi­as au­to­ri­tá­ri­as, mi­li­ta­ris­tas, na­ci­o­na­lis­tas, po­pu­lis­tas e ra­cis­tas, que fo­ram tor­nan­do o na­zis­mo e o an­tis­se­mi­tis­mo ca­da vez mais “res­pei­tá­veis” e acei­tá­veis.

Mas era uma acei­ta­ção li­mi­ta­da, e mui­to foi es­cri­to so­bre o des­pre­zo dos ge­ne­rais ale­mães, de ori­gem aris­to­crá­ti­ca, pe­lo ofi­ci­al su­bal­ter­no que che­ga­ra ao po­der, e que ti­nham a ilu­são de po­der con­tro­lar. Aca­bou pre­pon­de­ran­do, no en­tan­to, o prag­ma­tis­mo, não só dos mi­li­ta­res, mas de em­pre­sá­ri­os e mui­tos in­te­lec­tu­ais, com tris­te des­ta­que pa­ra o fi­ló­so­fo Mar­tin Hei­deg­ger. Hi­tler es­ta­va no po­der, en­car­na­va a von­ta­de do po­vo ale­mão, era uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a eco­no­mia cres­cer e con­quis­tar no­vos ter­ri­tó­ri­os, e era me­lhor fe­char os olhos pa­ra de­ta­lhes de­sa­gra­dá­veis, co­mo o ex­ter­mí­nio dos ju­deus, ho­mos­se­xu­ais, ci­ga­nos e opo­si­to­res, e fi­car de seu la­do.

Em Lodz, a ver­são trá­gi­ca do prag­ma­tis­mo foi o cur­to rei­na­do de Chaim Rum­kows­ki, ju­deu de­sig­na­do pe­los ale­mães co­mo pre­si­den­te do Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo – o Ju­den­rat – e co­man­dan­te do gue­to. Rum­kows­ki fez do gue­to uma fá­bri­ca de su­pri­men­tos de gu­er­ra, es­cra­vi­zan­do a po­pu­la­ção, e go­ver­nou com mão de fer­ro, aju­da­do por uma po­lí­cia ju­dai­ca que re­pri­mia com vi­o­lên­cia as ten­ta­ti­vas de re­sis­tên­cia e se­le­ci­o­na­va pes­so­as pa­ra os cam­pos de ex­ter­mí­nio, ao mes­mo tem­po que ga­ran­tia pa­ra seu gru­po a co­mi­da, os es­pa­ços e as con­di­ções mí­ni­mas de so­bre­vi­vên­cia que eram ne­ga­dos aos de­mais. A jus­ti­fi­ca­ti­va era que, co­la­bo­ran­do, po­de­ri­am li­vrar mais gen­te do ex­ter­mí­nio, e so­bre­vi­ver. De fa­to, o gue­to de Lodz du­rou um ano mais que o de Var­só­via, e Rum­kows­ki e sua fa­mí­lia fo­ram dos úl­ti­mos a ser en­vi­a­dos pa­ra os for­nos cre­ma­tó­ri­os, em 1944.

No gue­to de Var­só­via, no iní­cio Adam Czer­ni­a­kow tam­bém ten­tou co­la­bo­rar, mas aca­bou se sui­ci­dan­do quan­do os ale­mães or­de­na­ram o au­men­to do nú­me­ro de de­por­ta­dos. Um ano de­pois, os ha­bi­tan­tes do gue­to se in­sur­gi­ram, e fo­ram mas­sa­cra­dos pe­las tro­pas da SS em 1943.

Em Lodz, co­mo em Var­só­via, a si­tu­a­ção era ex­tre­ma, a má­qui­na de ex­ter­mí­nio não se de­ti­nha e a mor­te era ine­vi­tá­vel. Mes­mo as­sim, res­ta­va ain­da a op­ção de ca­da um en­tre o con­for­mis­mo e a re­be­lião, mes­mo que à custa da pró­pria vi­da, de qual­quer for­ma, efê­me­ra.

Ei­ch­mann e Rum­kows­ki não eram so­men­te pe­ças de uma en­gre­na­gem, ti­nham es­co­lhas que po­de­ri­am fa­zer e não fi­ze­ram, e são es­sas es­co­lhas, quan­do exer­ci­das, que ain­da nos per­mi­tem man­ter es­pe­ran­ça na hu­ma­ni­da­de.

SO­CIÓ­LO­GO, É MEM­BRO DA ACA­DE­MIA BRA­SI­LEI­RA DE CI­ÊN­CI­AS

A si­tu­a­ção era ex­tre­ma, a má­qui­na de ex­ter­mí­nio não se de­ti­nha. Mes­mo as­sim...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.