In­de­pen­dên­cia é prin­cí­pio bá­si­co

O Estado de S. Paulo - - Política - Car­los Ari Sund­feld ✽ É PRO­FES­SOR TI­TU­LAR DA FGV DI­REI­TO SP

OMi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral es­tá sob ame­a­ça po­lí­ti­ca? Pen­sar nis­so, e fi­car aten­to, tor­nou-se bem im­por­tan­te nos úl­ti­mos me­ses. É de­sas­tro­so pa­ra a de­mo­cra­cia, pa­ra os in­te­res­ses ge­rais e pa­ra a lu­ta con­tra a cor­rup­ção que pro­cu­ra­do­res se­jam in­ti­mi­da­dos ou co­op­ta­dos pe­lo po­der po­lí­ti­co, pe­lo po­der econô­mi­co ou pe­lo cri­me or­ga­ni­za­do.

In­de­pen­dên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal é prin­cí­pio bá­si­co. Pre­ci­sa­mos des­sa in­de­pen­dên­cia in­clu­si­ve na lu­ta con­tra os mons­tros de nos­so pas­sa­do. Há cer­ta­men­te exa­ge­ro na vi­são cor­po­ra­ti­va de que, na es­co­lha do pro­cu­ra­dor-ge­ral da República, tan­to o pre­si­den­te da República co­mo o Se­na­do Fe­de­ral te­ri­am de fi­car vin­cu­la­dos a uma lis­ta trí­pli­ce fei­ta à mar­gem da lei por uma as­so­ci­a­ção de clas­se.

É cor­re­to que os po­de­res le­gí­ti­mos es­co­lham o no­vo pro­cu­ra­dor-ge­ral se­guin­do a lei, sem se­rem cons­tran­gi­dos pe­las pre­fe­rên­ci­as da cor­po­ra­ção de pro­cu­ra­do­res. Além dis­so, não há mal em que pro­cu­ra­do­res se­jam mui­to fis­ca­li­za­dos e cri­ti­ca­dos por seus er­ros e abu­sos.

Ra­quel Dod­ge, que ago­ra se des­pe­de, te­ve mo­men­tos me­lho­res e pi­o­res – e é ne­ces­sá­rio dis­cu­ti-los. Nin­guém é in­fa­lí­vel ou po­de es­tar aci­ma da lei. Mas há sim ra­zões pa­ra re­ceio.

Au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas re­le­van­tes, a co­me­çar do pre­si­den­te da República, fler­tam com o au­to­ri­ta­ris­mo e su­ge­rem em voz al­ta que que­rem sub­mis­são, na­da me­nos. Di­an­te dis­so, ao me­nos uma ma­ni­fes­ta­ção cla­ra pre­ci­sa­va vir do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

Foi im­por­tan­te que, on­tem, o aler­ta vi­es­se na voz do de­ca­no Celso de Mel­lo, que nos mo­men­tos-cha­ve tem sim­bo­li­za­do o con­sen­so de to­do o mun­do ju­rí­di­co em tor­no de prin­cí­pi­os ine­go­ciá­veis. A ad­ver­tên­cia con­tra as ten­ta­ções de “oni­po­tên­cia” foi ne­ces­sá­ria e opor­tu­na. Es­se dis­cur­so tem de fi­car eco­an­do so­bre nos­sas au­to­ri­da­des afoi­tas. Não só as do Exe­cu­ti­vo e do Le­gis­la­ti­vo, tam­bém do Ju­di­ciá­rio e do pró­prio mi­nis­té­rio pú­bli­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.