Maia te­me mu­dan­ças no te­to de gas­tos

Pre­si­den­te da Câmara apoia PEC de re­gras fis­cais, mas te­me que tex­to afrou­xe me­ca­nis­mo que li­mi­ta avan­ço dos gas­tos à in­fla­ção

O Estado de S. Paulo - - E&n economia & negócios - Adri­a­na Fer­nan­des Idi­a­na To­ma­zel­li /

“Se­rá que es­sas pes­so­as não en­ten­de­ram que o Es­ta­do es­tá fa­li­do?” Ro­dri­go Maia, pre­si­den­te da Câmara dos De­pu­ta­dos

O pre­si­den­te da Câmara dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), dis­se que é fa­vo­rá­vel à Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC) do de­pu­ta­do Pe­dro Pau­lo (DEMRJ), que muda as re­gras fis­cais, mas es­tá pre­o­cu­pa­do com o ris­co de o tex­to abrir es­pa­ço pa­ra mu­dan­ças no te­to de gas­tos, me­ca­nis­mo que li­mi­ta o cres­ci­men­to dos gas­tos à in­fla­ção. “Va­mos dei­xar o te­to on­de es­tá”, dis­se.

O Es­ta­dão/Bro­ad­cast apu­rou que, pa­ra Maia, os cha­ma­dos ga­ti­lhos, que an­te­ci­pam as me­di­das de ajus­te, são im­po­pu­la­res e, por is­so, é pre­ci­so que o go­ver­no en­cam­pe a de­fe­sa das ações, que in­clu­em con­ge­la­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo e de apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões.

O pre­si­den­te da Câmara de­fen­deu tam­bém o en­vio ur­gen­te pe­lo go­ver­no da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra re­du­zir as car­rei­ras de Es­ta­do e aca­bar com a es­ta­bi­li­da­de do ser­vi­dor. “Ou nós te­mos coragem de en­fren­tar es­ses gas­tos ou não va­mos a lu­gar ne­nhum”, afir­mou. Os prin­ci­pais ga­ti­lhos que po­dem ser in­cluí­dos na PEC en­vol­vem des­pe­sas com pes­so­al, co­mo a per­mis­são, por exem­plo, de re­du­ção de jor­na­da e sa­lá­rio – o que foi proi­bi­do em re­cen­te jul­ga­men­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

Maia dis­se que os po­lí­ti­cos pre­ci­sam en­ten­der que o cres­ci­men­to permanente das des­pe­sas es­tá des­truin­do a po­lí­ti­ca. Pa­ra ele, é pre­ci­so en­ca­rar es­sa mu­dan­ça pa­ra que a po­lí­ti­ca vol­te a ter “ca­pa­ci­da­de dis­cri­ci­o­ná­ria”. Is­so sig­ni­fi­ca apor­tar os re­cur­sos de in­ves­ti­men­tos pa­ra as áre­as de in­te­res­se. “Ou va­mos fi­car en­xu­gan­do ge­lo ar­ru­man­do re­cei­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as”, pre­viu. Ele lem­brou que as des­pe­sas pa­ra cus­teio da má­qui­na e in­ves­ti­men­tos já es­ti­ve­ram no pa­ta­mar de R$ 200 bi­lhões. Pa­ra 2020, as cha­ma­das des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as – que reú­nem gas­tos com itens co­mo com­pra de ma­te­ri­ais, diá­ri­as, ener­gia elé­tri­ca, além de in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra e bol­sas de es­tu­do – es­tão es­ti­ma­das em R$ 89,161 bi­lhões.

Ele res­sal­tou que o Es­ta­do ban­ca ho­je, com o pa­ga­men­to das des­pe­sas de Pre­vi­dên­cia, pes­so­al e ju­ros, 33% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB), re­cur­sos que são ti­ra­dos da so­ci­e­da­de to­dos os anos. Re­for­ma. No go­ver­no, a pro­pos­ta de re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va es­tá avan­ça­da. Ela vai ata­car o pro­ble­ma da pro­gres­si­vi­da­de rápida das car­rei­ras de Es­ta­do e re­du­zir os sa­lá­ri­os ini­ci­ais. Na mai­o­ria de­las, o ser­vi­dor che­ga ao to­po em ape­nas cin­co anos.

Maia tem si­do um fer­re­nho

• Car­rei­ras de Es­ta­do O pre­si­den­te da Câmara, Ro­dri­go maia, de­fen­deu o en­vio ur­gen­te pe­lo go­ver­no da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra re­du­zir as car­rei­ras de Es­ta­do e aca­bar com a es­ta­bi­li­da­de do ser­vi­dor.

de­fen­sor da ma­nu­ten­ção do te­to de gas­tos, cri­a­do no go­ver­no do ex-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, e con­trá­rio a me­xer na nor­ma pa­ra po­der, por exem­plo, ex­cluir os in­ves­ti­men­tos da re­gra. “O que adi­an­ta ti­rar a des­pe­sa de in­ves­ti­men­to e não con­tro­lar a des­pe­sa obri­ga­tó­ria que es­tá in­de­xa­da em 80% de to­do o Or­ça­men­to pú­bli­co?”, ques­ti­o­nou. “Se­rá que es­sas pes­so­as não en­ten­de­ram que o Es­ta­do es­tá fa­li­do?”.

O pre­si­den­te da Câmara ava­li­ou que o en­vio de uma pro­pos­ta de Or­ça­men­to de 2020 bas­tan­te aper­ta­da se­rá “bom” por­que vai ge­rar es­tres­se com os mi­nis­tros, o que de­ve pres­si­o­nar o Par­la­men­to a en­con­trar so­lu­ções pa­ra au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­tos.

Pa­ra o de­pu­ta­do Pe­dro Pau­lo, Maia tem uma pre­o­cu­pa­ção po­lí­ti­ca por­que a pres­são tem cres­ci­do no Con­gres­so por um “fu­ra-te­to” que li­be­re mais gas­tos no Or­ça­men­to. “Hou­ve uma su­pe­res­ti­ma­ção dos efei­tos da re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria, uma ex­pec­ta­ti­va de que ela so­zi­nha ga­ran­ti­ria 10 anos de cres­ci­men­to”, dis­se. “Es­sa pro­pos­ta ga­ran­te um ajus­te de ta­ma­nho igual ou mai­or que a Pre­vi­dên­cia, e de for­ma ime­di­a­ta.”

O de­pu­ta­do au­tor da PEC des­ta­cou que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia vai ge­rar um im­pac­to de R$ 85 bi­lhões até o fim do man­da­to do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Os ga­ti­lhos, por sua vez, se­gun­do o par­la­men­tar, têm po­der pa­ra um ajus­te mai­or que o do­bro dis­so.

DIDA SAM­PAIO/ES­TA­DÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.