Leia en­tre­vis­ta com Jack Whi­te so­bre o es­ta­do do rock na pág.

Mú­si­ca. Jack Whi­te traz o Ra­con­teurs ao Bra­sil e ana­li­sa o es­ta­do do rock’n’roll con­tem­po­râ­neo

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Gui­lher­me So­bo­ta

JACK WHI­TE MÚ­SI­CO NOR­TE-AME­RI­CA­NO

De Nash­vil­le, on­de vi­ve, Jack Whi­te res­pon­deu às se­guin­tes ques­tões so­bre o Ra­con­teurs, rock’n’roll e Amazô­nia.

A tur­nê do Ra­con­teurs já re­a­li­zou di­ver­sos shows nos EUA, o que vo­cê ti­ra da re­a­ção dos fãs?

Tem si­do in­crí­vel. On­de quer que a gen­te vá, são mui­tos ado­les­cen­tes e jo­vens adul­tos que re­al­men­te amam o rock’n’roll. Vol­tan­do, 10 anos de­pois, pen­sa­mos que nos­sos fãs es­ta­ri­am na meia-ida­de a es­sa al­tu­ra, mas não, há mui­tos jo­vens. É de­mais ver uma no­va ge­ra­ção en­tran­do nes­sa on­da.

O que é fa­zer tur­nês, com mais de 20 anos de tra­ba­lho?

Exis­te uma ten­ta­ção de cair em to­li­ces, co­mo se es­con­der no ho­tel, sair pa­ra co­mer 5 ve­zes por dia, ir atrás de ál­co­ol e dro­gas, en­tão é uma ten­ta­ti­va de evi­tar cair nes­sas ar­ma­di­lhas, se man­ter es­pon­tâ­neo e cri­a­ti­vo. Lem­brar que vo­cê es­tá ali pa­ra cri­ar, e não pa­ra sa­tis­fa­zer os de­se­jos de pas­sar o tem­po. É uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra ser cri­a­ti­vo, no pal­co, e di­vi­dir com as pes­so­as.

Os crí­ti­cos têm co­men­ta­do co­mo vo­cês en­tram de ma­nei­ra le­ve na po­lí­ti­ca, mas a ban­da nun­ca foi en­ga­ja­da. Ho­je vo­cê tem ne­ces­si­da­de de fa­lar so­bre is­so?

Um pou­co. Eu não qu­e­ro fa­lar o no­me de Do­nald Trump em voz al­ta, por­que, de al­gu­ma ma­nei­ra, faz ele so­ar mais po­de­ro­so. O ego de­le gos­ta, mes­mo de aten­ção ne­ga­ti­va. Ele vai de­sa­pa­re­cer, e nós olha­re­mos en­ver­go­nha­dos pa­ra es­te mo­men­to. É pre­ci­so mi­rar em uma atem­po­ra­li­da­de pa­ra li­dar com mú­si­ca. Às ve­zes me sin­to for­te o su­fi­ci­en­te pa­ra men­ci­o­nar, aí fa­lo de imi­gra­ção, nu­ma can­ção co­mo Icky Thump, do Whi­te Stri­pes, de 12 anos atrás. Aca­ba sen­do al­go que as pes­so­as ain­da co­men­tam ho­je em dia, en­tão é cu­ri­o­so. De vez em quan­do, eu fa­rei is­so.

Fa­lan­do so­bre So­me­days, mú­si­ca bas­tan­te pes­so­al do Bren­dan (par­cei­ro de ban­da), vo­cê dis­se que ten­ta não es­cre­ver so­bre mo­men­tos ruins pa­ra não fi­car re­vi­ven­do-os no fu­tu­ro. Há mú­si­cas que vo­cê evi­ta por is­so?

Eu ten­to não es­cre­ver des­sa for­ma. Nas mú­si­cas que es­cre­vi ao lon­go do tem­po ten­to, na mai­or par­te, cri­ar per­so­na­gens ima­gi­ná­ri­os. De vez em quan­do há uma ins­pi­ra­ção de al­go na vi­da re­al, e bo­as coi­sas po­dem vir des­sa em­prei­ta­da, mas eu não qu­e­ro ser tão es­pe­cí­fi­co so­bre is­so, num es­ti­lo Tay­lor Swift. To­do mun­do sa­be so­bre o que é, por que vo­cê es­tá di­zen­do aque­las coi­sas. E 10 anos de­pois, co­mo é que vo­cê vai can­tar aque­las pa­la­vras? Não faz mais sen­ti­do. Eu ten­to evi­tar es­se ti­po de coi­sa.

• Po­de ser uma gran­de ba­gun­ça. Cla­ro. As pes­so­as não en­ten­dem que quan­do sa­em com um com­po­si­tor po­dem ser uma in­fluên­cia e te­rão que li­dar com is­so pa­ra o res­to da sua vi­da (ri­sos), sem­pre que to­car aque­la mú­si­ca.

• Vo­cê tam­bém já dis­se que o sen­ti­men­to com o ál­bum no­vo é pa­re­ci­do com o do Whi­te Stri­pes no co­me­ço, ou se­ja: se­rá que as pes­so­as ain­da vão se im­por­tar com o rock es­te ano?

Sem­pre fi­co sur­pre­so com o qu­an­to o rock con­ti­nua se mo­vi­men­tan­do, se man­ten­do in­te­res­san­te pa­ra as pes­so­as. Mui­tas ve­zes, des­de que co­me­çou nos anos 1950, ele foi de­cla­ra­do mor­to, mas ele ain­da se mo­ve. Os ins­tru­men­tos evo­lu­em: ba­te­ri­as, gui­tar­ras, pi­a­no. Es­sas são coi­sas mui­to bá­si­cas com as quais as pes­so­as se im­por­tam mui­to, e elas pro­va­vel­men­te nun­ca irão em­bo­ra. Es­tão mui­to en­rai­za­das. En­tão, al­gu­mas ve­zes, as pes­so­as vão rom­per, fa­zer mú­si­cas com sin­te­ti­za­dor, e en­tão vol­tar pa­ra os ins­tru­men­tos acús­ti­cos. São fa­ses. Nu­ma ban­da, gos­to de co­me­çar do ze­ro a ca­da pro­je­to, sair, dar en­tre­vis­tas, fa­lar com pes­so­as, to­car em clu­bes pe­que­nos an­tes do lan­ça­men­to. É de­mais. Sin­to que es­tou co­me­çan­do do ze­ro a ca­da pro­je­to, se­ja com o De­ad We­ather, com o Whi­te Stri­pes, com o meu pro­je­to so­lo. É al­go mui­to ins­pi­ra­dor dei­xar is­so acon­te­cer.

• As pes­so­as per­gun­tam so­bre o fun­do nos­tál­gi­co da sua mú­si­ca des­de o co­me­ço da sua car­rei­ra. Quan­do as pes­so­as ou­vem al­go que elas não gos­tam, a mai­o­ria ape­nas ig­no­ra. Quan­do gos­tam, que­rem des­co­brir por que elas gos­tam da­qui­lo. Ah, é por­que soa co­mo AC/DC, ou co­mo The Hol­li­es, ou co­mo De­vo… há sem­pre uma ten­ta­ti­va de en­con­trar uma com­pa­ra­ção pa­ra ex­pli­car o gos­to. É OK. Eu nun­ca sen­tei e ten­tei emu­lar al­gu­ma coi­sa. Nun­ca quis fa­zer ne­nhu­ma ban­da mi­nha so­ar co­mo o The Kinks. Nun­ca fui as­sim. Es­cre­vo can­ções e al­gu­mas de­las so­am co­mo coi­sas mais an­ti­gas, se­ja pe­las idei­as, pe­los ins­tru­men­tos, pe­la ati­tu­de, mas são aci­den­tes fe­li­zes. Eu não li­go quan­do me di­zem que al­go que fiz soa co­mo uma can­ção do De­ep Pur­ple. Se al­guém con­se­gue ti­rar al­go da­qui­lo, su­per. Fi­co fe­liz.

• Co­mo vo­cê vê as pes­so­as li­dan­do com es­se te­ma ho­je em dia?

A mú­si­ca nos úl­ti­mos 10 anos, por cau­sa da in­ter­net, tem si­do um lu­gar mui­to frá­gil. É um ambiente as­sus­ta­do com a ideia do que vai ser da­qui a 3 me­ses, da­qui a um ano. O que vai acon­te­cer com a in­dús­tria. Pen­sei nis­so com a Third Man Re­cords. Não im­por­ta o que acon­te­ça com a in­dús­tria da mú­si­ca, por­que es­se vai ser o meu mun­do. Ago­ra, te­mos a nos­sa pró­pria fá­bri­ca de dis­cos. Ba­si­ca­men­te, po­de­mos gra­var as mú­si­cas, fa­zer o dis­co fí­si­co e nin­guém po­de nos pa­rar. Es­se é um lu­gar bom. Nem to­do mun­do tem o luxo de cri­ar um mun­di­nho pró­prio, en­tão o que as ou­tras gra­va­do­ras fa­zem é fi­car bas­tan­te cau­te­lo­sas. Ob­vi­a­men­te, ago­ra a in­dús­tria da mú­si­ca é stre­a­ming e vi­nil, es­ses são os dois mei­os que vão du­rar na pró­xi­ma dé­ca­da. O jei­to que as pes­so­as di­ge­rem a mú­si­ca ago­ra le­va pa­ra al­go co­mo Old Town Ro­ad, do Lil Nas X, ser atra­en­te e se tor­nar um hit gi­gan­tes­co. O que se po­de apren­der dis­so? Foi uma ca­su­a­li­da­de ou foi al­go que as pes­so­as po­dem es­cu­tar e in­ves­tir nes­se ca­mi­nho?

Vo­cê tem uma li­ga­ção pes­so­al com a Amazô­nia, ao ter se ca­sa­do lá e fei­to um show his­tó­ri­co em Ma­naus. Vo­cê tem li­do so­bre os in­cên­di­os?

Eu leio, sim. Pa­re­ce mui­to tris­te. Não sei os de­ta­lhes, mas sei que to­do ano exis­tem quei­ma­das lá, às ve­zes até na­tu­ral, co­me­çam com rai­os e tal. É tris­te ou­vir que as pes­so­as es­tão pro­va­vel­men­te ex­plo­ran­do aqui­lo. Mas, ao mes­mo tem­po, quem so­mos nós pa­ra di­zer ao Bra­sil o que fa­zer? É o seu país, o seu meio ambiente, eu con­fio em vo­cês pa­ra di­zer a nós o que fa­zer, o que po­de­mos fa­zer. Eu es­pe­ro que vo­cês en­con­trem uma boa so­lu­ção.

O que vo­cê lem­bra da­que­le show de Ma­naus?

Foi ma­ra­vi­lho­so. Fa­la­ram pa­ra a gen­te que ha­via uma mul­ti­dão do la­do de fo­ra as­sis­tin­do, en­tão fo­mos lá pa­ra fo­ra. Que­ria que ti­vés­se­mos um mi­cro­fo­ne pa­ra to­car um pou­co mais al­to, ti­ve­mos que man­dar as pes­so­as pa­ra­rem de fa­lar (ri­sos). Mas foi um dos mo­men­tos mais ma­ra­vi­lho­sos da mi­nha vi­da.

Não qu­e­ro ser tão es­pe­cí­fi­co, no es­ti­lo Tay­lor Swift. Dez anos de­pois, co­mo é que vo­cê vai can­tar aque­las pa­la­vras?” Não li­go quan­do me di­zem que al­go que fiz soa co­mo uma can­ção do De­ep Pur­ple. Se al­guém con­se­gue ti­rar al­go da­qui­lo, su­per. Fi­co fe­liz”

STE­VEN SEBRING

A ban­da. Ra­con­teurs: Jack La­wren­ce, Jack Whi­te, Pa­trick Ke­e­ler e Bren­dan Ben­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.