Sí­no­do da Amazô­nia no fo­go das po­lê­mi­cas

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - DOM ODILO P. SCHERER CAR­DE­AL-AR­CE­BIS­PO DE SÃO PAU­LO

As ima­gens das quei­ma­das e da fu­ma­ça na Amazô­nia fo­ram am­pla­men­te di­vul­ga­das nas mí­di­as na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais nas úl­ti­mas se­ma­nas. Além dos pre­ci­o­sos pe­da­ços da flo­res­ta tro­pi­cal des­truí­dos, o fo­go tam­bém es­quen­tou a ca­be­ça de al­guns go­ver­nan­tes, a pon­to de le­var ao ní­vel das ofen­sas pes­so­ais e de cha­mus­car re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais. Não é pa­ra me­nos. A mai­or flo­res­ta tro­pi­cal do mun­do, da qual fa­zem par­te no­ve paí­ses da Amé­ri­ca do Sul, in­te­res­sa mui­to a ca­da um des­ses paí­ses, es­pe­ci­al­men­te ao Bra­sil, que de­tém so­zi­nho cer­ca de 60% des­se bi­o­ma ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te pró­di­go em vi­da, água e ri­que­zas do sub­so­lo.

Mas os in­te­res­sa­dos não são ape­nas es­ses no­ve paí­ses, pron­tos a le­van­tar a voz em de­fe­sa da sua so­be­ra­nia so­bre es­ses ter­ri­tó­ri­os. Mui­tos ou­tros paí­ses es­tão de olho na Amazô­nia. Tal­vez te­nha pas­sa­do pe­la ca­be­ça de al­gum go­ver­nan­te sau­do­so dos tem­pos co­lo­ni­ais a hi­pó­te­se ina­cei­tá­vel de uma “so­be­ra­nia re­la­ti­va” dos paí­ses amazô­ni­cos so­bre seus ter­ri­tó­ri­os. Em ge­ral, po­rém, o mun­do es­tá in­te­res­sa­do na Amazô­nia pe­lo fa­to de re­co­nhe­cer que se tra­ta de um bem ex­tra­or­di­ná­rio e úni­co, que tem im­por­tân­cia pa­ra to­dos os ha­bi­tan­tes do nos­so pla­ne­ta.

A pre­o­cu­pa­ção ge­ral di­an­te das ame­a­ças re­ais de des­trui­ção do ecos­sis­te­ma amazô­ni­co é com­pre­en­sí­vel e não se pre­ci­sa­ria pôr lo­go em xe­que a so­be­ra­nia na­ci­o­nal. Há in­te­res­se no cui­da­do da Amazô­nia e os paí­ses da área, além de fa­ze­rem o pos­sí­vel pa­ra cui­dar bem da Amazô­nia, po­de­ri­am acei­tar a aju­da de ou­tros paí­ses dis­pos­tos a fa­zê-lo. E até ti­rar van­ta­gem des­se in­te­res­se ge­ral, com­par­ti­lhan­do, de al­gu­ma for­ma, o ônus do bom cui­da­do des­se “bem pa­ra to­dos”, sem que se ques­ti­o­ne a so­be­ra­nia dos paí­ses da área.

Até mes­mo o Sí­no­do pa­ra a Amazô­nia, con­vo­ca­do pe­lo papa Francisco ain­da em 2017, aca­bou na mi­ra dos âni­mos mais aque­ci­dos. Es­se sí­no­do é um even­to da Igre­ja Ca­tó­li­ca com o ob­je­ti­vo de re­fle­tir so­bre o con­jun­to da re­a­li­da­de amazô­ni­ca, en­vol­ven­do o ho­mem, o am­bi­en­te na­tu­ral e a

mis­são da pró­pria Igre­ja na gran­de Amazô­nia. Pa­ra o sí­no­do fo­ram con­vo­ca­dos os bis­pos das di­o­ce­ses amazô­ni­cas dos no­ve paí­ses: Bra­sil, Bo­lí­via, Equa­dor, Peru, Colôm­bia, Ve­ne­zu­e­la e as três Gui­a­nas.

O papa Francisco não é con­trá­rio à so­be­ra­nia na­ci­o­nal nem à au­to­de­ter­mi­na­ção de ne­nhum país, nem con­vo­ca bis­pos pa­ra tra­ma­rem con­tra os le­gí­ti­mos in­te­res­ses de ca­da po­vo e ca­sa país. Não se jus­ti­fi­ca a sus­pei­ta, le­van­ta­da no am­bi­en­te aque­ci­do das pai­xões na­ci­o­na­lis­tas, de que a ação da Igre­ja Ca­tó­li­ca na Amazô­nia sir­va a in­te­res­ses es­tran­gei­ros. A es­se pro­pó­si­to con­vém lem­brar que os mis­si­o­ná­ri­os es­tão nos rin­cões mais re­ti­ra­dos da Re­gião Amazô­ni­ca des­de o sé­cu­lo 17 e pa­ra lá não fo­ram pa­ra es­cra­vi­zar in­dí­ge­nas, le­var em­bo­ra su­as ri­que­zas e de­vas­tar a na­tu­re­za. Mui­to ao con­trá­rio, por mui­to tem­po eles fo­ram os úni­cos a to­mar a de­fe­sa dos po­vos ori­gi­ná­ri­os da Amazô­nia con­tra a ga­nân­cia de quem ame­a­ça­va sua li­ber­da­de, su­as ter­ras e cul­tu­ras.

Em vez de re­ti­ra­rem na­vi­os de ri­que­zas, eles car­re­a­vam pa­ra a Amazô­nia re­cur­sos hu­ma­nos e ma­te­ri­ais em quan­ti­da­des nun­ca cal­cu­la­das nem alar­de­a­das, cui­dan­do da saú­de, da al­fa­be­ti­za­ção e da pro­mo­ção hu­ma­na e cul­tu­ral das po­pu­la­ções in­dí­ge­nas e ri­bei­ri­nhas. Qu­an­to su­or, qu­an­to san­gue e quan­tas lá­gri­mas ofe­re­ci­dos de ma­nei­ra si­len­ci­o­sa e in­can­sá­vel pe­la dig­ni­da­de e pe­los di­rei­tos hu­ma­nos da­que­las po­pu­la­ções, lon­ga­men­te es­que­ci­das pe­la so­ci­e­da­de e pe­lo Es­ta­do! E se no sé­cu­lo 18 o marquês de Pom­bal não ti­ves­se ex­pul­sa­do os je­suí­tas das mis­sões da Amazô­nia, o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, so­ci­al e cul­tu­ral da re­gião es­ta­ria bem mais avançado do que se en­con­tra atu­al­men­te.

A pre­o­cu­pa­ção da Igre­ja Ca­tó­li­ca com a des­trui­ção da Amazô­nia e com os pro­ble­mas am­bi­en­tais daí de­cor­ren­tes não se ini­ci­ou com o atual go­ver­no do Bra­sil, co­mo bem re­cor­da­ram os par­ti­ci­pan­tes do en­con­tro pre­pa­ra­tó­rio do sí­no­do da Amazô­nia, em agos­to, em Be­lém (PA). Em car­ta di­vul­ga­da, eles ex­pres­sa­ram no­va­men­te sua pre­o­cu­pa­ção di­an­te das ques­tões am­bi­en­tais da Amazô­nia e das ame­a­ças con­tra a ação da Igre­ja na­que­la re­gião. Re­cor­da­ram que des­de 1952 os bis­pos da área vêm to­man­do po­si­ção di­an­te des­ses pro­ble­mas. Em 1972, o papa Pau­lo VI fez um for­te apelo em fa­vor da Amazô­nia. “Cris­to apon­ta pa­ra a Amazô­nia”, dis­se ele, in­di­can­do que a Igre­ja de­via in­se­rir-se mais e mais na­que­la re­a­li­da­de.

Em 1990 os bis­pos da Amazô­nia emi­ti­ram o do­cu­men­to Em de­fe­sa da Amazô­nia, cha­man­do a aten­ção pa­ra o de­sas­tre eco­ló­gi­co imi­nen­te, com con­sequên­ci­as ca­tas­tró­fi­cas pa­ra to­do o ecos­sis­te­ma mun­di­al. Os ape­los em fa­vor da Amazô­nia tam­bém apa­re­cem no do­cu­men­to fi­nal da 5.ª Con­fe­rên­cia Ge­ral do Epis­co­pa­do La­ti­no-Ame­ri­ca­no e do Ca­ri­be, re­a­li­za­da em Apa­re­ci­da em 2007: a na­tu­re­za de­ve ser pro­te­gi­da con­tra to­da for­ma de de­pre­da­ção e des­trui­ção ir­ra­ci­o­nal. Ca­be-nos uma res­pon­sa­bi­li­da­de mo­ral di­an­te das ame­a­ças à Amazô­nia (cf. n.ºs 470-475).

No ma­ni­fes­to de Be­lém, aci­ma re­fe­ri­do, os par­ti­ci­pan­tes de­nun­ci­a­ram mais uma vez o en­ve­ne­na­men­to de ri­os e la­gos, a po­lui­ção do ar com as quei­ma­das, a pes­ca pre­da­tó­ria, a in­va­são de ter­ras in­dí­ge­nas por mi­ne­ra­do­ras, ga­rim­pos e ma­dei­rei­ras e o co­mér­cio ile­gal dos pro­du­tos da bi­o­di­ver­si­da­de. “De­fen­de­mos vi­go­ro­sa­men­te a Amazô­nia (...). A so­be­ra­nia bra­si­lei­ra so­bre es­sa par­te da Amazô­nia é pa­ra nós in­ques­ti­o­ná­vel. En­ten­de­mos, no en­tan­to, e apoi­a­mos a pre­o­cu­pa­ção do mun­do in­tei­ro em re­la­ção a es­se ma­cro­bi­o­ma, que de­sem­pe­nha uma im­por­tan­tís­si­ma fun­ção re­gu­la­do­ra do cli­ma pla­ne­tá­rio.” E con­cluí­ram: “To­das as na­ções são cha­ma­das a co­la­bo­rar com os paí­ses amazô­ni­cos e com as or­ga­ni­za­ções lo­cais em­pe­nha­das na pre­ser­va­ção da Amazô­nia, por­que des­sa ma­cror­re­gião de­pen­de a so­bre­vi­vên­cia dos po­vos e do ecos­sis­te­ma em ou­tras par­tes do Bra­sil e do Con­ti­nen­te”.

Não se jus­ti­fi­ca a sus­pei­ta de que a ação da Igre­ja Ca­tó­li­ca sir­va a in­te­res­ses es­tran­gei­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.