In­cên­dio em hos­pi­tal no Rio ma­ta 11, to­dos ido­sos; mai­o­ria so­freu as­fi­xia

Equi­pa­men­tos aos quais mui­tas ví­ti­mas es­ta­vam li­ga­das dei­xa­ram de fun­ci­o­nar. Há re­la­tos de fo­go em cen­tros mé­di­cos de 13 Es­ta­dos e em três se in­ves­ti­gam pro­ble­mas elé­tri­cos ou cur­tos, co­mo no Ba­dim. Le­gis­la­ções es­ta­du­ais e fe­de­rais es­tão em atu­a­li­za­ção

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - / FÁ­BIO GRELLET, BI­AN­CA GO­MES, CAIO SARTORI, CI­RO CAM­POS, FABIANA CAMBRICOLI, MAR­CIO DOLZAN e VI­NÍ­CIUS NEDER

O in­cên­dio que atin­giu an­te­on­tem o Hos­pi­tal Ba­dim, no Ma­ra­ca­nã, zo­na nor­te do Rio, dei­xou 11 mor­tos. As ví­ti­mas – qua­tro mu­lhe­res e se­te ho­mens – eram to­das ido­sas. Só nes­te ano, hou­ve mais de 20 ca­sos de fo­go em cen­tros mé­di­cos e le­gis­la­ções es­ta­du­ais e na­ci­o­nais ain­da es­tão em atu­a­li­za­ção.

Se­gun­do o Ins­ti­tu­to Mé­di­coLe­gal, a mai­o­ria dos óbi­tos foi por as­fi­xia. E os equi­pa­men­tos aos quais mui­tas ví­ti­mas es­ta­vam li­ga­das dei­xa­ram de fun­ci­o­nar com o fo­go. “Hou­ve des­com­pen­sa­ções das do­en­ças que as pes­so­as ti­nham”, dis­se a di­re­to­ra do IML, Ga­bri­e­la Gra­ça.

Pa­ci­en­tes ti­ve­ram de ser re­mo­vi­dos emer­gen­ci­al­men­te pa­ra a rua, as­sim que se cons­ta­tou o in­cên­dio, que se sus­pei­ta te­ve iní­cio em um cur­to-cir­cui­to no ge­ra­dor no sub­so­lo de um dos pré­di­os do com­ple­xo, por vol­ta das 18 ho­ras de an­te­on­tem. Acom­pa­nhan­tes se quei­xa­ram do aten­di­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os e de agen­tes pú­bli­cos, mas o di­re­tor mé­di­co Fá­bio San­to­ro dis­se que não hou­ve ca­sos de tru­cu­lên­cia ou in­ci­den­tes.

Dos 103 pa­ci­en­tes in­ter­na­dos, 77 fo­ram trans­fe­ri­dos pa­ra ou­tros 12 hospitais e 15 fo­ram pa­ra ca­sa. Além dis­so, pe­lo me­nos 20 fun­ci­o­ná­ri­os do lo­cal – que é as­so­ci­a­do da Re­de D’Or – e acom­pa­nhan­tes de pa­ci­en­tes aca­ba­ram in­ter­na­dos.

Por cau­sa do ca­lor e da fu­ma­ça que ain­da es­ta­vam no edi­fí­cio, o de­le­ga­do ti­tu­lar da 18.ª DP, Ro­ber­to Ra­mos, evi­tou dar on­tem um pra­zo pa­ra con­clu­são da in­ves­ti­ga­ção e da pe­rí­cia. Tes­te­mu­nhas e fun­ci­o­ná­ri­os já co­me­ça­ram a ser ou­vi­dos. Pe­la pre­fei­tu­ra, o lo­cal es­tá to­tal­men­te re­gu­la­ri­za­do. A De­fe­sa Ci­vil in­ter­di­tou, por mo­ti­vos de se­gu­ran­ça, o com­ple­xo mé­di­co e qua­tro imó­veis no en­tor­no.

Se­gu­ran­ça. A área de um hos­pi­tal on­de fi­cam os ge­ra­do­res de­ve ter es­tru­tu­ra que a iso­le das ou­tras alas do edi­fí­cio em ca­so de in­cên­dio e re­sis­ta ao fo­go e à fu­ma­ça por du­as ho­ras. É o que es­ta­be­le­ce re­gu­la­men­ta­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa). Se­gun­do a nor­ma, os pré­di­os dos hospitais de­vem ser di­vi­di­dos em com­par­ti­men­tos, ou se­ja, se­to­res pre­pa­ra­dos pa­ra to­le­rar o in­cên­dio sem que ele se ex­pan­da. “São co­mo cai­xas de sa­pa­to pe­las quais o fo­go, a fu­ma­ça e a tem­pe­ra­tu­ra não pas­sam”, ex­pli­ca Mar­cos Kahn, en­ge­nhei­ro es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça con­tra in­cên­dio e di­re­tor ad­mi­nis­tra­ti­vo da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to do Edi­fí­cio Hos­pi­ta­lar.

Des­de o iní­cio do ano, hou­ve ao me­nos 21 re­gis­tros de in­cên­dio em cen­tros hos­pi­ta­la­res de 13 Es­ta­dos. São três ca­sos no Rio: no In­fan­til Is­mé­lia da Silveira, de Du­que de Ca­xi­as; na San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia, de Cam­pos dos Goy­ta­ca­zes; e no Sa­na­tó­rio Oswal­do Cruz, em Pe­tró­po­lis. En­tre os re­la­tos do País, em pe­lo me­nos três ca­sos se sus­pei­ta de pro­ble­mas elé­tri­cos ou de cur­to-cir­cui­to – no Uni­ver­si­tá­rio Oswal­do Cruz, no Re­ci­fe (PE), no In­fan­til de Vi­tó­ria (ES) e no Re­gi­o­nal de Ta­gua­tin­ga (DF).

Até o co­me­ço des­te mês, o Es­ta­do do Rio se­guia um Có­di­go de Se­gu­ran­ça Con­tra In­cên­dio de 1976 que, ao lon­go dos anos, foi re­men­da­do com adi­ta­men­tos pou­co cla­ros, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do. A “col­cha de re­ta­lhos” foi subs­ti­tuí­da por um no­vo có­di­go cu­jo de­cre­to, ape­sar de pu­bli­ca­do em de­zem­bro de 2018, pas­sou a va­ler há ape­nas no­ve di­as. “A no­va le­gis­la­ção ele­vou as con­di­ções mí­ni­mas de pro­te­ção con­tra in­cên­dio”, ob­ser­vou Kahn. Mas a im­ple­men­ta­ção da le­gis­la­ção ain­da po­de de­mo­rar anos.

No Bra­sil, não há uma le­gis­la­ção fe­de­ral de in­cên­dio e ca­da Es­ta­do tem au­to­no­mia pa­ra es­ta­be­le­cer a pró­pria, ex­pli­ca o di­re­tor do Ins­ti­tu­to Sprin­kler Bra­sil, Mar­ce­lo Li­ma. “Após o epi­só­dio da Bo­a­te Kiss (2013), mui­tos Es­ta­dos co­me­ça­ram a atu­a­li­zar os có­di­gos, ten­do co­mo ba­se a le­gis­la­ção de São Pau­lo.”

Em abril, dois me­ses após o in­cên­dio no Ni­nho do Uru­bu (cen­tro de trei­na­men­to do Fla­men­go no Rio) e se­te me­ses após o fo­go des­truir o Mu­seu Na­ci­o­nal, a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Nor­mas Téc­ni­cas (ABNT) pu­bli­cou a nor­ma NBR 16.651, que es­ta­be­le­ce re­qui­si­tos de pro­te­ção con­tra in­cên­dio. “Ela é pi­o­nei­ra no se­tor e tem co­mo ob­je­ti­vo mi­ni­mi­zar os ris­cos”, ex­pli­cou Ro­ber­to Ra­mos, co­or­de­na­dor dos es­tu­dos da nor­ma.

Se­gun­do Emer­son Ba­ra­nos­ki, mes­tre em en­ge­nha­ria ci­vil e ma­jor da re­ser­va do Cor­po de Bom­bei­ros do Pa­ra­ná, a prin­ci­pal mu­dan­ça do no­vo có­di­go flu­mi­nen­se pa­ra o de 1976 é a in­clu­são do con­cei­to da pro­te­ção pas­si­va de se­gu­ran­ça con­tra o in­cên­dio. “Se as edi­fi­ca­ções vi­e­rem a ter o in­cên­dio, a ideia é que a pro­pa­ga­ção se­ja mi­ni­mi­za­da em fun­ção do mai­or con­tro­le do ti­po de ma­te­ri­al de aca­ba­men­to e re­ves­ti­men­to da edi­fi­ca­ção”, afir­mou. “Ou­tro as­pec­to abor­da­do foi a com­par­ti­men­ta­ção.”

Pa­ra Kahn, mes­mo as­sim os hospitais es­tão en­tre os imó­veis mais ne­gli­gen­ci­a­dos em re­la­ção à pro­te­ção con­tra incêndios. “A fal­sa cren­ça de que ‘não pe­ga fo­go’ aliada à im­pu­ni­da­de e à cer­te­za de que os bom­bei­ros não vão fe­char um lu­gar que não es­te­ja em ris­co imi­nen­te con­tri­bu­em pa­ra es­sa ne­gli­gên­cia.”

FO­TOS: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

1. Pre­fei­tu­ra diz que lo­cal es­ta­va 100% re­gu­la­ri­za­do; pu­bli­ca­do em de­zem­bro, o no­vo có­di­go de in­cên­dio do Rio só pas­sou a va­ler há 9 di­as

2. Qua­tro imó­veis no en­tor­no aca­ba­ram in­ter­di­ta­dos pe­la De­fe­sa Ci­vil

3. En­ter­ros já co­me­ça­ram a ser fei­tos; pe­lo me­nos 20 fi­ca­ram fe­ri­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.