Em tem­po re­al Li­te­ra­tu­ra.

Em ‘La­ke Suc­cess’, au­tor rus­so-ame­ri­ca­no Gary Sh­teyn­gart pin­ta retrato dos Es­ta­dos Uni­dos de Do­nald Trump com hu­mor afi­a­do.

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Gui­lher­me So­bo­ta

De for­te pe­ga­da sa­tí­ri­ca, o tra­ba­lho de Gary Sh­teyn­gart (es­cri­tor nas­ci­do em 1972 na União So­vié­ti­ca, que emi­grou aos 7 anos pa­ra No­va York) co­me­çou a ga­nhar a aten­ção da mí­dia ame­ri­ca­na com Ab­sur­dis­tão (2006), ro­man­ce em que um fi­lho de imi­gran­tes lu­ta pa­ra ga­nhar de vol­ta um amor per­di­do no South Bronx. São ou­tros três li­vros nas pra­te­lei­ras: O Pí­ca­ro

Rus­so (2002), Uma His­tó­ria de Amor Re­al e Su­per­tris­te (2010) e

Fra­cas­si­nho (2014).

Além, ago­ra, de La­ke Suc­cess (edi­to­ra To­da­via), seu elo­gi­a­dís­si­mo ro­man­ce mais re­cen­te, em que o es­cri­tor põe co­mo protagonis­ta, pe­la pri­mei­ra vez, um personagem ame­ri­ca­no. Bar­ry Cohen é um bi­li­o­ná­rio ad­mi­nis­tra­dor de fun­dos de ações que de­ci­de des­bra­var os Es­ta­dos Uni­dos com os ôni­bus da Greyhound após uma rus­ga na fa­mí­lia. Ele e sua mu­lher, Se­e­ma, li­dam (qua­se sem­pre mal) com o fi­lho no es­pec­tro au­tis­ta, e o li­vro se pas­sa em 2016, às vés­pe­ras da elei­ção de Do­nald Trump. O ro­man­ce se tor­na en­tão uma pro­fun­da re­fle­xão so­bre a “Amé­ri­ca” nos tem­pos atu­ais, com o to­que de hu­mor in­con­fun­dí­vel de Sh­teyn­gart. Por e-mail, ele res­pon­deu às se­guin­tes ques­tões.

Bar­ry só se sen­te li­vre de ver­da­de qu­an­do ten­ta en­con­trar seu ce­lu­lar no bol­so e ele não es­tá lá. To­dos nós nos apri­si­o­na­mos nos nos­sos pró­pri­os smartpho­nes? Vo­cê se sen­te as­sim?

Mui­to. Mi­nha ha­bi­li­da­de de ler e es­cre­ver foi se­ve­ra­men­te da­ni­fi­ca­da pe­lo iPho­ne. É di­fí­cil fo­car, di­fí­cil pen­sar de­mo­ra­da­men­te, di­fí­cil apro­vei­tar a beleza da lin­gua­gem que cos­tu­ma­va ser a coi­sa mais im­por­tan­te do mun­do pa­ra mim. Eu fui ao cen­tro do Cír­cu­lo Ár­ti­co al­guns anos atrás, lon­ge de qual­quer si­nal, e foi o tem­po mais bo­ni­to da mi­nha vi­da re­cen­te. Li um li­vro de cabo a ra­bo em pou­cos di­as, do jei­to que li­vros fo­ram fei­tos pa­ra se­rem li­dos.

A His­tó­ria ge­ral­men­te le­va mais tem­po do que um par de anos pa­ra ana­li­sar even­tos co­mo a elei­ção de 2016 nos EUA. Vo­cê fez um tra­ba­lho bem rá­pi­do aqui, com ficção. Co­mo vo­cê ava­lia o pa­pel da li­te­ra­tu­ra na aná­li­se de acon­te­ci­men­tos co­mo es­se?

É mui­to di­fí­cil tes­te­mu­nhar um dos gran­des de­sas­tres da his­tó­ria ame­ri­ca­na, da his­tó­ria do mun­do, e não es­cre­ver so­bre ele. Ao mes­mo tem­po, o ro­man­cis­ta es­tá mais pre­o­cu­pa­do com coi­sas bá­si­cas: fa­mí­lia, amor, re­la­ci­o­na­men­tos, de­se­jo. É pre­ci­so equi­li­brar a vi­da em mi­ni­a­tu­ra com a te­la hor­rí­vel dos even­tos mun­di­ais con­tem­po­râ­ne­os. Uma coi­sa que lí­de­res co­mo Trump e Bol­sa­na­ro (sic) fa­zem é do­mi­nar o dis­cur­so e pen­sa­men­to diá­rio de um jei­to bas­tan­te au­to­ri­tá­rio. É co­mo ter um retrato do Gran­de Lí­der pen­du­ra­do den­tro da sua ca­be­ça. Co­mo vol­ta­mos a apre­ci­ar a vi­da, a ar­te e a beleza on­de tu­do ao nos­so re­dor é do­mi­na­do pe­la feiu­ra, pe­lo egoís­mo e pe­la ga­nân­cia?

Se­e­ma diz: “Se­rá que to­dos os ho­mens es­ta­vam se­pa­ra­dos de su­as es­po­sas e seus fi­lhos por uma bar­rei­ra in­vi­sí­vel de fal­ta de no­ção?” Ho­mens têm uma pro­fun­da e in­trans­po­ní­vel ques­tão pa­ra en­ten­der as mu­lhe­res? Sim, es­cri­to­ras são mui­to me­lho­res ao es­cre­ver so­bre ho­mens do que o con­trá­rio. Acho que é por­que ho­mens, pe­lo me­nos da mi­nha ge­ra­ção, fo­ram cri­a­dos pa­ra pen­sar que o que eles ti­nham pa­ra di­zer era mui­to mais im­por­tan­te do que o que as mu­lhe­res ti­nham pa­ra di­zer. O re­sul­ta­do é es­sa “bar­rei­ra in­vi­sí­vel de fal­ta de no­ção”, en­rai­za­da na fal­ta de res­pei­to e em­pa­tia.

O nar­ra­dor diz que qu­an­do Se­e­ma pro­cu­ra na in­ter­net pe­lo pa­trimô­nio to­tal de Bar­ry, ela pen­sa que ne­nhum ho­mem com aque­le di­nhei­ro po­de­ria ser bur­ro. Vo­cê en­con­trou ho­mens bur­ros na sua con­vi­vên­cia com os mui­to ri­cos? Sim, eu pas­sei qua­tro anos sain­do com do­nos de fun­dos mul­ti­mer­ca­do, mui­tos va­len­do cen­te­nas de mi­lhões ou mes­mo bi­lhões. Eles eram bons de ti­rar di­nhei­ro dos seus in­ves­ti­do­res, mas não em ou­tras coi­sas, in­cluin­do vi­da fa­mi­li­ar. Por­que eles ti­nham fei­to al­gu­mas bo­as jo­ga­das no mer­ca­do, acha­vam que eram gê­ni­os, há­beis em coi­sas co­mo po­lí­ti­cas pú­bli­cas e fi­lan­tro­pia. Bar­ry so­nha em co­me­çar o Ur­ban Wat­ch Fund, uma fun­da­ção de ca­ri­da­de que dis­tri­bui Ro­lex pa­ra cri­an­ças po­bres na cra­co­lân­dia. A ideia soa re­al­men­te es­tú­pi­da, mas é exa­ta­men­te o ti­po de ini­ci­a­ti­va boa e egoís­ta que eu fre­quen­te­men­te ou­via das pes­so­as no mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

Bar­ry diz so­bre a vi­o­lên­cia com ar­mas de fo­go nos EUA que aque­le é o pre­ço a se pa­gar por vi­ver na “Amé­ri­ca”. El Pa­so, uma ci­da­de im­por­tan­te no li­vro, re­cen­te­men­te pas­sou por um epi­só­dio de vi­o­lên­cia. É complicado, mas pa­ra on­de vai es­sa ques­tão nos pró­xi­mos anos?

A As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Ri­fles (NRA) é mui­to for­te nos Es­ta­dos Uni­dos e pra­ti­ca­men­te con­tro­la o par­ti­do Re­pu­bli­ca­no. Vai ser mui­to di­fí­cil con­tro­lar a vi­o­lên­cia com ar­mas de fo­go no nos­so país. Há qua­se 70 pá­gi­nas de La­ke Suc­cess que ser­vem co­mo uma lon­ga car­ta de amor pa­ra a ci­da­de de El Pa­so. Eu fi­quei de co­ra­ção par­ti­do pe­lo que acon­te­ceu, a fal­ta de sen­ti­do e o ra­cis­mo da­qui­lo.

Bar­ry só co­me­ça re­al­men­te a odi­ar Trump qu­an­do ele zom­ba de uma pes­soa com de­fi­ci­ên­cia. Vo­cê acha que as pes­so­as sem­pre pre­ci­sam de um as­sun­to pes­so­al pa­ra se en­ga­jar na po­lí­ti­ca?

Pa­re­ce que sim. En­con­trei do­nos de fun­dos mul­ti­mer­ca­do que eram pro­fun­da­men­te ho­mo­fó­bi­cos até um de seus fi­lhos se as­su­mir gay. En­tão, de re­pen­te, eles eram fa­vo­rá­veis ao ca­sa­men­to gay. Se­res hu­ma­nos são bas­tan­te pre­vi­sí­veis.

O Bra­sil é men­ci­o­na­do vá­ri­as ve­zes no li­vro, cer­to? Al­gu­ma his­tó­ria par­ti­cu­lar por aqui?

Cla­ro! Es­ti­ve no Bra­sil al­gu­mas ve­zes. Que país en­can­ta­dor. Sal­va­dor, eu acho, foi mi­nha ci­da­de pre­fe­ri­da. E a ca­pi­va­ra é o meu ani­mal pre­fe­ri­do. Eu pen­sei em com­prar um lu­gar e cri­ar al­gu­mas ‘ca­pis’, mas é mui­to tra­ba­lho.

BRENDAN MCDERMID/REU­TERS

Ma­di­son Squa­re Park. Bi­li­o­ná­ri­os, per­so­na­gens vi­vem na área cen­tral de Ma­nhat­tan

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.