Ob­ses­são por cur­ti­das es­tá em que­da nas re­des

Fa­ce­bo­ok, Twit­ter, YouTu­be e Ins­ta­gram fa­zem tes­tes e dei­xam de exi­bir outros da­dos, como to­tal de ins­cri­tos em ca­nais e per­fis; mu­dan­ça po­de ser si­nal de es­go­ta­men­to de mo­de­lo atu­al e ten­ta­ti­va de dei­xar in­ter­net mais ín­ti­ma, se­pa­ra­da em pe­que­nas bo­lhas

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Bruno Ro­ma­ni

Twit­ter, Ins­ta­gram, YouTu­be e Fa­ce­bo­ok fa­zem tes­tes e dei­xam de exi­bir da­dos como “li­kes”e to­tal de ins­cri­tos em ca­nais e per­fis. A mu­dan­ça po­de ser si­nal de es­go­ta­men­to do atu­al mo­de­lo e uma ten­ta­ti­va de dei­xar a in­ter­net li­vre de bo­lhas e da ação de robôs.

Pa­re­cia um tes­te ino­fen­si­vo, mas vi­rou uma ten­dên­cia que do­mi­nou a web: nos úl­ti­mos me­ses, Twit­ter, Ins­ta­gram, YouTu­be e Fa­ce­bo­ok anun­ci­a­ram ou já im­ple­men­ta­ram tes­tes pa­ra es­con­der nú­me­ros cru­ci­ais de su­as pla­ta­for­mas – como o de cur­ti­das em uma fo­to ou de ins­cri­tos em um ca­nal po­pu­lar (ve­ja mais no box). Por trás do dis­cur­so de me­lho­ra­ra ex­pe­ri­ên­cia– e a saú­de mental – dos usuá­ri­os, po­rém, as re­des so­ci­ais po­dem es­tar pres­tes ase de­pa­rar como es­go­ta­men­to de um mo­de­lo que mol­dou a in­ter­net na úl­ti­ma dé­ca­da: o “li­ke” como sinô­ni­mo de ex­pres­são on­li­ne e mé­tri­ca de ne­gó­ci­os.

Em fe­ve­rei­ro, o bo­tão Cur­tir fez dez anos. De lá pa­ra cá, aju­dou a po­pu­la­ri­zar um ti­po de in­te­ra­ção que fun­ci­o­na como fast- fo­od: rá­pi­da, ins­tan­ta­ne­a­men­te pra­ze­ro­sa, mas também su­per­fi­ci­al eque, em de­ma­sia, po­de fa­zer mal. Mais do que uma for­ma de ma­ni­fes­ta­ção, a cur­ti­da vi­rou ba­se pa­ra um sis­te­ma de mé­tri­cas pa­ra di­re­ci­o­na­men­to de anún­ci­os e in­cen­ti­vou o sur­gi­men­to de in­flu­en­ci­a­do­res digitais.

O nú­me­ro de cur­ti­das no Fa­ce­bo­ok pas­sou a em­pi­lhar da­dos so­bre há­bi­tos e gos­tos, além de in­di­car quais con­teú­dos e per­so­na­li­da­des são po­pu­la­res nas re­des so­cais. Tu­do is­so se es­prai­ou pa­ra ou­tras re­des – como o Ins­ta­gram, com­pra­do pe­lo Fa­ce­bo­ok em 2012 – e também em pro­du­tos de ri­vais, como o Twit­ter e o YouTu­be, do Google. Pro­cu­ra­das, as qua­tro pla­ta­for­mas não qui­se­ram par­ti­ci­par da re­por­ta­gem, mas con­fir­ma­ram os tes­tes ou a in­ten­ção de fa­zê-los em bre­ve.

Do la­do do usuá­rio, nas­ceu a cultura de pro­du­zir con­teú­do em bus­ca de li­kes, em uma es­pé­cie de con­cur­so de po­pu­la­ri­da­de. Pa­ra qu­em não con­se­gue cri­ar con­teú­dos que “vi­ra­li­zam”, sur­gi­ram em­pre­sas que ven­dem li­kes–co­ma aju­da de “fa­zen­das de robôs”, mi­lha­res de dis­po­si­ti­vos pron­tos pa­ra cur­tir al­go ou po­pu­la­ri­zar uma #hash­tag nas re­des.

Hoje, bas­ta abri­ra car­tei­ra pa­ra ser po­pu­lar – mas es­se co­mér­cio ge­rou de­se­qui­lí­brio. “O li­ke fun­ci­o­nou bem até os robôs

sur­gi­rem”, diz Luis Pe­res Ne­to, pro­fes­sor da ESPM. Pa­ra as em­pre­sas e mar­cas, fi­cou di­fí­cil de­ter­mi­nar o que de fa­to fazia su­ces­so e o que era ar­ti­fi­ci­al. Pa­ra os usuá­ri­os, a pres­são só cres­ceu.

“As cur­ti­das aju­dam a de­ter­mi­nar quais con­teú­dos são dis­tri­buí­dos pe­los al­go­rit­mos – quan­to mais li­kes, mais uma pu­bli­ca­ção apa­re­ce”, ex­pli­ca Fa­bro Stei­bel, di­re­tor executivo

do Instituto de Tec­no­lo­gia e Sociedade (ITS). “Is­so ge­rou um am­bi­en­te tó­xi­co, que fa­vo­re­ce o ex­tre­mis­mo – al­go que não é be­né­fi­co pa­ra as re­des so­ci­ais e seus cli­en­tes, os anun­ci­an­tes.”

Pro­je­ção.

Pa­ra ana­lis­tas, o su­mi­ço dos nú­me­ros de li­kes po­de ser um tes­te pa­ra o fu­tu­ro das re­des so­ci­ais. “Acho que as em­pre­sas que­rem en­ten­der se, sem os li­kes, po­de­rão re­ver­ter a ten­dên­cia de que­da nas pos­ta­gens e no nú­me­ro de usuá­ri­os”, diz Le­an­dro Bra­vo, di­re­tor de re­la­ci­o­na­men­to da agência Ce­le­bryts, que li­da com in­flu­en­ci­a­do­res digitais.

Na vi­são de Bra­vo, é pos­sí­vel que o su­mi­ço dos li­kes se­ja até uma me­di­da pa­ra ca­mu­flar uma pos­sí­vel que­da na po­pu­la­ri­da­de. A te­o­ria se apli­ca prin­ci­pal­men­te ao Fa­ce­bo­ok, que re­gis­tra que­das no en­ga­ja­men­to dos

usuá­ri­os. Em abril des­te ano, uma pes­qui­sa do Da­ta­fo­lha mos­trou que 56% dos bra­si­lei­ros on­li­ne ti­nham uma conta na re­de so­ci­al. Em 2017, eram 61%.

Es­con­der o nú­me­ro de cur­ti­das também po­de aju­dar a mas­ca­rar como seu al­go­rit­mo – uma re­cei­ta cheia de tem­pe­ros se­cre­tos – fun­ci­o­na. Sem a re­fe­rên­cia dos li­kes, é mais di­fí­cil per­ce­ber as mu­dan­ças da “fór­mu­la má­gi­ca”.

An­tes de ter uma res­pos­ta de­fi­ni­ti­va, é pos­sí­vel ima­gi­nar que ne­nhum dos tes­tes se­ria re­a­li­za­do ca­so as re­des so­ci­ais não es­ti­ves­sem de olho em ou­tras mé­tri­cas de su­ces­so dos con­teú­dos. En­tre os da­dos já usa­dos es­tão comentário­s, com­par­ti­lha­men­tos, en­ga­ja­men­to, nú­me­ro de pos­ta­gens por usuá­rio e vi­su­a­li­za­ções. “O nú­me­ro de vi­su­a­li­za­ções pas­sa a im­por­tar mais que o li­ke”, diz Fá­bio Ma­li­ni, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Es­pí­ri­to San­to.

Ma­li­ni lem­bra que os Sto­ri­es, recurso cri­a­do pe­lo Snap­chat e co­pi­a­do pe­lo Ins­ta­gram, já dis­pen­sa os li­kes e en­tre­ga o nú­me­ro de vi­su­a­li­za­ções pa­ra o do­no da conta. O Fa­ce­bo­ok acres­cen­tou Sto­ri­es em to­dos os seus ser­vi­ços, in­cluin­do o What­sApp. Se­gun­do o pro­fes­sor, es­sa au­ra mais in­ti­mis­ta im­pul­si­o­na a quan­ti­da­de de pos­ta­gens por par­te dos usuá­ri­os – o que aju­da a ga­ran­tir a aten­ção de to­dos e o fun­ci­o­na­men­to das re­des.

A in­ter­net “pós-li­ke”, dizem es­pe­ci­a­lis­tas, é mais fo­ca­da em pe­que­nas co­mu­ni­da­des do que nu­ma mul­ti­dão de co­ne­xões. É qua­se uma an­tí­te­se da pro­mes­sa de co­nec­tar to­do mun­do o tem­po to­do. Ago­ra, se­rá ca­da um na sua bo­lha, cri­a­da em tor­no de um in­te­res­se es­pe­cí­fi­co. “Você não pre­ci­sa de mil ami­gos, porque só se im­por­ta com 50”, diz Stei­bel. “A me­ta das re­des é que você in­te­ra­ja ca­da vez mais com es­se pe­que­no grupo.”

DA­NI­EL TEI­XEI­RA/ESTADÃO

Mu­dan­ça. Pa­ra os es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo ‘Es­ta­do’, uma no­va in­ter­net vai sur­gir após o fim da con­ta­gem de ‘li­kes’, mais fo­ca­da em pe­que­nos ni­chos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.