Os dis­cur­sos do Brasil na ONU

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - •✽ CEL­SO LAFER ✽ PRO­FES­SOR EMÉRITO DA USP, FOI MI­NIS­TRO DE RE­LA­ÇÕES EXTERIORES (1992 E 2001-2002). NES­SA CON­DI­ÇÃO PRONUNCIOU O DIS­CUR­SO DO BRASIL NA ONU EM 1992 E 2002

AONU é a grande ex­pres­são do mul­ti­la­te­ra­lis­mo. O mul­ti­la­te­ra­lis­mo co­me­çou a to­mar for­ma no iní­cio do sé­cu­lo 20. Re­sul­tou da di­nâ­mi­ca das trans­for­ma­ções que uni­fi­ca­ram a hu­ma­ni­da­de, pa­ra o bem e pa­ra o mal, tor­nan­do o mun­do fi­ni­to e in­ter­de­pen­den­te.

Foi o que pas­sou a exi­gir me­ca­nis­mos ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­dos de co­o­pe­ra­ção en­tre os Es­ta­dos por meio de or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais. Es­tas cri­am ta­bu­lei­ros di­plo­má­ti­cos que ge­ram nor­mas e pau­tas de con­du­ta, ela­bo­ra­das co­le­ti­va­men­te pe­los Es­ta­dos pa­ra re­ge­rem su­as re­cí­pro­cas re­la­ções. Es­sas pau­tas e nor­mas ex­pres­sam em dis­tin­tas con­jun­tu­ras o pos­sí­vel da co­o­pe­ra­ção e do en­ten­di­men­to in­ter­na­ci­o­nal. São sem­pre uma con­tí­nua, po­rém es­qui­va, con­quis­ta da ra­zão po­lí­ti­ca.

O Brasil par­ti­ci­pou dos mo­men­tos inau­gu­rais da di­plo­ma­cia mul­ti­la­te­ral: a Con­fe­rên­cia de Paz de Haia em 1907 e a Con­fe­rên­cia de Pa­ris de 1919, a qual, ao tér­mi­no da 1.ª Guer­ra Mun­di­al, le­vou à cri­a­ção da Sociedade das Na­ções. A par­tir des­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, o pen­sa­men­to di­plo­má­ti­co bra­si­lei­ro iden­ti­fi­cou no mul­ti­la­te­ra­lis­mo um dos caminhos pa­ra a ação da po­lí­ti­ca ex­ter­na do País. Ava­li­ou que um país como o nos­so, de es­ca­la con­ti­nen­tal, sem “ex­ce­den­tes de po­der” – como di­zia o chanceler Sa­rai­va Gu­er­rei­ro –, mas com “in­te­res­ses ge­rais” na di­nâ­mi­ca de fun­ci­o­na­men­to do mun­do que o afe­ta, é nos ta­bu­lei­ros do mul­ti­la­te­ra­lis­mo que sua voz en­con­tra es­pa­ço pa­ra efe­ti­va ar­ti­cu­la­ção.

No âm­bi­to da ONU, o mo­men­to de mai­or sig­ni­fi­ca­do da ar­ti­cu­la­ção da voz do Brasil é o dis­cur­so de aber­tu­ra dos de­ba­tes anu­ais da As­sem­bleia-Ge­ral. A prá­ti­ca con­so­li­dou a tra­di­ção de que ca­be ao Brasil es­se dis­cur­so. É o que vem sen­do fei­to des­de 1946.

A opor­tu­ni­da­de de ser o pri­mei­ro a fa­lar nos de­ba­tes da As­sem­bleia-Ge­ral fez com que os che­fes das de­le­ga­ções do Brasil na ONU – fos­sem em­bai­xa­do­res cre­den­ci­a­dos, mi­nis­tros das Re­la­ções Exteriores ou os pró­pri­os pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca – pro­nun­ci­as­sem um dis­cur­so abran­gen­te. Na ava­li­a­ção de Luiz Fe­li­pe de Seixas Corrêa, que su­pe­ri­or­men­te or­ga­ni­zou a

pu­bli­ca­ção des­ses dis­cur­sos, an­te­ce­den­do-os de uma es­cla­re­ce­do­ra aná­li­se de seus con­tex­tos in­ter­nos e ex­ter­nos, o que os ca­rac­te­ri­za é uma apre­ci­a­ção da si­tu­a­ção in­ter­na­ci­o­nal que é a mol­du­ra pa­ra a enun­ci­a­ção da vi­são bra­si­lei­ra do mun­do e pa­ra a sub­se­quen­te apre­ci­a­ção das prin­ci­pais ques­tões in­ter­na­ci­o­nais. É o que os di­fe­ren­cia “da grande mai­o­ria das de­le­ga­ções que in­ter­vêm no de­ba­te ge­ral, mais pre­o­cu­pa­das com ques­tões tó­pi­cas” (A Palavra do Brasil nas Na­ções Uni­das – 19462011, 3.ª edi­ção).

É con­si­de­rá­vel o de­sa­fio en­vol­vi­do na ela­bo­ra­ção des­se ti­po de dis­cur­so. Re­quer um olhar sem­pre atu­a­li­za­do so­bre as mu­dan­ças da re­a­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal e, pa­ra ser de­vi­da­men­te abran­gen­te, a ca­pa­ci­da­de de cap­tar o que acon­te­ce no nos­so con­tex­to re­gi­o­nal. O dis­cur­so na ONU é uma im­por­tan­te opor­tu­ni­da­de de con­tri­buir pa­ra a de­fi­ni­ção da agen­da glo­bal e, nes­se âm­bi­to, for­mu­lar como ela en­se­ja a tra­du­ção das ne­ces­si­da­des in­ter­nas em pos­si­bi­li­da­des ex­ter­nas.

O histórico dos dis­cur­sos dei­xa en­tre­ver, como aponta Seixas Cor­rea, al­gu­mas di­co­to­mi­as que ca­rac­te­ri­zam a for­mu­la­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na bra­si­lei­ra. Ex­pres­sam as com­ple­xas di­men­sões do nos­so país. En­tre elas: re­a­lis­mo/ide­a­lis­mo, rei­vin­di­ca­ção/in­ven­ção, oci­den­ta­lis­mo/ter­cei­ro-mun­dis­mo, de­mo­cra­cia/au­to­ri­ta­ris­mo, con­ti­nui­da­de/mu­dan­ça.

Ape­sar dis­so, não obs­tan­te mu­dan­ças de ên­fa­se e ori­en­ta­ções, que pro­vêm de dis­tin­tas con­jun­tu­ras in­ter­nas e in­ter­na­ci­o­nais, há uma cons­tan­te es­tá­vel que tem sua ori­gem na sin­gu­la­ri­da­de do lu­gar que o Brasil ocupa no mun­do. No es­pa­ço de per­mis­si­bi­li­da­de que o mun­do nos ofe­re­ce, o ca­mi­nho tri­lha­do pe­lo Brasil na ex­pli­ci­ta­ção da sua voz es­tá ali­nha­do com as for­mu­la­ções de Rui Bar­bo­sa em Haia: con­tra­por-se ao ex­clu­si­vis­mo do po­der das gran­des po­tên­ci­as e atu­ar no concerto das na­ções não com o pe­so de su­as ar­mas ou com even­tu­ais am­bi­ções de po­tên­cia, mas com a for­ça de su­as ra­zões e a as­cen­dên­cia do seu Di­rei­to.

É por is­so que es­ses dis­cur­sos se têm opos­to ao uni­la­te­ra­lis­mo, sus­ten­tan­do os mé­ri­tos do mul­ti­la­te­ra­lis­mo, e ar­ti­cu­la­do a im­por­tân­cia da paz, da co­o­pe­ra­ção e da so­lu­ção pa­cí­fi­ca de con­tro­vér­si­as. Re­co­nhe­cem a he­te­ro­ge­nei­da­de do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal e seu con­se­quen­te plu­ra­lis­mo ide­o­ló­gi­co. Por is­so, sem es­pí­ri­to de cru­za­da ad­vo­gam o pa­pel das ne­go­ci­a­ções. Nas pa­la­vras do chanceler Ho­rá­cio Lafer – de grande atualidade num mun­do mul­ti­po­lar e per­me­a­do por ten­sões –, no seu dis­cur­so na ONU em 1960: “Fa­ce à inad­mis­si­bi­li­da­de de so­lu­ções bé­li­cas, o mun­do se acha con­fron­ta­do com a ne­ces­si­da­de de ajus­tar, por ne­go­ci­a­ção as di­fe­ren­ças que se­pa­ram as na­ções. O ca­mi­nho em bus­ca de so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas do nos­so tem­po é a ne­go­ci­a­ção per­ma­nen­te, o pro­pó­si­to de sem­pre ne­go­ci­ar”.

Os dis­cur­sos do Brasil na ONU têm si­do enun­ci­a­dos nu­ma lin­gua­gem apro­pri­a­da­men­te di­plo­má­ti­ca. É o que con­fe­re qua­li­da­de à sua voz e ao es­ti­lo de sua vi­são do mun­do, que agre­ga subs­tân­cia à re­pu­ta­ção do nos­so país. No en­si­na­men­to de Rui: “Hoje, com efei­to, mais do que nun­ca, a vi­da as­sim mo­ral como econô­mi­ca das na­ções é ca­da vez mais in­ter­na­ci­o­nal. Mais do que nun­ca, em nos­sos di­as, os po­vos sub­sis­tem de sua re­pu­ta­ção no ex­te­ri­or”.

A His­tó­ria não par­te do ze­ro a ca­da pe­río­do pre­si­den­ci­al. Por is­so, no pro­ces­so de re­da­ção do dis­cur­so da ONU, usu­al­men­te se le­va em conta o que foi di­to na aber­tu­ra dos de­ba­tes da As­sem­bleia-Ge­ral de 1946 até ago­ra e o pa­pel das for­ças in­ter­nas e ex­ter­nas que mo­du­la­ram a voz do Brasil. É o que lhe dá, em dis­tin­tas con­jun­tu­ras, co­e­rên­cia, elemento da re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal e de cre­di­bi­li­da­de.

Es­se é o pa­no de fun­do que per­meia o pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de que deve ter o pró­xi­mo dis­cur­so do Brasil na ONU, es­te mês. Uma de su­as exi­gên­ci­as é pre­ser­var no âm­bi­to mun­di­al a re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal do nos­so país.

Uma de su­as exi­gên­ci­as é pre­ser­var a re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal do nos­so país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.