Bancada evan­gé­li­ca é 13% mais go­ver­nis­ta

Fren­te par­la­men­tar é a que mais vo­ta com o Pla­nal­to nos úl­ti­mos 5 man­da­tos pre­si­den­ci­ais

O Estado de S. Paulo - - Política - Bruno Ri­bei­ro Ce­cí­lia do La­go

A pro­xi­mi­da­de cres­cen­te en­tre o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e o elei­to­ra­do ne­o­pen­te­cos­tal tem sur­ti­do efei­tos no Con­gres­so Na­ci­o­nal. A bancada evan­gé­li­ca da atu­al Le­gis­la­tu­ra, que tem 195 dos 513 de­pu­ta­dos – equi­va­len­te a 38% do to­tal de par­la­men­ta­res – é a mais go­ver­nis­ta dos úl­ti­mos cin­co man­da­tos pre­si­den­ci­ais. Es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do di­ver­gem ao ana­li­sar as causas des­se es­trei­ta­men­to de la­ços e o re­sul­ta­do dis­to pa­ra o fu­tu­ro po­lí­ti­co do pre­si­den­te.

Le­van­ta­men­to a par­tir do re­sul­ta­do de to­das as vo­ta­ções da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos nes­te ano, fei­to pe­lo Estadão Da­dos usan­do a fer­ra­men­ta Basô­me­tro

– que ana­li­sa o grau de “go­ver­nis­mo dos par­la­men­ta­res –, mos­tra que, de to­dos os vo­tos re­gis­tra­dos por evan­gé­li­cos, 90% fo­ram a fa­vor do go­ver­no.

Na Câ­ma­ra como um to­do, es­sa ta­xa é 13 pon­tos por­cen­tu­ais me­nor: 77%. O cál­cu­lo le­va em con­si­de­ra­ção to­das as vo­ta­ções em que o go­ver­no ori­en­ta sua ba­se, ou se­ja, in­di­ca como o de­pu­ta­do deve vo­tar. No go­ver­no Mi­chel Te­mer, a van­ta­gem evan­gé­li­ca foi de 12 pon­tos.

A di­fe­ren­ça é em re­la­ção aos go­ver­nos do PT. Nos man­da­dos dos ex-pre­si­den­tes Luiz Iná­cio Lu­la da Silva e Dil­ma Rous­seff, se­gun­do a aná­li­se, a bancada evan­gé­li­ca acom­pa­nha­va o ní­vel de go­ver­nis­mo da Câ­ma­ra, sem al­te­ra­ções re­le­van­tes. A di­fe­ren­ça no por­cen­tu­al de go­ver­nis­mo en­tre Câ­ma­ra e evan­gé­li­cos não pas­sou 3 pon­tos nos go­ver­nos pe­tis­tas. Com Bol­so­na­ro, o “go­ver­nis­mo” evan­gé­li­co é 13% mai­or.

Es­tra­té­gi­as. Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Car­los Me­lo, do Ins­per, a apro­xi­ma­ção de Bol­so­na­ro com o elei­to­ra­do evan­gé­li­co tem a ver não só com o au­men­to das ava­li­a­ções ne­ga­ti­vas do go­ver­no en­tre os elei­to­res em ge­ral, mas também com um cál­cu­lo: o de que es­sa de­sa­pro­va­ção deve su­bir ain­da mais, e es­pe­ci­al­men­te en­tre elei­to­res de ou­tra re­li­gião, os ca­tó­li­cos.

“O Sí­no­do da Amazô­nia es­tá pa­ra acon­te­cer e já in­di­cou que ha­ve­rá crí­ti­cas ao go­ver­no”, afir­ma Me­lo. Por is­so, se­ria im­por­tan­te re­for­çar os pi­sos de sua ava­li­a­ção de po­pu­la­ri­da­de – e os evan­gé­li­cos se­ri­am o que o pes­qui­sa­dor cha­ma de “bol­so­na­ris­mo hard”, aque­le que des­de o iní­cio da cam­pa­nha ti­nha li­ga­ção mais for­te com o pre­si­den­te.

Ou­tro fa­tor que im­põe a Bol­so­na­ro um mer­gu­lho no elei­to­ra­do evan­gé­li­co, se­gun­do Me­lo, são as elei­ções mu­ni­ci­pais do ano que vem, quan­do o partido do pre­si­den­te, e sua pró­pria ca­pa­ci­da­de de atrair vo­tos, se­rão tes­ta­dos. “Ele não po­de se co­lo­car como uma liderança tó­xi­ca” e pre­ci­sa de sua ba­se mais fi­el.

Car­los Me­lo diz ain­da que, no Con­gres­so, mais do que a bus­ca de leis que ga­ran­tam, por exem­plo, isen­ção de im­pos­tos pa­ra igre­jas, o apoio da bancada evan­gé­li­ca tem um ca­rá­ter de iden­ti­da­de con­jun­ta. “Uma coi­sa é lobby, ou­tra iden­ti­da­de”, dis­se.

O ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Edu­ar­do Grin, da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV), ava­lia que o mo­dus ope­ran­di do pre­si­den­te con­sis­te em re­for­çar an­ta­go­nis­mos, por meio de po­si­ções po­lê­mi­cas.

Des­sa for­ma, o mo­vi­men­to ao en­con­tro do elei­to­ra­do evan­gé­li­co ocor­re­ria mes­mo se a re­jei­ção de Bol­so­na­ro não es­ti­ves­se cres­cen­do. “A es­tra­té­gia de­le (Bol­so­na­ro) e outros lí­de­res como ele ao re­dor do mun­do é ga­ran­tir o apoio de um grupo, seus 30% do elei­to­ra­do, e con­tar com bom re­sul­ta­do na economia pa­ra con­se­guir uma par­te dos 30% do elei­to­ra­do que es­tá no cen­tro. Se a economia con­se­guir se re­cu­pe­rar, ele tem chan­ces. A es­tra­té­gia de Bol­so­na­ro pa­ra a re­e­lei­ção de­pen­de da economia”, afir­ma.

Pú­bli­co. A pro­por­ção da bancada evan­gé­li­ca no Con­gres­so é um pou­co mai­or do que o do por­cen­tu­al de bra­si­lei­ros que se de­cla­ram fiéis a al­gu­ma de­no­mi­na­ção ne­o­pen­te­cos­tal. O Instituto

Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE) aponta que os evan­gé­li­cos são cer­ca de 29% da po­pu­la­ção do País. E, pe­lo Da­ta­fo­lha, são cer­ca de 32% dos elei­to­res bra­si­lei­ros.

O elei­to­ra­do evan­gé­li­co é par­te im­por­tan­te do pú­bli­co que segura os ín­di­ces de apro­va­ção do pre­si­den­te nas pes­qui­sas de opi­nião. Nos le­van­ta­men­tos do Da­ta­fo­lha fei­tos nes­te ano, o to­tal de elei­to­res que acha o go­ver­no ruim ou pés­si­mo va­ri­ou de 30%, em abril, pa­ra 38%, em agos­to.

Mas, quan­do se re­cor­ta o elei­to­ra­do evan­gé­li­co des­se to­tal, o cres­ci­men­to da re­jei­ção foi me­nos ace­le­ra­do – de 23% pa­ra 27%. Na pes­qui­sa de bo­ca de ur­na fei­ta no dia da elei­ção, 69% das pes­so­as que se de­cla­ra­ram evan­gé­li­cas vo­ta­ram em Bol­so­na­ro pa­ra pre­si­den­te.

MI­CHEL JE­SUS/ C­MA­RA DOS DE­PU­TA­DOS-10/7/2019

Apoio. In­te­gran­tes da bancada evan­gé­li­ca re­a­li­zam ‘cul­to da San­ta Ceia’ na Câ­ma­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.