ANTICRIME NA MI­RA DE AD­VO­GA­DOS

Ca­te­go­ria se ar­ti­cu­la pa­ra re­for­çar atu­a­ção po­lí­ti­ca

O Estado de S. Paulo - - Política - Ricardo Ga­lhar­do Pe­dro Ven­ces­lau

No ras­tro da cres­cen­te ju­di­ci­a­li­za­ção da po­lí­ti­ca, ad­vo­ga­dos de di­ver­sas ver­ten­tes ide­o­ló­gi­cas têm se or­ga­ni­za­do por meio de ini­ci­a­ti­vas pes­so­ais, gru­pos de What­sApp ou de en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas pa­ra in­fluir de for­ma mais di­re­ta na po­lí­ti­ca. Foi por meio do grupo de What­sApp Prer­ro­ga­ti­vas, cri­a­do na vi­ra­da de 2013 pa­ra 2014, que ad­vo­ga­dos se or­ga­ni­za­ram pa­ra der­ru­bar dois itens do pa­co­te anticrime do mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sérgio Mo­ro.

De­pois de ou­vi­rem a ar­gu­men­ta­ção do cri­mi­na­lis­ta Fa­bio To­fic, pre­si­den­te do Instituto de De­fe­sa do Di­rei­to de De­fe­sa (IDDD) e as­so­ci­a­do do Prer­ro­ga­ti­vas, de­pu­ta­dos que in­te­gram o grupo de tra­ba­lho da Câ­ma­ra so­bre le­gis­la­ção pe­nal de­ci­diu re­ti­rar do pro­je­to de Mo­ro a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia e o cha­ma­do “plea bar­gain”, que cri­a­va a pos­si­bi­li­da­de de acor­dos en­tre acu­sa­ção e réus. “Eles nos aju­dam a cons­truir po­si­ções”, dis­se o de­pu­ta­do Paulo Tei­xei­ra (PT-SP), in­te­gran­te do grupo de tra­ba­lho.

Ou­tro exem­plo des­sa atu­a­ção mais in­ci­si­va foi a cri­a­ção do Con­sór­cio do Nor­des­te, for­ma­do pe­los no­ve Es­ta­dos

da re­gião com in­cen­ti­vo do Instituto pa­ra Re­for­ma das Re­la­ções en­tre Es­ta­do e Em­pre­sa (IREE), cri­a­do pe­lo advogado Wal­fri­do War­de. O con­sór­cio se trans­for­mou em po­lo de opo­si­ção ao go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro.

Nos úl­ti­mos anos, en­ti­da­des tra­di­ci­o­nais como o Instituto Bra­si­lei­ro de Ci­ên­ci­as Cri­mi­nais (IBCCRIM) e a pró­pria Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Brasil (OAB) pas­sa­ram a di­vi­dir es­pa­ço com ini­ci­a­ti­vas como Prer­ro­ga­ti­vas e IREE.

Quan­do foi cri­a­do, o Prer­ro­ga­ti­vas man­ti­nha 30 pes­so­as em um grupo de What­sApp. Hoje, pre­en­che as 250 va­gas per­mi­ti­das pe­lo apli­ca­ti­vo e tem uma fi­la de mais de 200 no­mes, trans­for­man­do-se em um ca­ta­li­sa­dor pa­ra a for­mu­la­ção de te­ses e mo­bi­li­za­ção de uma par­ce­la da eli­te da clas­se ju­rí­di­ca bra­si­lei­ra. Des­de a cri­a­ção, ape­nas cin­co pes­so­as dei­xa­ram o grupo, en­tre elas, Cris­ti­a­no Za­nin e Wa­les­ka Mar­tins, ad­vo­ga­dos do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Silva.

O Prer­ro­ga­ti­vas cri­ou ca­pa­ci­da­de de, por exem­plo, con­se­guir em pou­cas ho­ras mil as­si­na­tu­ras de ad­vo­ga­dos e ju­ris­tas in­flu­en­tes em de­fe­sa do pre­si­den­te da OAB, Fe­li­pe San­ta Cruz, al­vo re­cen­te de ata­ques do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, e in­fluir di­re­ta e de­ci­si­va­men­te em te­mas po­lí­ti­cos.

Há du­as se­ma­nas, o grupo or­ga­ni­zou em São Paulo um jan­tar com mais de 300 ad­vo­ga­dos pa­ra

ho­me­na­ge­ar o pe­na­lis­ta Ju­a­rez Ta­va­res. Du­ran­te o even­to, o cri­mi­na­lis­ta Antonio Clau­dio Ma­riz de Oli­vei­ra pe­diu a palavra e pe­diu aos co­le­gas pa­ra “ocu­par de no­vo a trin­chei­ra avan­ça­da da re­sis­tên­cia” e entrar na de­fe­sa do que clas­si­fi­cou como va­lo­res de­mo­crá­ti­cos.

Abu­so. Foi por meio do mes­mo grupo que, em 2018, o tu­ca­no Jo­sé Car­los Di­as foi le­va­do a de­cla­rar apoio a Fer­nan­do Had­dad no se­gun­do tur­no da cam­pa­nha pre­si­den­ci­al. Também par­tiu do Prer­ro­ga­ti­vas a ar­ti­cu­la­ção en­tre o IDDD e par­la­men­ta­res que ela­bo­ra­ram o pro­je­to da Lei do Abu­so de Au­to­ri­da­de. Al­guns dos prin­ci­pais itens do pro­je­to apro­va­do pe­la Câ­ma­ra saí­ram do grupo.

Em 2017, o Prer­ro­ga­ti­vas che­gou a en­sai­ar um mo­vi­men­to pa­ra se trans­for­mar em no­va en­ti­da­de e se con­tra­por à OAB. A ideia, no en­tan­to, foi aban­do­na­da em no­me da es­tra­té­gia de dis­pu­tar es­pa­ço na Or­dem. Hoje, o grupo tem in­te­gran­tes na di­re­ção de to­das as prin­ci­pais en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas dos ad­vo­ga­dos. “A ad­vo­ca­cia es­tá vol­tan­do a ter o pro­ta­go­nis­mo que te­ve na his­tó­ria do Brasil”, dis­se Ma­riz, que te­ve en­tre seus cli­en­tes o ex-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer.

Em­bo­ra boa par­te dos ad­vo­ga­dos que es­tão to­man­do o cen­tro do de­ba­te po­lí­ti­co es­te­ja no cam­po da cen­tro-es­quer­da, eles lem­bram que os co­le­gas Ja­nai­na Pas­cho­al (de­pu­ta­da es­ta­du­al pe­lo PSL), Miguel Re­a­le Jr. e Hé­lio Bi­cu­do fo­ram os pri­mei­ros a ocu­par a ri­bal­ta, em 2016, com o pe­di­do de im­pe­a­ch­ment da en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff.

Re­a­le, que par­ti­ci­pou da re­sis­tên­cia à di­ta­du­ra, lem­bra que na­que­la época a OAB ocu­pa­va o es­pa­ço do de­ba­te po­lí­ti­co. “Não ti­nha um grupo fora das instituiçõ­es. Es­se grupo Prer­ro­ga­ti­vas não tem nada a ver com OAB, as­so­ci­a­ção e instituto. É uma or­ga­ni­za­ção alheia às instituiçõ­es pro­pri­a­men­te di­tas, mas não co­nhe­ço di­rei­to.”

Economia. Com fo­co mais vol­ta­do pa­ra a economia, o IREE também se en­cai­xa nes­se per­fil. Cri­a­do em 2016 por War­de, do­no de um dos mai­o­res es­cri­tó­ri­os es­pe­ci­a­li­za­dos em fu­sões e aqui­si­ções em­pre­sa­ri­ais de São Paulo, o IREE pla­ne­ja pro­mo­ver dez con­fe­rên­ci­as só nes­te ano com eco­no­mis­tas como Del­fim Net­to, Luiz Gon­za­ga Bel­luz­zo, Gui­lher­me Mel­lo e Lau­ra Car­va­lho.

“Nas nos­sas re­des so­ci­ais, quan­do a gen­te ou­ve o Gui­lher­me Bou­los (co­or­de­na­dor do MTST) per­de um mon­te de gen­te, e quan­do ou­ve o Ma­jor Oli­pio (se­na­dor do PSL) também per­de um mon­te de gen­te”, dis­se o advogado. “De­pois volta.”

Há du­as se­ma­nas, ele reu­niu em um jan­tar o go­ver­na­dor do Ma­ra­nhão, Flávio Di­no (PC­doB), e o em­pre­sá­rio Flávio Ro­cha, apoi­a­dor de Bol­so­na­ro du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral do ano pas­sa­do. “Os dois con­ver­sa­ram mui­to ci­vi­li­za­da­men­te”, re­la­ta.

Des­de a Lava Jato, outros gru­pos sur­gi­ram como o Ju­ris­tas pe­la De­mo­cra­cia, Le­ga­li­da­de De­mo­crá­ti­ca, Bri­ga­das Ju­rí­di­cas e Pen­sa­do­res do Di­rei­to, nos quais os ad­vo­ga­dos se agru­pam se­gun­do afi­ni­da­des pro­fis­si­o­nais ou ide­o­ló­gi­cas. En­ti­da­des tra­di­ci­o­nais como o IBCCRIM também pas­sa­ram a ter atu­a­ção po­lí­ti­ca mais in­ci­si­va. “A gen­te te­ve a com­pre­en­são de que é pre­ci­so ter uma atu­a­ção po­lí­ti­ca”, dis­se a pre­si­den­te do instituto, Ele­o­no­ra Na­cif.

Há dois anos, o IBCCRIM cri­ou um De­par­ta­men­to de Atu­a­ção Po­lí­ti­ca com re­pre­sen­tan­te em Bra­sí­lia en­car­re­ga­do de ro­dar o Con­gres­so pa­ra acom­pa­nhar a tra­mi­ta­ção de projetos e le­var pro­pos­tas do instituto.

Pa­ra Ca­rol Pro­ner, dou­to­ra em Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal e co­or­ga­ni­za­do­ra do li­vro Comentário­s a uma Sen­ten­ça Anun­ci­a­da, que reú­ne tex­tos so­bre a con­de­na­ção de Lu­la na Lava Jato, a atu­a­ção po­lí­ti­ca dos ad­vo­ga­dos às ve­zes é con­fun­di­da com a de­fe­sa de po­lí­ti­cos cor­rup­tos. “Há es­te pre­con­cei­to. A gen­te es­tá de­fen­den­do ga­ran­ti­as e di­rei­tos e as pes­so­as nos es­tig­ma­ti­zam como de­fen­so­res de ban­di­dos.”

SILVANA GARZARO/ESTADÃO-28/8/2019

Jan­tar. Antonio Clau­dio Ma­riz de Oli­vei­ra (à esq.) e Augusto Ar­ru­da Bo­te­lho no en­con­tro or­ga­ni­za­do pe­lo grupo Prer­ro­ga­ti­vas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.