Em de­fe­sa do con­tro­le dos gas­tos pú­bli­cos

O Estado de S. Paulo - - Economia - AFFONSO CEL­SO PASTORE

De on­de vem a cren­ça, ma­ni­fes­ta por al­guns lí­de­res do País, de que di­an­te de pro­ble­mas di­fí­ceis sem­pre há so­lu­ções fá­ceis, “sem cus­tos”? Du­ran­te anos o país ig­no­rou o cres­ci­men­to ex­plo­si­vo dos gas­tos so­bre os quais o go­ver­no não tem con­tro­le – os gas­tos obri­ga­tó­ri­os –, e só evi­tou que pro­vo­cas­sem um cres­ci­men­to ex­plo­si­vo da dí­vi­da pú­bli­ca pe­lo au­men­to con­tí­nuo dos im­pos­tos. Por al­gum tem­po foi pos­sí­vel ge­rar os su­pe­rá­vits pri­má­ri­os ne­ces­sá­ri­os, mas ig­no­ra­mos que o cres­ci­men­to dos im­pos­tos afo­ga­ria o se­tor pri­va­do – em­pre­sá­ri­os e fa­mí­li­as –, con­tri­buin­do pa­ra pren­der o País na

ar­ma­di­lha do bai­xo cres­ci­men­to. A “fes­ta” con­ti­nu­ou até que de­mos um pas­so adi­an­te, ain­da que in­su­fi­ci­en­te, com a apro­va­ção do te­to de gas­tos e da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Es­ta­mos com a ren­da per ca­pi­ta 9 pon­tos por­cen­tu­ais abai­xo do pi­co ocor­ri­do no iní­cio de 2014, e a ace­le­ra­ção do cres­ci­men­to ain­da não es­tá à vis­ta. Quan­do os eco­no­mis­tas en­tram em pâ­ni­co, re­cor­rem a Key­nes, que en­si­nou que pa­ra ele­var o PIB de uma economia de­pri­mi­da existe um re­mé­dio uni­ver­sal – o au­men­to dos gas­tos pú­bli­cos. É o “mi­la­gre” do mul­ti­pli­ca­dor. Por que não afrou­xar o com­pro­mis­so com o con­tro­le dos gas­tos, ge­ran­do um im­pul­so fiscal que nos leve mais ra­pi­da­men­te ao ple­no em­pre­go? Com uma do­se de oti­mis­mo ain­da mai­or, há qu­em acre­di­te que, por ele­var a ar­re­ca­da­ção, o cres­ci­men­to do PIB ge­ra­ria um cír­cu­lo vir­tu­o­so, aju­dan­do a solucionar o pro­ble­ma fiscal.

Fe­liz­men­te exis­tem eco­no­mis­tas que res­pei­tam as evi­dên­ci­as em­pí­ri­cas e lan­çam aler­tas aos quais é pre­ci­so pres­tar aten­ção. Na Fo­lha de S. Paulo do úl­ti­mo do­min­go Lis­boa, Men­des e Gaz­za­no (Não Ati­re no Men­sa­gei­ro) lan­ça­ram um des­ses aler­tas. Se­rá que o mul­ti­pli­ca­dor key­ne­si­a­no é sem­pre o mes­mo, qual­quer que se­ja a fra­gi­li­da­de fiscal da economia, me­di­da pe­lo ta­ma­nho de sua dí­vi­da pú­bli­ca? A per­gun­ta tem res­pos­tas tan­to no âm­bi­to da te­o­ria, como no da evi­dên­cia em­pí­ri­ca.

Paí­ses com dí­vi­das pú­bli­cas mui­to gran­des não con­se­guem ele­var os gas­tos sem au­men­tar im­pos­tos, cu­jo efei­to co­la­te­ral é, no mí­ni­mo, o de re­du­zir a mag­ni­tu­de do “efei­to mul­ti­pli­ca­dor”. Pa­ra pro­var es­te pon­to, Lis­boa, Men­des e Gaz­za­no ci­tam dois tra­ba­lhos em­pí­ri­cos que con­vém re­su­mir ra­pi­da­men­te. Um é o de Il­zets­ki, Men­don­za e Vegh (How big (small) are fiscal mul­ti­pli­ers) no qual são ana­li­sa­dos 44 paí­ses (20 de ren­da ele­va­da e 24 emer­gen­tes), mos­tran­do que o ta­ma­nho do efei­to mul­ti­pli­ca­dor cai com o ta­ma­nho da dí­vi­da. Ou­tro é o de Ca­val­can­ti e Silva (Di­vi­da Pú­bli­ca, Po­lí­ti­ca Fiscal e Ní­vel de Ati­vi­da­de: uma abor­da­gem VAR pa­ra o Brasil no pe­río­do 1995-2008), no qual usam da­dos bra­si­lei­ros e che­gam às mes­mas conclusões. Nes­te úl­ti­mo me­re­ce des­ta­que que: se o ta­ma­nho da dí­vi­da for omi­ti­do da aná­li­se há um efei­to mul­ti­pli­ca­dor, mas es­te cai pa­ra ze­ro quan­do o ta­ma­nho da dí­vi­da é in­cluí­do ex­pli­ci­ta­men­te.

Os eco­no­mis­tas pre­ci­sam aprender a se cur­var às evi­dên­ci­as em­pí­ri­cas. Ain­da te­mos eco­no­mis­tas que in­ven­tam uma “nar­ra­ti­va” atra­en­te e sa­em em bus­ca de da­dos que a jus­ti­fi­quem. Mas há também outros – fe­liz­men­te um nú­me­ro apre­ciá­vel e com ex­ce­len­te for­ma­ção – que sub­me­tem su­as pro­po­si­ções a tes­tes em­pí­ri­cos, e in­cor­po­ram ao seu di­ag­nós­ti­co ape­nas as que so­bre­vi­vem ao ri­gor da com­pa­ra­ção com a re­a­li­da­de.

Re­cen­te­men­te co­me­ça­mos a as­sis­tir no Brasil a uma saí­da de ca­pi­tais apli­ca­dos em ren­da fi­xa que dei­xou al­guns per­ple­xos, mas que se ex­pli­ca fa­cil­men­te: di­an­te de nos­sa fra­gi­li­da­de fiscal o re­al tem uma vo­la­ti­li­da­de – e, por­tan­to, um ris­co – sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te su­pe­ri­or à dos de­mais paí­ses emer­gen­tes. Os efei­tos são tão im­por­tan­tes que le­va­ram o Ban­co Cen­tral a al­te­rar as su­as re­gras de in­ter­ven­ção no mer­ca­do de câm­bio, usan­do mais as in­ter­ven­ções no mer­ca­do à vis­ta. Es­ta é uma das tan­tas evi­dên­ci­as de que a fra­gi­li­da­de fiscal per­ce­bi­da pe­los es­tran­gei­ros que aqui in­ves­tem é ele­va­da.

O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não tem a me­nor ideia so­bre as pro­po­si­ções da fi­lo­so­fia de ci­ên­cia que le­vam à ne­ces­si­da­de de se co­lo­car uma hi­pó­te­se à pro­va, e parece acre­di­tar em “so­lu­ções sem cus­to” pa­ra pro­ble­mas di­fí­ceis, so­bre­tu­do quan­do a pro­mes­sa é de re­co­lo­car o Brasil na ro­ta do cres­ci­men­to ace­le­ra­do. Mas os eco­no­mis­tas que re­co­men­dam as po­lí­ti­cas que ele de­ve­ria co­lo­car em prá­ti­ca têm que re­co­nhe­cer a im­por­tân­cia das evi­dên­ci­as em­pí­ri­cas, e sua obri­ga­ção é tes­ta­rem su­as hi­pó­te­ses an­tes de as trans­for­ma­rem em re­co­men­da­ções.

✽ EX-PRE­SI­DEN­TE DO BAN­CO CEN­TRAL E SÓ­CIO DA A.C. PASTORE & AS­SO­CI­A­DOS. ES­CRE­VE QUINZENALM­ENTE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.