Nos EUA, ido­sos são a úl­ti­ma mo­da nas uni­ver­si­da­des

Co­mu­ni­da­des de ido­sos ane­xas aos câm­pus são opor­tu­ni­da­de pa­ra tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia en­tre ge­ra­ções – e também no­va fon­te de re­cei­ta

O Estado de S. Paulo - - Economia - Ane­mo­na Har­to­col­lis THE NEW YORK TI­MES

A fa­cul­da­de é um lu­gar pa­ra fu­gir da vigilância pa­ter­na no ca­so de mui­tos dos que es­tão in­gres­san­do. Mas uma ten­dên­cia ca­da vez mais ob­ser­va­da hoje – cri­ar uma co­mu­ni­da­de pa­ra apo­sen­ta­dos per­to das re­pú­bli­cas on­de vi­vem os alu­nos – po­de um dia le­var os es­tu­dan­tes a per­gun­ta­rem: “É uma vo­vó que es­tá por ali no pá­tio?”.

Mary Ja­ne Kar­ger e seu ma­ri­do, am­bos com 74 anos, fi­ze­ram um depósito de 10% num lar de ido­sos a ser cons­truí­do num es­pa­ço de 16 hec­ta­res den­tro dos 202 hec­ta­res do câm­pus do Pur­cha­se Col­le­ge, uma an­ti­ga fa­zen­da de ga­do que hoje per­ten­ce à Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de No­va York.

A com­pra faz par­te de um cres­cen­te nú­me­ro de uni­ver­si­da­des que vêm pa­tro­ci­nan­do co­mu­ni­da­des pa­ra ido­sos apo­sen­ta­dos no seu cam­pus, ou têm projetos nes­te sen­ti­do. É o sonho de um comerciant­e, trans­for­mar terra oci­o­sa em di­nhei­ro e ao mes­mo tem­po ex­plo­rar a ri­que­za da geração do

baby bo­om res­pon­den­do à sua ob­ses­são de per­ma­ne­cer jo­vem pa­ra sem­pre.

“Não sei quan­tos alu­nos ado­les­cen­tes ou pes­so­as nos seus 20 anos que­rem con­ver­sar com pes­so­as de 70 anos”, dis­se Mary Ja­ne, as­sis­ten­te so­ci­al es­co­lar apo­sen­ta­da que pla­ne­ja vi­ven­ci­ar “a ma­nei­ra de pen­sar” dos mais jo­vens.

As es­co­las dizem que sua mo­ti­va­ção é mais edu­ca­ci­o­nal e so­ci­al – en­co­ra­jar uma fu­são de ge­ra­ções – do que fi­nan­cei­ra. Mas es­sas no­vas co­mu­ni­da­des prometem um no­vo flu­xo de re­cei­ta pa­ra as instituiçõ­es, que vêm so­fren­do com o apoio re­du­zi­do do Es­ta­do e uma que­da no nú­me­ro de ma­trí­cu­las em mui­tas par­tes do país.

Elas es­tão tra­zen­do uma no­va geração (ou ve­lha geração) pa­ra os câm­pus pa­ra en­cher as sa­las de au­la, co­mer nos res­tau­ran­tes dos alu­nos, as­sis­tir a per­for­man­ces es­tu­dan­tis e se tor­na­rem men­to­res.

“Leve em conta a ques­tão de­mo­grá­fi­ca, as dí­vi­das e atra­sos de men­sa­li­da­des e como os Es­ta­dos es­tão re­du­zin­do o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra o en­si­no su­pe­ri­or”, dis­se Tom Schwarz, que se apo­sen­tou re­cen­te­men­te como pre­si­den­te do Pur­cha­se Col­le­ge. “O re­sul­ta­do é que as men­sa­li­da­des es­tão mais ca­ras, a ne­ces­si­da­de de bol­sas aumentou. Tu­do se en­cai­xa.”

Os apo­sen­ta­dos que se dizem felizes em vi­ver nos câm­pus, ao la­do de alu­nos e mem­bros da fa­cul­da­de, po­dem se tor­nar uma fon­te mui­to fér­til de ar­re­ca­da­ção de re­cur­sos. “Não es­pe­ra­mos que 100% das pes­so­as con­tri­bu­am, mas de cer­to mo­do eles já con­tri­bu­em ape­nas vi­ven­do aqui”, dis­se Schwarz. Con­tro­vér­si­as. Mui­tos alu­nos têm re­a­ções con­tra­di­tó­ri­as quan­to a com­par­ti­lhar seus anos de fa­cul­da­de com pes­so­as que lem­bram seus pais e avós, de cu­ja ór­bi­ta eles con­se­gui­ram es­ca­par.

An­ton Creutz­feldt, que aca­bou de in­gres­sar no Pur­cha­se Col­le­ge, dis­se se preocupar que es­se pú­bli­co fa­ça ob­je­ção ao ba­ru­lho e às festas até tar­de da noi­te. “É uma ideia in­te­res­san­te, mas já te­mos pro­ble­ma ao sen­tir­mos o cam­pus como se fos­se uma es­co­la, porque não há mui­to es­pa­ço pa­ra re­cre­a­ção”, dis­se ele.

Creutz­feldt dis­se que par­ti­ci­pou de au­las com pes­so­as ido­sas e a pre­sen­ça de­las dei­xou o cli­ma pe­sa­do. “Ob­vi­a­men­te uma pes­soa mais ve­lha as­sis­tin­do à au­la não es­tá pre­o­cu­pa­da se vai pas­sar nos exa­mes ou não. Elas es­tão ali por me­ro pra­zer, ou porque de­se­jam aprender. O que cria uma di­fe­ren­ça no ob­je­ti­vo da au­la. Uma pes­soa mais ido­sa vai dis­cu­tir as­sun­tos não re­le­van­tes porque in­te­res­sa a elas ou so­bre os quais têm mais ex­pe­ri­ên­cia, ao pas­so que os outros es­tão ten­tan­do che­gar ao fim da au­la.”

O ca­sal Kar­ger, por ou­tro la­do, re­sis­te ao es­te­reó­ti­po de ve­lhi­nhos. E diz que as ra­zões de es­ta­rem se mu­dan­do pa­ra o Pur­cha­se Col­le­ge, e não pa­ra Mi­a­mi, é por gos­ta­rem de dor­mir tar­de e de festas. Mary Ja­ne Kar­ger acha que os outros mo­ra­do­res também se­rão as­sim. “São mais avan­ça­dos, e não do ti­po que vai pa­ra a Fló­ri­da e acor­da ce­do”, dis­se ela.

A co­mu­ni­da­de pa­ra ido­sos em Pur­cha­se deve ficar pron­ta em três anos e aco­lher pes­so­as

com mais de 62 anos. A ida­de média dos que já fi­ze­ram de­pó­si­tos pa­ra ga­ran­tir uma vaga no fu­tu­ro é de 77 anos. O com­ple­xo con­ta­rá ini­ci­al­men­te com 220 apar­ta­men­tos e ca­sas, e mais uma ala pa­ra cui­da­dos as­sis­ten­ci­ais e pa­ra pes­so­as com per­da de me­mó­ria. E po­de­rá ser am­pli­a­do pa­ra 385 uni­da­des.

A Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Ari­zo­na vem tra­ba­lhan­do num pro­je­to similar que deve ser inau­gu­ra­do no pró­xi­mo ano. Os 252 apar­ta­men­tos do pré­dio já es­tão qua­se to­dos ven­di­dos. Ou­tras fa­cul­da­des es­tão se­guin­do o exem­plo. A Ken­dal, or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos que res­pal­da uma re­de de co­mu­ni­da­des de ido­sos apo­sen­ta­dos, es­tá em ne­go­ci­a­ção com a Uni­ver­si­da­de da Pen­sil­vâ­nia e ou­tra ins­ti­tui­ção pa­ra cri­ar uma des­sas co­mu­ni­da­des no, dis­se Larry El­vle­ru, por­ta­voz da Ken­dal.

‘Alu­nos vi­ta­lí­ci­os’.

O mar­ke­ting des­ses projetos fo­ca o ân­gu­lo aca­dê­mi­co. Au­to­ri­da­des do Es­ta­do do Ari­zo­na evi­tam a palavra apo­sen­ta­do, pre­fe­rin­do fa­lar de “alu­nos vi­ta­lí­ci­os in­de­pen­den­tes” Os ad­mi­nis­tra­do­res ima­gi­nam uma via mão du­pla em que as pes­so­as mais ve­lhas, com ex­pe­ri­ên­cia como mé­di­cos, ad­vo­ga­dos ou mú­si­cos, se tor­nem men­to­res dos alu­nos, e es­tes usem a co­mu­ni­da­de de ido­sos como la­bo­ra­tó­rio pa­ra es­tá­gio em áre­as como ge­ron­to­lo­gia ou te­ra­pia com ar­te.

Pa­ra in­cen­ti­var es­se in­ter­câm­bio en­tre ge­ra­ções, Ari­zo­na es­tá ado­tan­do o mo­de­lo de Yang, con­vi­dan­do al­guns alu­nos de ar­tes cê­ni­cas pa­ra vi­ve­rem gra­tui­ta­men­te no mes­mo pré­dio de apar­ta­men­tos dos ido­sos em tro­ca de com­par­ti­lha­rem seus ta­len­tos com os mo­ra­do­res. “Acha­mos que há mui­ta coi­sa a se aprender no to­can­te à po­pu­la­ção que en­ve­lhe­ce no mun­do de hoje e como as pes­so­as que­rem con­ti­nu­ar a aprender du­ran­te to­da a sua vi­da”, dis­se Todd Hardy, di­re­tor da área de zo­nas de ino­va­ção no Es­ta­do do Ari­zo­na.

No La­sell Vil­la­ge, cri­a­do em 2000, os mo­ra­do­res vi­vem em 16 pré­di­os in­ter­co­nec­ta­dos a um câm­pus uni­ver­si­tá­rio. As ca­sas têm no­mes de edu­ca­do­res como Mar­ga­ret Me­ad e John Dewey. Os mo­ra­do­res têm de as­sis­tir a au­las, com o cus­to in­cluí­do na ta­xa men­sal que pa­gam. Um dos cur­sos mais con­cor­ri­dos nes­te outono é o de jus­ti­ça so­ci­al, cu­jo nú­me­ro de ma­tri­cu­la­dos é de me­ta­de de alu­nos e me­ta­de de mo­ra­do­res da co­mu­ni­da­de.

Es­ses la­res de ido­sos, por seu la­do, pro­por­ci­o­nam es­tá­gi­os e em­pre­go pa­ra es­tu­dan­tes e também uma ren­da pa­ra a uni­ver­si­da­de de­cor­ren­te do alu­guel e pa­ga­men­to de ser­vi­ços de apoio como tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção e se­gu­ran­ça.

O Pur­cha­se e o Es­ta­do do Ari­zo­na for­ne­ce­rão um car­tão de iden­ti­da­de de alu­no pa­ra os mo­ra­do­res ido­sos e es­tão es­tu­dan­do de­ta­lhes de como ofe­re­cer a eles as co­mo­di­da­des e ser­vi­ços dos câm­pus. O Le­gis­la­ti­vo de No­va York apro­vou em 2011 o ar­ren­da­men­to de lon­go pra­zo de um ter­re­no do Es­ta­do pa­ra o pro­je­to, e o Pur­cha­se Col­le­ge cri­ou uma or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos pa­ra de­sen­vol­vê-lo com uma in­cor­po­ra­do­ra, a um cus­to pro­je­ta­do de US$ 320 mi­lhões.

Cus­to.

As au­to­ri­da­des esperam ob­ter uma ren­da anu­al de ba­se de US$ 2 mi­lhões com os alu­guéis que se­rão usa­dos pa­ra fi­nan­ci­ar as bol­sas de es­tu­do e con­tra­tar no­vos pro­fes­so­res. A “en­tra­da” co­bra­da pe­lo Pur­cha­se Col­le­ge vai de US$ 595 mil por um apar­ta­men­to a qua­se US$ 2 mi­lhões por uma pe­que­na ca­sa. As ta­xas men­sais de ser­vi­ço vão de US$ 4,3 mil a US$ 8,7 mil por mo­ra­dor e mais US$ 1,5 mil no ca­so de uma se­gun­da pes­soa.

Se a uni­da­de não for usa­da, 90% da en­tra­da é de­vol­vi­da ao mo­ra­dor ou a seus her­dei­ros. Um quin­to das uni­da­des se­rá re­ser­va­do que ga­nham me­nos de 80% da ren­da média do Con­da­do de West­ches­ter. Nes­se ca­so, o va­lor de en­tra­da começa em US$ 250 mil.

No pro­je­to do Es­ta­do do Ari­zo­na, cha­ma­do Mi­ra­bel­la, os pre­ços va­ri­am de US$ 300 mil a mais de US$ 1 mi­lhão – va­lor do apar­ta­men­to de co­ber­tu­ra. Judy Cohen, 82 anos, pro­fes­so­ra de in­glês apo­sen­ta­da, e o ma­ri­do Mar­tin, 84 anos, car­di­o­lo­gis­ta, se per­gun­tam se se­ri­am bem re­ce­bi­dos pe­los es­tu­dan­tes. “Eles têm a pró­pria vi­da. Não sei quan­tos che­ga­ri­am até você e con­ver­sa­ri­am com...”. Ele si­len­ci­ou, mas sua mu­lher con­cluiu a fra­se: “Gen­te ve­lha”, dis­se ela. “Va­mos fa­lar de for­ma cla­ra”.

ADRI­A­NA ZEHBRAUSKA­S/ THE NEW YORK TI­MES

Obra. Co­mu­ni­da­de de 20 an­da­res na Uni­ver­si­da­de de Ari­zo­na

JOE CARROTTA/THE NEW YORK TI­MES

Pla­no. Judy e Mar­tin Cohen vão mo­rar em Pu­cha­se Col­le­ge

JOE CARROTTA/THE NEW YORK TI­MES

Apo­sen­ta­dos. Mary and Tom Kar­ger pla­ne­jam mu­dan­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.