‘O ob­je­ti­vo de Washing­ton é usar bullying e pres­são’

Guer­ra co­mer­ci­al não é ape­nas con­tra um país, diz em­bai­xa­dor, que pre­ga união de Brasil e Chi­na no co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal

O Estado de S. Paulo - - Economia - Cris­ti­a­ne Bar­bi­e­ri

A Chi­na não quer a guer­ra co­mer­ci­al com os Es­ta­dos Uni­dos, mas tam­pou­co a te­me. Na ver­da­de, se­gun­do Yang Wan­ming, em­bai­xa­dor da Chi­na no Brasil, a dis­pu­ta não é di­re­ci­o­na­da a um país es­pe­cí­fi­co, mas sim a to­da ca­deia de va­lor glo­bal. “O ob­je­ti­vo (da Ca­sa Bran­ca) é usar o bullying e a má­xi­ma pres­são pa­ra ti­rar o mai­or pro­vei­to”, dis­se.

Há oi­to me­ses no País, Yang viu a re­la­ção en­tre Chi­na e Brasil se es­trei­tar. Ele afir­ma, po­rém, que o co­mér­cio en­tre os dois paí­ses ten­de a so­frer no médio e lon­go pra­zos. “A guer­ra co­mer­ci­al pro­vo­ca­da pe­los EUA ar­rui­nou a con­fi­an­ça do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, aumentou o ris­co de re­ces­são glo­bal, e eco­no­mi­as emer­gen­tes, como a bra­si­lei­ra so­fre­rão con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas.”

Nes­sas cir­cuns­tân­ci­as, afir­ma, é ain­da mais im­por­tan­te que Chi­na e Brasil de­fen­dam a co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal e o mul­ti­la­te­ra­lis­mo. Em ou­tu­bro, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro vi­si­ta­rá a Chi­na. No mês se­guin­te, é a vez do pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, vir ao País, pa­ra a Cú­pu­la do Brics. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

Qu­em per­de mais com a guer­ra co­mer­ci­al: Chi­na ou EUA?

Nin­guém sai vi­to­ri­o­so de uma guer­ra co­mer­ci­al. To­da a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, in­clu­si­ve Chi­na e EUA, é vítima. A Chi­na é o mai­or par­cei­ro co­mer­ci­al dos EUA, e vi­ce-ver­sa, e es­sa par­ce­ria tem si­do mu­tu­a­men­te be­né­fi­ca. Pro­du­tos chi­ne­ses re­du­zi­ram o cus­to de vi­da das fa­mí­li­as ame­ri­ca­nas. Já a ra­zão do dé­fi­cit co­mer­ci­al dos EUA com a Chi­na es­tá na es­tru­tu­ra econô­mi­ca do país. A Ca­sa Bran­ca diz que o co­mér­cio com a Chi­na cau­sou pre­juí­zo aos EUA e de­ci­diu, uni­la­te­ral­men­te, im­por ta­ri­fas adi­ci­o­nais às ex­por­ta­ções chi­ne­sas. O ob­je­ti­vo é usar o bullying e a má­xi­ma pres­são pa­ra ti­rar o mai­or pro­vei­to (pa­ra si). Tra­ta-se de uma vi­o­la­ção gra­ve das re­gras da OMC (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio), que pre­ju­di­ca o sis­te­ma mul­ti­la­te­ral do co­mér­cio e a or­dem econô­mi­ca mun­di­al.

• A Chi­na po­de in­ten­si­fi­car a dis­pu­ta pa­ra que o pre­si­den­te Do­nald Trump não se­ja re­e­lei­to?

A Chi­na não quer uma guer­ra co­mer­ci­al, mas tam­pou­co te­me es­sa guer­ra co­mer­ci­al. Ja­mais ce­de­mos em prin­cí­pi­os es­sen­ci­ais. Em res­pos­ta à de­ci­são de Washing­ton, a Chi­na foi for­ça­da a to­mar con­tra­me­di­das. Após a cri­se fi­nan­cei­ra de 2008, a Chi­na te­ve pa­pel fun­da­men­tal na manutenção da es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal e na pro­mo­ção do cres­ci­men­to econô­mi­co glo­bal. Atu­al­men­te, é a Chi­na que res­pon­de às pres­sões do pro­te­ci­o­nis­mo, de­fen­den­do o mul­ti­la­te­ra­lis­mo e o li­vre-co­mér­cio. Di­an­te dos atri­tos que se alas­tram há mais de um ano, a Chi­na acre­di­ta que di­ver­gên­ci­as e con­fli­tos en­tre os dois paí­ses só se­rão re­sol­vi­dos com diá­lo­go e ne­go­ci­a­ção.

• Mes­mo se o pre­si­den­te Do­nald Trump não for re­e­lei­to, a Chi­na vol­ta­rá a con­fi­ar nos EUA?

A his­tó­ria e a re­a­li­da­de pro­va­ram re­pe­ti­das ve­zes que a co­o­pe­ra­ção Chi­na–EUA é a úni­ca al­ter­na­ti­va cor­re­ta pa­ra os dois la­dos. A Chi­na sem­pre tem si­do a fa­vor de tra­ba­lhar com os EUA pa­ra cons­truir re­la­ções pau­ta­das na co­o­pe­ra­ção e na es­ta­bi­li­da­de. Mas is­so exi­ge que os dois la­dos bus­quem o mes­mo ob­je­ti­vo. Os EUA devem per­ce­ber que só quan­do su­as po­lí­ti­cas ex­ter­nas e co­mer­ci­ais vol­ta­rem à tra­je­tó­ria cor­re­ta e sau­dá­vel é que se­rão pre­ser­va­dos os in­te­res­ses de lon­go pra­zo dos EUA e da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

• Há um pro­pó­si­to dos EUA pa­ra im­pe­dir a Chi­na de se tor­nar a mai­or economia do mun­do?

Não qu­e­ría­mos comentar a in­ten­ção dos EUA de ini­ci­ar a guer­ra co­mer­ci­al. O fa­to é que o atu­al go­ver­no, des­de o iní­cio, se­gue a po­lí­ti­ca ‘Ame­ri­ca First’ e ado­tou uma sé­rie de me­di­das uni­la­te­rais e pro­te­ci­o­nis­tas. Ao ini­ci­ar a guer­ra co­mer­ci­al con­tra a Chi­na, Washing­ton usa as ta­ri­fas adi­ci­o­nais como ame­a­ça pa­ra pro­vo­car atri­tos co­mer­ci­ais com seus prin­ci­pais par­cei­ros, en­tre eles, o Brasil. Es­sa guer­ra co­mer­ci­al não é di­re­ci­o­na­da a um país es­pe­cí­fi­co, mas sim à ca­deia glo­bal de va­lor, à con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res e às nor­mas e or­dem in­ter­na­ci­o­nais.

O que a Chi­na pre­ten­de fa­zer so­bre a dis­pu­ta em tor­no do 5G?

Por al­gum tem­po, os EUA mo­bi­li­za­ram o apa­ra­to es­ta­tal pa­ra di­fa­mar uma em­pre­sa chi­ne­sa e sua tec­no­lo­gia 5G, sem ne­nhum fun­da­men­to. Até ten­ta­ram im­pe­dir outros paí­ses, como o Brasil, a de­sen­vol­ver par­ce­ria com a Hu­awei. Seu ob­je­ti­vo é usar es­sa tec­no­lo­gia como fer­ra­men­ta pa­ra ini­bir o de­sen­vol­vi­men­to de outros paí­ses e pre­ser­var seus pri­vi­lé­gi­os. Is­so im­pe­de a par­ti­lha dos di­vi­den­dos da quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, re­pre­sen­ta­do pe­la tec­no­lo­gia 5G, uma ino­va­ção que tem impacto no pro­gres­so da hu­ma­ni­da­de. A Chi­na es­tá dis­pos­ta a com­par­ti­lhar con­quis­tas ci­en­tí­fi­cas e tec­no­ló­gi­cas, como o 5G, com o Brasil e ou­tras par­tes, so­bre ba­se de be­ne­fí­ci­os mú­tu­os e ganha-ganha.

• Há al­gu­ma ex­pec­ta­ti­va de quan­to tem­po es­se con­fli­to com os EUA po­de du­rar?

Nes­te mo­men­to, a Chi­na e os EUA con­cor­da­ram em re­a­li­zar a 13.ª ro­da­da de ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais, em ou­tu­bro. As du­as equi­pes devem se pre­pa­rar com se­ri­e­da­de pa­ra ten­tar al­can­çar avan­ços. A pre­con­di­ção pa­ra pôr fim a es­sa guer­ra é Washing­ton aban­do­nar su­as prá­ti­cas equi­vo­ca­das.

• O Brasil po­de se tor­nar um par­cei­ro co­mer­ci­al mais im­por­tan­te pa­ra a Chi­na, uma vez que é uma al­ter­na­ti­va pa­ra a se­gu­ran­ça ali­men­tar e ener­gé­ti­ca chi­ne­sa?

No curto pra­zo au­men­ta­ram, de fa­to, as ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras de so­ja pa­ra a Chi­na. No en­tan­to, a lon­go pra­zo, o co­mér­cio Chi­na–Brasil se­rá pre­ju­di­ca­do com a guer­ra co­mer­ci­al. Pri­mei­ro porque ela da­ni­fi­cou o sis­te­ma mul­ti­la­te­ral de co­mér­cio,

ar­rui­nou a con­fi­an­ça do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, aumentou o ris­co de uma re­ces­são mun­di­al e eco­no­mi­as emer­gen­tes como a bra­si­lei­ra so­fre­rão. Se­gun­do, porque a guer­ra en­fra­que­ceu as ca­dei­as de pro­du­ção, su­pri­men­to e va­lor, tra­zen­do in­cer­te­za à par­ce­ria si­no-bra­si­lei­ra no médio e lon­go pra­zos. Nos­sos dois paí­ses são pro­mo­to­res e de­fen­so­res do sis­te­ma mul­ti­la­te­ral de co­mér­cio e da economia mun­di­al aber­ta. Na con­jun­tu­ra atu­al, é ain­da mais im­por­tan­te que Chi­na e Brasil de­fen­dam jun­tos a or­dem do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal ba­se­a­da na co­o­pe­ra­ção e pro­te­jam o mul­ti­la­te­ra­lis­mo.

• O fa­to de o pre­si­den­te Bol­so­na­ro ser de­cla­ra­da­men­te an­ti­co­mu­nis­ta e ad­mi­ra­dor dos EUA, ten­do in­di­ca­do in­clu­si­ve seu fi­lho pa­ra a em­bai­xa­da do Brasil no país, pre­o­cu­pa a Chi­na?

A Chi­na sem­pre res­pei­ta a es­co­lha da po­lí­ti­ca ex­ter­na do Brasil ou de qual­quer ou­tro país. Mas o fa­to é que a ad­mi­nis­tra­ção Bol­so­na­ro, des­de o iní­cio, tem man­ti­do boa in­te­ra­ção com o la­do chi­nês. Em pou­cos me­ses de go­ver­no, o vi­ce-pre­si­den­te, Ha­mil­ton Mou­rão, fez uma vi­si­ta bem-su­ce­di­da à Chi­na e reu­niu-se com o pre­si­den­te Xi Jin­ping. A vi­si­ta ini­ci­ou o in­ter­câm­bio de al­to ní­vel e tra­çou pla­nos pa­ra a co­o­pe­ra­ção prag­má­ti­ca bi­la­te­ral em vá­ri­os cam­pos. As vi­si­tas de al­to ní­vel são tão fre­quen­tes que cri­a­ram um re­cor­de no re­la­ci­o­na­men­to bi­la­te­ral. O pre­si­den­te Bol­so­na­ro fa­rá vi­si­ta de Es­ta­do à Chi­na em ou­tu­bro e o pre­si­den­te Xi Jin­ping vi­rá aqui em no­vem­bro pa­ra a 11.ª Cú­pu­la do Brics. Es­ses con­ta­tos co­lo­ca­rão a par­ce­ria es­tra­té­gi­ca Chi­na–Brasil em no­vo pa­ta­mar.

O que a Chi­na es­pe­ra da vi­si­ta do pre­si­den­te Bol­so­na­ro ao país?

Atu­al­men­te, as du­as equi­pes es­tão in­ten­si­fi­can­do os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra ga­ran­tir re­sul­ta­dos fru­tí­fe­ros des­sa vi­a­gem. Du­as mai­o­res na­ções em de­sen­vol­vi­men­to nos He­mis­fé­ri­os Ori­en­tal e Oci­den­tal, Chi­na e Brasil, têm grande po­ten­ci­al e am­plo es­pa­ço de co­o­pe­ra­ção.

O sr. acre­di­ta pes­so­al­men­te que Trump se­rá re­e­lei­to?

É um as­sun­to in­ter­no dos EUA e a de­ci­são ca­be ao po­vo ame­ri­ca­no. Mas, in­de­pen­den­te­men­te de qu­em se­ja o pre­si­den­te, se ele con­se­guir pro­mo­ver a re­la­ção en­tre EUA e outros paí­ses ba­se­a­do no res­pei­to mú­tuo, tratamento igual e be­né­fi­co a to­dos os la­dos, a re­la­ção vai ser sau­dá­vel. Mas se os EUA con­ti­nu­a­rem com a men­ta­li­da­de de he­ge­mo­nia e o bullying com outros paí­ses, com me­di­das uni­la­te­rais pa­ra o pró­prio pro­vei­to, não só as re­la­ções en­tre os EUA e outros paí­ses vão ser pre­ju­di­ca­das, mas também a economia e o co­mér­cio mun­di­al. Os EUA são o mai­or país do mun­do e o mais potente. Eles devem to­mar me­di­das ex­ter­nas mais res­pon­sá­veis e sau­dá­veis.

HÉLVIO RO­ME­RO / ESTADÃO

Vi­o­la­ção. EUA ig­no­ram re­gras da OMC, afir­ma Wan­ming

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.