Como é o tra­ba­lho do em­bai­xa­dor apon­ta­do pa­ra o Va­le do Si­lí­cio

Cas­per Klyn­ge cui­da, há dois anos, dos in­te­res­ses da Di­na­mar­ca jun­to às gi­gan­tes de tec­no­lo­gia – e sua mis­são não é fá­cil

O Estado de S. Paulo - - Economia - Adam Sa­ta­ri­a­no DE CLAUDIA BOZZO / TRA­DU­ÇÃO

“Qu­em tem mai­or impacto na sociedade? Um país no sul da Eu­ro­pa ou as gran­des pla­ta­for­mas tec­no­ló­gi­cas?” EM­BAI­XA­DOR DA DI­NA­MAR­CA NO VA­LE DO SI­LÍ­CIO Cas­per Klyn­ge

Cas­per Klyn­ge, di­plo­ma­ta de car­rei­ra da Di­na­mar­ca, já tra­ba­lhou em al­guns dos lu­ga­res mais tur­bu­len­tos do mun­do. Cer­ta vez, ele pas­sou 18 me­ses en­vol­vi­do em es­for­ços de re­cons­tru­ção no Afe­ga­nis­tão. Du­ran­te dois anos, li­de­rou uma mis­são de ge­ren­ci­a­men­to de cri­ses no Ko­so­vo. No en­tan­to, Klyn­ge, 46 anos, diz que seu car­go mais di­fí­cil no ex­te­ri­or é o que ele tem ago­ra: o de pri­mei­ro em­bai­xa­dor es­tran­gei­ro do mun­do no se­tor de tec­no­lo­gia.

Em 2017, a Di­na­mar­ca se tor­nou o pri­mei­ro país a cri­ar for­mal­men­te um car­go di­plo­má­ti­co pa­ra re­pre­sen­tar seus in­te­res­ses pe­ran­te em­pre­sas como Fa­ce­bo­ok e Google. De­pois que a Di­na­mar­ca de­ter­mi­nou que os gi­gan­tes da tec­no­lo­gia ago­ra têm tan­to po­der quan­to mui­tos go­ver­nos – se não mais – Klyn­ge foi enviado ao Va­le do Si­lí­cio.

“Qual é o mai­or impacto co­ti­di­a­no na sociedade? Um país no sul da Eu­ro­pa, ou no su­des­te da Ásia ou na América La­ti­na, ou as gran­des pla­ta­for­mas tec­no­ló­gi­cas?”, dis­se Klyn­ge. “Nos­sos va­lo­res, instituiçõ­es, de­mo­cra­cia, di­rei­tos hu­ma­nos, na minha opi­nião, es­tão sen­do de­sa­fi­a­dos ago­ra por cau­sa do sur­gi­men­to de no­vas tec­no­lo­gi­as e as em­pre­sas se tor­na­ram, na prá­ti­ca, ato­res da po­lí­ti­ca ex­ter­na.”

De­pois de dois anos no car­go, Klyn­ge não tem ilu­sões so­bre qual lu­gar as pre­o­cu­pa­ções da Di­na­mar­ca ocu­pam na men­te do Va­le do Si­lí­cio. A po­pu­la­ção da Di­na­mar­ca, de 5,8 mi­lhões de pes­so­as, é me­nor que a da área me­tro­po­li­ta­na de São Francisco. Me­nos de 1% dos usuá­ri­os glo­bais do Fa­ce­bo­ok es­tão no país es­can­di­na­vo.

As em­pre­sas do Va­le do Si­lí­cio e seus lí­de­res de­ram a Klyn­ge uma re­cep­ção di­fe­ren­te. Ele nun­ca se en­con­trou com Mark Zuc­ker­berg, do Fa­ce­bo­ok, ou Sun­dar Pi­chai, do Google, ou Tim Co­ok, da Ap­ple. As au­to­ri­da­des di­na­mar­que­sas dis­se­ram que era como li­dar com uma su­per­po­tên­cia mun­di­al opa­ca. Elas es­tão pre­o­cu­pa­das com de­sa­fi­os que afli­gem o Oci­den­te, como a dis­se­mi­na­ção de con­teú­do fal­so, pro­ble­mas so­bre pri­va­ci­da­de e ser­vi­ços fa­min­tos por da­dos, além dos bai­xos im­pos­tos que as em­pre­sas pa­gam fora dos EUA.

Diá­lo­go.

Mas os obs­tá­cu­los que Klyn­ge en­fren­tou no Va­le do Si­lí­cio fo­ram hu­mi­lhan­tes. Ele dis­se que le­vou no­ve me­ses pa­ra se sen­tar com um executivo de uma das mai­o­res em­pre­sas de tec­no­lo­gia – o di­na­marquês se re­cu­sou a ci­tar no­mes. Ele che­gou

es­pe­ran­do uma con­ver­sa fran­ca so­bre ques­tões pre­vi­a­men­te acor­da­das, in­cluin­do im­pos­tos, se­gu­ran­ça e de­sin­for­ma­ção, mas só lhe foi ofe­re­ci­da uma

vi­si­ta à se­de da em­pre­sa.

Mas al­gu­mas em­pre­sas de tec­no­lo­gia dizem que já en­ten­dem melhor o tra­ba­lho de Klyn­ge. Brad Smith, pre­si­den­te da Mi­cro­soft, dis­se que con­ver­sa­va re­gu­lar­men­te com o di­na­marquês. Pa­ra Smith, a no­me­a­ção deu à Di­na­mar­ca uma “in­fluên­cia es­pe­ci­al”. Já Pe­ter Müns­ter, por­ta-voz do Fa­ce­bo­ok, dis­se que “de­mo­rou até en­ten­der­mos a abran­gên­cia e as in­ten­ções no pa­pel de Klyn­ge”. Google e Ap­ple se re­cu­sa­ram a comentar, en­quan­to a Ama­zon não res­pon­deu ao NYT.

Van­guar­da.

A Di­na­mar­ca en­fren­tou al­gu­mas crí­ti­cas por co­lo­car as em­pre­sas no mes­mo ní­vel dos go­ver­nos so­be­ra­nos, mas outros paí­ses também es­tão de­di­can­do re­cur­sos di­plo­má­ti­cos à in­dús­tria de tec­no­lo­gia. A França cri­ou um em­bai­xa­dor pa­ra as­sun­tos digitais, por exem­plo, en­quan­to Aus­trá­lia, Grã-Bre­ta­nha e Alemanha abri­ram pos­tos pa­ra fa­ci­li­tar o co­mér­cio e o in­ves­ti­men­to. Mas Klyn­ge ain­da é o úni­co em­bai­xa­dor di­re­to no Va­le do Si­lí­cio.

Hoje, ele tem um escritório em Pa­lo Al­to, não mui­to lon­ge da se­de das gi­gan­tes de tec­no­lo­gia. Sua equi­pe tem cer­ca de 11 pes­so­as, sen­do se­te na re­gião, três na Di­na­mar­ca e uma na Chi­na – país cu­ja im­por­tân­cia na in­dús­tria de tec­no­lo­gia cres­ce a olhos vis­tos. Klyn­ge dis­se es­tar sur­pre­so por ver em­pre­sas chi­ne­sas es­ta­rem mais aber­tas a dis­cu­tir ques­tões po­lí­ti­cas do que as dos EUA. “A di­plo­ma­cia é, por na­tu­re­za, um ne­gó­cio de lon­go pra­zo no qual você não vê, ne­ces­sa­ri­a­men­te, as me­tas sen­do cum­pri­das de um dia pa­ra o ou­tro”, dis­se ele.

LAERKE POSSELT/THE NEW YORK TI­MES-23/8/2019

Pro­va. Atu­ar no Va­le é mais di­fí­cil que no Ko­so­vo, diz Klyn­ge

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.